domingo, 9 de agosto de 2015

Catalepsia Política


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Maynard Marques de Santa Rosa

A propaganda ideológica e as promessas enganosas que semearam o paraíso na mente do povo não mais conseguem evitar o panelaço urbano e o clamor dos protestos nas redes sociais.

Em 1961, um ensaio científico da psicoterapeuta alemã Marie Louise Von Franz, compilado no livro O Homem e Seus Símbolos, afirmava que: “Quando se manipula a opinião pública com apelos antinaturais, provoca-se uma repressão dos instintos, que causa dissociação neurótica e enfermidade mental. Os manipuladores podem alcançar sucesso temporário no início, mas acabam por fracassar a longo prazo”.

Marie Louise era pesquisadora máster da equipe do Dr. Carl Gustav Jung, criador da teoria dos arquétipos. Ele próprio já havia demonstrado que os grupos humanos adquirem personalidade coletiva e agem à semelhança do ser individual.

Evidentemente, Antonio Gramsci ignorava essa verdade, quando redigiu os seus Cadernos do Cárcere, assim como, também, os intelectuais do Foro de São Paulo, ao trocarem o modelo leninista pela Revolução Passiva.

Os ideólogos de esquerda, fazendo uso massivo da arma psicológica, em três décadas, demoliram os referenciais morais e desfiguraram os traços culturais da identidade nacional, mas não conseguiram alcançar a meta primordial: “substituir os fundamentos da sociedade burguesa pelos da sociedade marxista”.

Portanto, é uma constatação alvissareira o fracasso da doutrina de Gramsci no Brasil, não obstante o legado da profecia de Marie Louise: “dissociação neurótica crônica”, com prejuízo da harmonia social.

Ironicamente, parece que a maior afetação se deu no estamento político, como indicado pelos atuais sintomas de alienação e perda do discernimento. O partido governante busca no marketing a solução da crise. Os da oposição lançam-se à disputa dos despojos do poder, sem aparentar preocupação com os destinos do país.  O clima político é dominado por uma espécie de morbidez cataléptica, que mantém viva a percepção dos sentidos, mas paralisa a capacidade de agir.

Evocando a dimensão psicológica em cujo âmbito atua a malfadada doutrina, cabe o alerta de Jung: “Grupos, comunidades e até mesmo povos inteiros podem ser tomados por epidemias psíquicas”. Sob pressão de uma crise, podem aflorar à consciência coletiva os arquétipos mais recônditos do inconsciente, inclusive os da barbárie, para semear devastação e tirania.


Maynard Marques de Santa Rosa é General de Exército  e já está reformado.

Um comentário:

Anônimo disse...

Excelente texto, Sr. General. Expõe a psicopatia dos vermelhos, já estudada cientificamente em livros.
Infelizmente, a culpa é de vocês militares que não terminaram o serviço. Por favor, neste vosso próximo retorno, que sabemos estar próximo, façam a faxina correta: não empurrem a sujeira debaixo dos tapetes verde-amarelos.
Lembrem-se com extremo carinho da maioria da imprensa, aquela que fez e continua fazendo a cabeça do povo, com muito pão e circo e gramscismo.
Lembrem-se de fazer uma Lei proibindo e criminalizando não só o nazismo, mas também o comunismo e seus nefastos símbolos, proibindo o gramscismo no Brasil.
Como eu digo: o que acabou com o Brasil foi a tal liberdade ampla, geral e irrestrita.
Viram o que deu a armadilha da Lei de Anistia? Como conseguiram os militares confiar em bandidos? Pessoas doentes que amam mais a foice e o martelo do que o Brasão da República? Que choram ao cantar o hino da internacional comunista? Que amam criminosos (Stalin, Mao, Castro, Guevara, Marighela, Chaves, etc) que assassinaram entre 100 e 200 milhões de seres humanos?
Pô, os Srs. "marcaram bobeira"! Que agora corrijam os erros e não deixem nenhuma metástase manchando nosso solo sagrado! O Brasil e toda a América Latina dependem de vocês, senhores militares, e suas famílias sabem também disso. Salvem nossa Pátria.