segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Maldade "Antávica"!


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Os antepassados tinham como referência a velocidade máxima dos camelos: 65 Km/hora. Entende bem o problema de marginais.

Na gíria, camelo quer dizer bicicleta. Por que não rebatizá-las de “camelovias”?

Está explicada a causa do fetiche quase infantil de um discípulo da Anta por ambos os temas.

Na pista ex-pressa, procura ser mais moderninho, aludindo à possibilidade de uma evolução genética dromedariana; pelo menos se tenta.

As olimpíadas da antiguidade eram conhecidas pelo nome do vencedor do dromo.

Se a prática for restabelecida, a de 2016 será denominada Anta Trocha (mix de tocha e brocha).

Quem de nossa cara debocha, como o boi da vaca mocha, ainda tem esperança de vencer o assalto triplo. Fará das tripas coração para manter sua ego-trip.

Procura socorro do boca de caçapa antes que pro brejo vá a vaca.

O único xará de filósofo que conheceu (o que cicuta bebeu) hoje luta pra sair da cana. Em tempos de arrebol, afaste-se do etanol. Difícil é largar da “malvada”. Já tentou 51 vezes sem êxito.

Com uma diminuição de ingressos em palestras e congressos, terá crise de abstinência. Terá então o otário, no melhor cenário, que bater continência?

Se quiser tomar distância, já de prestígio falto e nulo, talvez seja pego no pulo.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Loumari disse...

Religião do Medo

Com o homem primitivo é o medo acima de tudo que evoca noções religiosas — medo da fome, das feras, da doença, da morte. Como neste estado de existência o conhecimento das relações causais está usualmente pouco desenvolvido, a mente humana cria seres ilusórios mais ou menos semelhantes a si própria de cujos desejos e actos dependem esses acontecimentos assustadores. Por isso, tentamos obter o favor destes seres realizando acções e oferecendo sacrifícios que, de acordo com as tradições passadas de geração em geração, os tornam favoráveis ou bem dispostos em relação aos mortais. Neste sentido, estou a falar de uma religião do medo. Isto, apesar de não ter sido criado, é em alto grau estabilizado pela criação de uma casta sacerdotal especial que se institui a si mesma como mediadora entre as pessoas e os seres que elas receiam e ergue uma hegemonia assente nisso. Em muitos casos, um líder, um governante ou uma classe privilegiada, cuja posição assenta noutros factores, combinam as funções sacerdotais com a sua autoridade secular, de modo a garantirem mais firmemente a primeira, ou os governantes políticos e a casta sacerdotal defendem a mesma causa para defenderem os próprios interesses.

Albert Einstein, in 'Artigo (1930)'
Alemanha 14 Mar 1879 // 18 Abr 1955
Físico, Teoria da Relatividade

Loumari disse...

O ateu frequentemente obrigou o crente a reflectir sobre o essencial da religião e impediu-o de cair na superstição e desumanidade. A religião pode ser o espaço da maior grandeza, mas também das piores indignidades. Antes da fé em Deus, o que nos une a todos é a humanidade.
(Anselmo Borges)