sexta-feira, 14 de agosto de 2015

De mal a Pior


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Clovis Purper Bandeira

Fala-se muito do cenário internacional desfavorável, e pouco de políticas equivocadas adotadas pelos governos petistas e da má gestão da coisa pública.

No entanto, não há como deixar de considerar que o assalto aos recursos públicos inibiu a aplicação de recursos em investimentos necessários ao crescimento do país e ao bem-estar da população, por exemplo, nas áreas da saúde e educação.

Afinal, estamos falando de bilhões de reais que foram parar nos bolsos da máfia petista e seus aliados, seja para assegurar-lhes a permanência no Poder, seja para enriquecê-los de forma criminosa.

Mas os males do Brasil, hoje, desgraçadamente não param por aí. Nossos políticos, grande número deles, incluídos os próceres do Senado e do Congresso Federal, estão envolvidos até o pescoço na roubalheira.

Gananciosos, valeram-se das coalizões oportunistas com o petismo e trataram de locupletar-se. Agora é o salve-se quem puder. Estabeleceu-se o impasse político, cada um tratando de livrar a própria pele.

A economia encolherá quase 2% no corrente ano, e a previsão para 2016 é de crescimento zero, na melhor das hipóteses. Nosso grande parceiro comercial, a China, também vai crescer menos e acaba de desvalorizar sua moeda, o que é muito prejudicial ao Brasil.

Tudo isso acontece enquanto arrastamos a inércia de um Estado mastodôntico, essa máquina ineficiente e corrupta de 39 ministérios. E ela? Ela está completamente tonta: 7 em cada 10 brasileiros reprovam seu desempenho funcional; 2 em cada 3 apoiam a abertura de um processo de impeachment.

No próximo dia 16 de agosto, espera-se que uma multidão saia às ruas, para manifestar sua indignação com o desgoverno, a corrupção e a teimosia. Ela declara que vai dialogar. Com quem? Com os companheiros dos “movimentos sociais”, o MST, a UNE e outras entidades semelhantes, cooptadas ou compradas nos últimos doze anos, e com o restante da súcia lulopetista? Com os 7% da população que aprovam seu governo?

Alega sempre que seus 54 milhões de votos a tornam imune ao impeachment, o que não é verdade: Collor e Nixon também foram eleitos pelo voto universal e foram legalmente cassados e apeados do poder.

Trazer Lula de volta, para a Defesa ou para Relações Exteriores? Dividir com seu criador o pouco poder político real que lhe resta? E de que vale o apoio de Renan, que esvaziou as gavetas onde dormiam antigos projetos, alguns por mais de quinze anos, e os apresenta como sugestão de “agenda positiva”? Numa hora dessas? Aí tem...

Dilma, Lula e o PT marcham, finalmente, para o destino que merecem: a denúncia, o julgamento e a condenação pela Justiça e pelo povo brasileiro, culminando com a prisão, rumo ao esquecimento.


Clovis Purber Bandeira, General, é Editor de Opinião do Clube Militar.

Um comentário:

Anônimo disse...

"Trazer Lula de volta, para a Defesa", era só o que faltava, depois ele vai comentar que conseguiu um aumento, ou seja, uma migalha para os militares que ficariam satisfeitos como ele já declarou.