quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Jornalismo com covardia, hipocrisia ou leviandade


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Geraldo Almendra

Em um dos programas da TV Veja o Jornalista Carlos Graieb fez algumas colocações para as quais irei dedicar alguns comentários.

Pela admiração que tenho pela TV Veja me sinto na obrigação de fazer críticas em função daquilo que não concordo por agredir algumas ideias ou princípios que defendo.

A opção majoritária da sociedade é sempre lutar pela DEMOCRACIA – não essa farsa de “DEMOCRACIA CLEPTOCRATA” em que estamos vivendo – sem a necessidade de uma Intervenção Militar, necessariamente.

O fato que deve ser seriamente ponderado é que a destruição do país promovida pelos desgovernos civis corruptos está agregando com muita velocidade pessoas que defendem uma INTERVENÇÃO MILITAR, grupos dos quais faço parte, e que se não fosse a covardia apátrida de alguns comandantes militares entendo que a mesma já teria ocorrido.

Uma INTERVENÇÃO MILITAR, que milhares já defendem, e que jornalistas e cientistas políticos confundem de forma intencional-hipócrita com um REGIME DITATORIAL, o que é uma atitude absolutamente leviana diante do quadro de horror da corrupção e de total degeneração de valores em que o nosso país se encontra.

Em determinado momento do programa o jornalista Graieb declara que “GRUPOS MARGINAIS IRRELEVANTES” e “IRRESPONSÁVEIS” é que estariam defendendo uma “Ditadura” imitando com competência, nesse momento, o PT na sua capacidade de manipular a opinião pública.

O que lamento é que o jornalista não ter a mesma postura ou coragem para chamar em alto e bom som de MARGINAIS IRRESPONSÁVEIS os que transformaram o poder público em um COVIL DE BANDIDOS.

Nesse aspecto parabenizo de forma pontual o Villa que declara publicamente que Lula é um bandido.

A democracia a que se refere Graieb é, na verdade, a que conduziu o país à falência cultural, educacional, da segurança pública, da saúde e à incapacidade do país em se tornar uma grande potência econômica.

Na verdade jornalistas e cientistas políticos já definiram um novo tipo de democracia: aquele em que a sociedade é controlada por um COVIL DE BANDIDOS, mas tendo o direito de crítica sem nenhuma consequência pelo fato do corporativismo corrupto ter pleno domínio das relações públicas e privadas, em um cenário de podres poderes da República degenerados e corrompidos.

O que adiantaram as manifestações democráticas ocorridas até agora contra o desgoverno petista? – NADA.

Continuaram roubando, mantendo o Estado aparelhado de MARGINAIS e VAGABUNDOS, corrompendo, sendo corrompidos, prevaricando, cometendo crimes de lesa pátria, e fazendo o Parlamento de um balcão de negócios espúrios.

É essa “DEMOCRACIA” que o jornalista defende que seja continuada, um regime que já permite atualmente o genocídio de mais de 200000 pessoas por ano, dentre esses mais de 60000 assassinatos.

Uma linda democracia para os MARGINAIS DOS PODERES CONSTITUÍDOS, que já desviaram muitos bilhões dos contribuintes para transformar menos de 2 % da sociedade em classe média alta, ricos, milionários ou bilionários, mas mantendo o resto da sociedade à margem da dignidade de uma vida como cidadãos com direito a percorrer os caminhos do crescimento pessoal e profissional através do estudo e do trabalho honesto.

As instituições do nosso país estão nas mãos de BANDIDOS que fazem os contribuintes, todos os dias, de palhaços, idiotas e imbecis de um projeto de poder criminoso que nasceu e se consolidou com a FRAUDE DA ABERTURA DEMOCRÁTICA que tinha como premissa NÃO fazer do país um PARAÍSO DE PATIFES e nem o poder público um COVIL DE BANDIDOS.

Imaginar que com o impeachment ou a renúncia da “presidenta” Dilma o Brasil vai mudar sua cara de PARAÍSO DE PATIFES é uma idiotice sem par pois bandidos vão substituir bandidos na condução do nosso país.

O apodrecimento moral e ético de todas as instituições públicas NÃO vai evitar que a teia de corrupção que se estendeu por todas as instâncias do poder público continue com sua criatividade para continuar roubando os nossos impostos.

Não sei o que Sr. Graieb deseja para o futuro de seus filhos e de suas famílias, mas o que eu e milhares de intervencionistas queremos é não permitir que tenham que fazer apenas três opções de vida: serem escravos de um COVIL DE BANDIDOS, serem governados por um CLEPTOCRACIA COMUNISTA ou serem ladrões ou criminosos pela falta de oportunidades e de abandono pelo Estado.


Geraldo Almendra é Economista.

Um comentário:

Anônimo disse...

Perfeito Geraldo. É tudo que penso e defendo.Trocar seis por meia dúzia náo vai resolver nada. Somente uma intervenção militar, amparada no artigo 142 da CF, poderá por fim a todo esse lamaçal em que enfiaram nosso país e devolver ao povo o otimismo por um futuro seguro e próspero. Fora disso, o caminho da Venezuela ficará cada vez mais curto.