sexta-feira, 17 de julho de 2015

Família x Pátria Educadora


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mônica Torres

Um olhar amplo e mais apurado de qualquer cidadão comum observador, para a atual infiltração do comunismo no Brasil travestido de socialismo, vai se deparar com um aspecto muito mais sombrio do que outrora, nas investidas dos simpatizantes de Carlos Prestes.

A ideologia comunista na época de 50, que contava com campanhas mascaradas Pró-Paz, e precisava de grande concentração humana para se difundir, enfrentava a vigilância natural da sociedade conservadora, a diligência impecável da força militar, além de enfrentar-se com dificuldades que passavam pela dificílima derrubada de valores familiares e culturais. A campanha falhou. Naturalmente.

Na linha de montagem da estrutura do partido, era necessário o equilíbrio de forças cujos 4 pilares eram: 1 – Operariado, 2 – Campezinato, 3 – Juventude e.. 4 – Mulheres. Mas a distribuição desses grupos não guardava as proporções adequadas para a vida da campanha. A massa de operários sempre guardou o maior contingente de adeptos. Em razão disso, o partido sempre valorizou e se dirigiu ao campo, buscando nesse meio atrair trabalhadores agrícolas.

Reconhecendo na cultura da época, a nítida dominância dos grupos de jovens pelos grupos mais velhos e conhecendo estatisticamente a pirâmide de idades da população brasileira à época, o partido achou necessário aliciar a juventude para compor as hordas.

A mais arriscada e mais danosa de todas, a adesão feminina, graças a Deus não aconteceu. Com ela se teria o rompimento da unidade familiar brasileira. Nesse ponto, a valorização do conjunto cultural conservador, o conjunto de regras da boa prática social e familiar, adotadas pela nossa sociedade à época, nos salvou do subjugo da ideologia comunista.

Agora não necessitam mais tramar pelas alcovas. Venhamos para 2015 com as observações cruciais: A ascensão desse partido se deu já a partir do ponto mais alto do estado, depois de ocupados os pontos chave estratégicos , beneficiado pela boa tecnologia mal usada nas urnas. Não foi nem será necessário, grande concentração de massa humana a não ser para servir de suporte econômico à ideologia esquerdista.

Nunca foi tão fácil, difundir, aliciar, conquistar e corromper. A internet é uma aliada indispensável nessa jornada falso-socialista. Não haverá lutas bélicas, porque as armas são os meios de comunicação de um lado e de outro, que logo mais através de marcos regulatórios, serão removidos das mãos do lado oprimido, antes que ele entenda de fato toda a trama. Matar-se-á pela economia: de fome, de frustração, de indignidade e vergonha. Enfraquecer-se-ão os mais sólidos valores: os morais. e assim “tudo estará consumado”.

E a sociedade, hoje já desprovida dos valores morais mais nobres, que não eram apenas privilégio de classes ricas, mas de todo brasileiro bem criado, agora simplesmente aplaude, alienada ou indiferente em sua maioria. Não é que estão dormindo, é que quase não há mais valores a serem lembrados, porque foram preteridos e sucumbiram à falsa evolução.

O que resta? Novamente os velhos valores de “unidade familiar”, que ainda são a última resistência nacional. Neles estão depositadas as últimas esperanças de sobrevivência de nossa democracia. Porque para que se entenda o principal ângulo comunista, é preciso lembrar de que o conceito de “família” como é estruturado o nosso, não existe. Há apenas a grande mãe socialista travestida de “pátria educadora”, que ensinará sua lição sistematicamente aos filhos, que por fim serão apenas seus escravos.

A nossa família como é estruturada hoje, está fadada a morrer pelas mãos sujas da esquerda, num futuro muito próximo. É para a família que devemos voltar nossos cuidados. É para a família que devemos fazer nossos maiores esforços, porque toda a atmosfera socialista que já respiramos, já está consolidada a nosso desgosto. Apenas nossos descendentes poderão mudar o curso da história.


Mônica Torres é desenvolvedora de Softwares e escritora de artigos de caráter reflexivo e de cunho social e político para blogs e sites.

Nenhum comentário: