terça-feira, 28 de julho de 2015

Dilma cutuca o asfalto com vara curta


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Josias de Souza

Dilma Rousseff exibirá sua imagem estilhaçada numa rede nacional de tevê em pleno horário nobre. Aparecerá no programa de um PT levado no embrulho da onda de impopularidade. Sob a direção do marqueteiro João Santana, ela silenciará sobre a Lava Jato e sustentará que a crise econômica é momentânea e que o país logo voltará a crescer. Ainda não se deu conta. Mas cutuca a paciência coletiva com vara curta.

Depois de estrelar sete meses de um segundo mandato caótico, Dilma fará pose de otimista na noite de 6 de agosto, antessala do protesto que as redes sociais convocam contra o seu governo para o dia 16. Não são negligenciáveis as chances de o programa do PT, que terá Lula como ator coadjuvante, ir ao ar ao som de panelas —um veneno que já começou a ser instilado na web. Com taxa de aprovação variando entre 7,7% e 10%, conforme o instituto de pesquisa, Dilma tornou-se um convite ao protesto.

O mais irônico é que o oco da presidente e do partido dela está sendo preenchido pelo mesmo marqueteiro que ajudou a fabricar o enredo ficcional da última campanha presidencial. Hoje, todos os discursos estão vencidos, inclusive o de João Santana.

Nas pegadas da célebre jornada de junho de 2013, o marqueteiro do PT analisou os efeitos do ronco das ruas sobre a imagem de Dilma numa conversa com o repórter Luiz Maklouf Carvalho. Sustentou a tese segundo a qual a encrenca não tinha nada a ver com a presidente, uma pessoa “honesta” e com “comando”, que estava “gerindo bem” o governo.

João Santana transbordava confiança. Confiava no próprio taco e também na ineficiência dos adversários. “A Dilma vai ganhar no primeiro turno, em 2014, porque ocorrerá uma antropofagia de anões. Eles vão se comer, lá embaixo, e ela, sobranceira, vai planar no Olimpo.”

Os “anões” não eram canibais. Aécio Neves foi ao segundo turno. E arrastou Marina Silva para o seu córner. Dilma combateu-os a golpes de marketing. Prevaleceu sobre o rival tucano no segundo round. E não foi por nocaute. Saiu do ringue menor do que entrou. Desconstruiu os adversários sem se preocupar com a autoconstrução. Depois da posse, aderiu ao receituário do rival.

Hoje, o “olimpo” está situado no chão. Nas alturas, apenas a inflação, os juros e a impaciência alheia. A “honestidade” esbarra nas arcas eleitorais apinhadas de verbas sujas. A boa gestão é apenas um outro nome para a inépcia. Um tucano assumiu a economia. O PMDB se divide entre a coordenação política e a oposição.

Parte das ruas já grita 'impeachment'. E tudo o que Dilma e o PT têm a oferecer é um pouco mais de João Santana.


Josias de Souza é Jornalista. Originalmente publicado no blog do autor em 27 de julho de 2015.

Um comentário:

Jorge Jeronimo Pinha Costa disse...

Os movimentos na tentativa de ressurreição da Nação Brasileira necessitam de mais organização.
A sociedade civil necessita organizar seus representantes e interlocutores, e que os mesmos sejam legítimos. Os movimentos de rua são importantíssimos, mas possuem um baixo fator de operacionalidade e eficacia. A sociedade civil precisa se juntar ao estamento militar sim, mas não através da convocação da tropa pelo povo. A sociedade civil organizada precisa conversar com a cúpula militar, seja a ativa ou a já na reserva ou ainda com ambas, desde que tenham o comando da tropa. Só essa união irá permitir o enfrentamento pelo verdadeiro inimigo que que encontra encastelado no comando da Nação. É preciso, ainda, levar em consideração que atual governo do País está unido a forças externas, que podem tentar intervir aqui, em socorro aos nossos covardes inimigos internos!