quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Estrutura do Ministério da Defesa - Considerações


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ernesto Caruso

O projeto podre de poder (mensalão e Operação Lava Jato) do Partido dos Trabalhadores, sob régio controle do ex-presidente Lula da Silva, não esconde a ideologia perfeitamente definida pelo Foro de S. Paulo e identidade com a matriz esquerdopata de Fidel Castro e Hugo Chávez.

Em se tratando de Ministério da Defesa, ponto sensível para a consecução dos objetivos ideológicos, este tem merecido acurada atenção dos estrategistas e assessores da cúpula governo-petista de alijamento do segmento militar dos centros de decisão. Processo que vem desde a sua criação. Porém, mais célere e com metas preocupantes nos 13 anos de Lula e Dilma.
      
Embora o Poder Militar integre o Poder Nacional, não é de hoje, conduzido pelo governo — ente civil — o comando de atacar, neutralizar, aprisionar, atirar, só ocorre a partir da gente fardada em defesa da concepção do Estado, nos casos de guerra ou ameaças à estabilidade institucional, integridade territorial, para manutenção da lei e da ordem.
      
Dentre os pontos sensíveis, a destacar o da formação dos militares e o correspondente meio de coordenação e controle na estrutura organizacional.
      
A Secretaria-Geral do MD, sob direção civil, desempenha o papel principal na condução das seguintes áreas, também chefiadas por civis: Secretaria de Organização Institucional (4 compartimentos/chefiados por civis), Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto (1 compartimento chefiado por civil e 4 por militares), Sec. de Produtos de Defesa (3 compartimentos por militares), Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (3 compartimentos por civis) e Departamento do Programa Calha Norte (chefiado por civil). A administração pública chefiada por civis não é demérito, ainda que intimamente ligada às atividades militares, pois que envolve a todos nacionais na preparação e na guerra, na frente ou na retaguarda.
      
Também não se trata da distribuição de cargos em comissão (DEC N. 7974/2013) aos companheiros, mas a preocupação sobre a doutrina que os orienta em postos de extrema importância.
      
Na Secretaria-Geral, a autoridade militar, um general de Divisão, é o diretor do Departamento de Ensino, que integra a Secretaria de Pessoal,Ensino, Saúde e Desporto, já citada. Isto é, não “fala” com o Secretário-Geral do MD. Ora, qualquer documento gerado no Departamento de Ensino, do general de Divisão, hierarquicamente só abaixo do general de Exército, chegará ao Ministro da Defesa após o filtro de dois níveis acima conduzidos por civis.

Isto em se tratando do ensino de Ciências Militares, nos níveis de formação, especialização, aperfeiçoamento e de comando e estado-maior, pois que “defesa” implica em preparação para a guerra em todos os campos da administração, de pessoal, logística, mobilização, informações, comunicações, saúde, evacuação, sepultamento... Complexa na paz, pior na guerra.
      
Paralelamente, sob a subordinação doComandante do Exército, p.ex., ainda no ensino, consta o Departamento de Educação e Cultura do Exército, antigo Departamento de Ensino e Pesquisa, com a missão, entre outras, de “administrar a execução das políticas de ensino e pesquisa; promover a evolução e o aperfeiçoamento dessas atividades;...”.
      
Na trilha da administração paralela, foi criado o Instituto Pandiá Calógeras, dirigido por civil, como definido “é um centro de pesquisas cuja missão é contribuir para desenvolver o pensamento sobre Segurança Internacional e Defesa Nacional no Brasil.”.
      
No lado militar, a Escola Superior de Guerra, fundada 1949, é um Instituto de Altos Estudos de Política, Estratégia e Defesa, e destina-se a desenvolver e consolidar os conhecimentos necessários ao exercício de funções de direção e assessoramento superior para o planejamento da Defesa Nacional. Como consta no seu portal, “Seus trabalhos são de natureza exclusivamente acadêmica, sendo um foro democrático e aberto ao livre debate.”... E tem como missão: “Realizar estudos e pesquisas para compreender a realidade nacional e internacional, e preparar civis e militares para formular políticas e estratégias relativas ao desenvolvimento, à segurança e à defesa nacionais.”.

