sábado, 15 de agosto de 2015

Contemplação


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laercio Laurelli

A analise sobre a declaração do excelente Ministro Marco Aurélio Mello, fazendo menção ao mal estar e, por não aceitar o convite para “jantar” no Palácio Presidencial, que Dilma oferecera aos ministros do Supremo Tribunal Federal, nos conduz à reflexão sublime.

Sua dignidade e o respeito pela sociedade brasileira, porfiada em um ângulo peculiar de sua personalidade e, por conseguinte, sua inexorável qualidade da escala moral, perfaz o primor e a contemplação firmada na integridade, na confiabilidade pelo cargo que ocupa, na sabedoria, no amor à virtude e no zelo da justiça humana.

Lembra que, na Magistratura, exige-se sensibilidade quanto aos costumes e aos deveres do homem e algo de criatividade na temerosa missão de julgar o próximo formado à imagem e semelhança de Deus.

Parabéns, Ministro! A contemplação de sua atitude, dotado dessa fé, como se estivesse com a alma voltada para o infinito, a rezar baixinho, cumpre seu desiderato, clamando por aquela mensagem de paz.


Laercio Laurelli é a apresentador do Programa Direito & Justiça em Foco e Desembargador (TJ-SP).

3 comentários:

Anônimo disse...

UM juiz tem de ser desse quilate e não se mostrar como um Tóffoli ou Lewandowski da vida!

Indignada.com, disse...

Eu sempre disse:"esse é o meu Presidente!"

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Reproduzo meu comentário, já publicado no Alerta Total, mas ainda pertinente:

'Novamente cidadãos deparam com pronunciamentos de membros do judiciário, no caso STF, no sentido de que se preocupam muito é com a opinião pública, a leitura que fazemos do comportamento delles, e não com a moral e Ética, com Leis, conforme reproduzo do Alerta Total...

"De início, eu sou contrário ao comparecimento do colegiado como um grande todo a certos eventos, e esse evento é um deles. A leitura que o cidadão faz não é boa e acaba desgastando indiretamente a instituição. Nós não ficamos submissos por aceitarmos o convite da presidente da República, mas aquele a quem nós devemos contas, que são os cidadãos, eles veem de outra forma, como se fosse algo em termos de cooptação. E isso não é bom, principalmente nessa época".

Ainda cabe ressaltar o comportamento do balcão de negócios que o Senado é, coisa fartamente comprovada pelos comportamentos de senadores, agora especialmente Renan Calheiros no "toma lá, da cá" que estabeleceu com Dillma Vana Roussef; a mim, o Senado aparece como um prostíbulo (peço perdão às cafetinas e cafetões, inclusive as senhoras putas, pela comparação, pois certamente em puteiros existe maior moral e Ética).

Alguém ainda acha que por vias políticas, será resolvida a situação, gravíssima, do Brasil e brasileiros?'