sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Desserviço e Desplanejamento


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão

Nação nova com mais de cinco séculos, o Brasil pós democratização enfrenta sérios e graves problemas, dentre os quais, os mais importantes se referem ao desplanejamento e ao desserviço de uma maneira geral. Tentaremos ser contundentes e ao mesmo tempo diretos no trato do assunto.

Enquanto Nações desenvolvidas tudo é regrado, planejado e rigorosamente cronometrado, aqui no Brasil nada funciona. Prova disso é o orçamento do governo e como acidentes acontecem nas estradas e levam à morte incontável numero de pessoas. Recentemente, no interior de um ônibus sem freios, mais de 80 passageiros, isto é, o dobro da capacidade, e não se fiscaliza, se analise e acontece a punição. Daí a catástrofe que, igualmente, ao caso da casa noturna em Santa Maria vitimou mais de 242 inocentes.

Faltam planejamento, fiscalização, transparência e isso também é fruto do desserviço que a cada dia se torna pior. Vejamos os planos de saúde, e isso somente vem corroborar que o modelo de privatização fora caótico e as agencias reguladoras não fazem absolutamente nada, levando e empurrando com a barriga, mais uma tristeza do caso Unimed Paulistana, deixando na mão mais de 750 mil usuários que agora esperam uma solução que não será simples e muito menos pacífica.

As empresas delegadas,concessionárias de serviços não ficam atrás. Seguem via de regra a ineficiência do Estado. Bastou relampejar ou trovejar os serviços são interrompidos e o consumidor fica a ver navios. Colocam uma mensagem "desculpe a falha técnica estamos com problemas", e nem dizem quando retomarão o serviço ou indenizarão aos usuários.

Simplesmente é o nível do País que se contamina, quando se cobram valores mais caros do que na Europa e nos Estados Unidos para os casos de telefonia celular, tv a cabo e planos de saúde. Ainda se funcionassem tudo bem... E dizem que a CPMF deverá regressar... Pergunta-se para qual finalidade se tudo é mais ou menos igual ao SUS e não tem simbolicamente

falando a capacidade de mudar o seu conceito perante a população. Em linhas gerais quem pode pagar escolhe e opta. Aquele sem renda fica sujeito à péssima qualidade que preside o desplanejamento e o desserviço que nos cerca.

E tudo causado pelas agencias reguladoras as quais são morosas, até mais do que a própria Justiça, e não punem como devem ou, no mais das vezes, deixam a decisão para o futuro, quando nos deparamos com hipótese de trato insolúvel.

Fios e mais fios expostos por todos os cantos e não se enterra a fiação. Sempre o problema é o elevado custo, mas as operadoras de uma maneira afrontosa querem sempre repassar, enquanto, no exterior, estão sujeitas às penalidades e sanções que lhes retiram a prestação dos serviços.

Não se admite um Estado moderno, avançado sem planejamento e eficiência muito menos um serviço prestado pela concessionária de qualidade. Daí temos uma dualidade que muito bem se casa. O Estado que está despreparado para o exercício de sua função e as empresas as quais não recebem do estado gestor as sanções merecidas.

E se enrola, protela, deixa a multa para recorrer, entra na justiça e nada acontece. Enfim, somos uma Nação atrasada, na qual descumprir a lei é regra e fazê-la eficiente é exceção.

O dia em que invertermos a polaridade poderemos cogitar de um avanço saindo dos emergentes para os mais desenvolvidos dos países, o que, infelizmente, ainda está muito longe de acontecer, no milênio em andamento.


Carlos Henrique Abrão, Doutor em Direito pela USP com especialização em Paris, é Desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo.

3 comentários:

Anônimo disse...

Com esse judiciário promovendo todo tipo de crimes e sabotagens, ganhando todo tipo de regalos e quanto querem não tem jeito mesmo... É PRECISO CRIAR UMA POLICIA ESPECIALIZADA POIS ESTE PODER ESTÁ SEM CONTROLE...

Anônimo disse...

DEVEMOS IMAGINAR ESTE CRONOMETRO NO JUDICIARIO TAMBÉM??? POIS ESTE PODER NUNCA ANDOU, E PERMITIU INSTALAREM UM PODER PARALELO DENTRO DO JUDICIARIO,QUE VIROU PAU MANDADO DA MAÇONARIA...

Anônimo disse...

Desembargadorzinho, vá procurar o que fazer de útil para a sociedade brasileira. Como vem sendo dito, você e os seus pares nãi tem moral pra falar do cu sujo dos outros. São os senhores que engavetam processos por anos para não responsabilizar os irmãozinhos do estado paralelo da máfia Maçonaria; São desembargadores desse seu tribunal paulista de merda que soltam traficantes de alta periculosidade em troca de muita grana e mantêm inocentes presos; A maioria dos juízes desse tribunal covarde assaltam o direito da população e dão ganho de causa a Bancos, Grandes empresas, membros de lojas maçônicas etc. Larga de ser cara de pau.