Extratos do portal MD demonstram a influência na condução do ensino: “O Ministério da Defesa participa desse processo por meio, sobretudo, de duas instituições a ele vinculadas: a Escola Superior de Guerra (ESG) – onde funciona também o Instituto de Doutrina de Operações Conjuntas (IDOC) – e o Instituto Pandiá Calógeras (IPC). Além disso, atua no fomento à pesquisa e ao ensino, em parceria com instituições de ensino superior públicas e privadas, escolas militares e centros de estudos, a partir de iniciativas conduzidas pela Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto (Sepesd).”. 

“O Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional é uma atividade de cunho educacional promovida pelo Ministério da Defesa, por meio da Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto (Sepesd), em parceria com as principais escolas de formação de oficiais das Forças Armadas: Escola Naval, Academia Militar das Agulhas Negras e Academia da Força Aérea.”
Governo paralelo é uma sina?

Obs.:
- Lei nº 10.683/2003
- Lei Complementar nº 136/2010
- Dec nº 7974/2013
- Port 564/2014


Ernesto Caruso é Coronel de Artilharia e Estado-Maior, reformado.

3 comentários:

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Os senhores das FFAA, até hoje foram coniventes ou por ação ou por omissão com os governos que sucederam ao fim dos governos militares, inclusive e a partir do governo de José Sarney, portanto não acredito em vossas boas intenções, pois que vossos propósitos são aqueles ditados pelo Fabianismo, comunismo suave, mas sempre comunismo. Os senhores das FFAA descontruiram nossa Nação, descontruiram o Brasil.

Os senhores das FFAA nos trouxeram ao inferno socialista que vivemos. Reproduzo comentário que inseri em página do Facebook, á dona B.H.:

...'sugiro que leia sobre Fabianismo e em seguida pesquise; a maioria de oficiais brasileiros das FFAA são de linha Fabianista (é incutida neles essa linha política/filosófica nas academias de formação de oficiais), linha que é praticamente um comunismo suave e em decorrência disso, de serem dessa linha, é que estiveram e estão (sim, sempre trabalhando nas sombras) apoiando os PT e os ditos "movimentos sociais" e é por isso que até hoje as FFAA não se movimentaram para reordenar o Brasil, não se movimentaram para a Intervenção Militar Constitucional, pois a eles dessa linha lhes interessa que o processo socialista/comunista em curso, continue pujante'

ney de araripe sucupira Sucupira disse...

A Inglaterra demorou 40 anos para instituir o seu Ministério da Defesa. O Brasil, sob a gerência de FHC, subjulgou-se aos interesse da Casa Branca, e com uma penada atendeu Mr. Bill Clynton, criando o Ministério Trambolho da Defesa que, até hoje, não resolveu as candentes questões da Defesa Nacional e da Soberania de nossa Pátria. O Ministério da Defesa do Brasil, lamentavelmente, desilustra o conceito de nossas invíctas Forças Armadas, mas serve para acomodação de conforto de inúmeros nomeados por razões políticas. O importante é que a ponderada visão do Comando do Exército tem sido feliz no seu desempenho em não correr o risco de deixar nossos soldados escorregarem para o limbo da história, evitando o Exército servir de bombeiro face às labaredas e os incêndios políticos criados pelo poder civil. Na undecima hora o "Grande Mudo" se manifestará apropriadamente, seguido pelo povo bom e generosos de nosso País. Ney de Araripe Sucupira

Ernesto Caruso disse...

Concordo com os comentários do Ney Sucupira, embora como em qualquer organização haja gente que se acomoda por interesses pessoais, as FA não estão impregnadas de militares doutrinados ou fieis ao fabianismo, variantes de socialismo/comunismo. Quem vem desconstruindo a sociedade, a família, as instituições são os infiltrados comunistas/inocentes úteis/disfarçados quer nas escolas, universidades e nos meios de comunicação, desde as novelas da década de 60, programas, entrevistas, comentários e telejornais. Responsabilizar as FA faz parte dessa desconstrução. Elas foram, são e serão a última barreira para impedir o comunismo assassino em nossa Pátria. Visitem www.museuvitimasdoscomunistas.com.br Ernesto Caruso