domingo, 2 de agosto de 2015

O lado escuro


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por J. R. Guzzo

De um ponto de vista puramente prático, como mostra a experiência, a maioria das pessoas que participam da vida pública acha preferível ser julgada pela história do que por uma vara da Justiça penal. Todos estão sempre prontos a garantir que sua grande preocupação é deixar uma biografia limpa para quando não estiverem mais em circulação física neste Vale de Lágrimas — algo que exige trabalho duro, sacrifícios e outros aborrecimentos durante o aqui e o agora.

Mas em geral, quando têm de tratar com realidades, preferem deixar para depois, no conforto de um futuro em que não há promotores, juízes nem penas de prisão, o acerto de contas com os atos praticados hoje. É chato, claro, legar para o registro histórico uma reputação manchada por suspeitas ou por fatos. Mas muito pior é acabar residindo uma boa temporada no presídio da Papuda, por exemplo, ou em algum outro endereço do nosso “sistema prisional”, como dizem os técnicos em administração carcerária. Tirando isso, o resto se arranja. O futuro fica para o futuro.

Nunca antes, na história deste país, tal filosofia de vida prosperou tanto. O resultado é a criação de um ambiente em que o grau de sucesso dos políticos é medido pela distância que os separa do xadrez. Estar “blindado” — ou seja, não se sentir ameaçado por provas efetivas de má conduta — tornou-se a prioridade das prioridades, e um sinal superior de competência. Vitória, na política brasileira de hoje, é isso.

É um problema, pois aí se abre um amplo portal de entrada para o tráfego de posturas que normalmente matariam de vergonha qualquer cidadão interessado em manter o seu bom nome — e que hoje são tratadas como a coisa mais normal do mundo. A pergunta, na vida pública do Brasil de 2015, deixou de ser: “Está certo fazer isso?”. Passou a ser outra: “Fazer isso vai me causar problemas com o Código Penal?”. Se não vai, ou se for difícil a Justiça provar que vai, tudo bem — vamos em frente.

É o caminho mais prático, como dito no início — ao mesmo tempo, é o motivo pelo qual as biografias a ser deixadas pelos que mandam hoje no governo parecem condenadas, cada vez mais, a ficar abaixo da linha da pobreza. Há pouco tempo, numa reportagem publicada na Folha de S.Paulo, a jornalista Estelita Carazzai produziu um desses trabalhos que não costumam ganhar prêmios, nem mexem com o movimento de rotação da Terra, mas que demonstram com impecável precisão a vida como ela realmente é nos lugares onde as coisas realmente se decidem. A reportagem reproduz mensagens trocadas na noite do segundo turno da eleição presidencial de 2014, e que são investigadas pela Operação Lava-Jato.

“Dilminha ganhou!!!!!”, escreve ali para um colega empreiteiro, com todos esses cinco pontos de exclamação, o executivo Léo Pinheiro, então presidente da OAS e no momento em prisão domiciliar. Ele anexa também a imagem de uma represa vazia, com um recado para a oposição: “Favor chorar aqui”. Numa mensagem enviada antes, ele diz: “Aécio despencando! Boa notícia”. As mensagens que recebe são do mesmo tom. “Desemprego em baixa. Muito bom… Vai dar 10% na urna de diferença, no mínimo”, escreve para ele o vice-presidente da OAS, Cesar Mata Pires Filho. Um outro companheiro lhe diz: “Mais que nunca, Super Ministro da Infraestrutura, Leozinho”. Léo responde: “Rsrsrsrs”. 

Não há desculpa possível para uma coisa dessas — a fotografia em altíssima definição dos verdadeiros sentimentos que as empreiteiras têm em relação ao atual governo. A reação da máquina oficial é um perfeito sinal dos tempos. “E daí?”, foi sua pergunta básica. “Dilma não tem culpa se as construtoras de obras públicas gostam dela.” Ninguém é responsável, claro, pelo que os outros escrevem. Mas fica a questão que realmente importa: por que essa gente toda que está na cadeia ou usando tornozeleira, por ter participado comprovadamente dos mais agressivos atos de corrupção da história nacional, gosta tanto assim da presidente Dilma?

Gosta e paga: sua campanha de 2014 gastou 320 milhões de reais, na maior parte fornecidos pelos empreiteiros — e o fato de que também doaram para a oposição só torna as coisas piores, ao deixar provado que não pagam por acharem um lado melhor que o outro para os interesses do país, mas apenas porque querem comprar os dois. A reportagem citada acima joga luz sobre o lado mais escuro da política brasileira de hoje. Estará reproduzida, palavra por palavra, em qualquer biografia séria a ser escrita sobre Dilma Rousseff e seu governo.

J. R. Guzzo é Jornalista. Originalmente publicado na Veja de 2 de agosto.

Um comentário:

Maria Klyw disse...

Que asco!