domingo, 20 de setembro de 2015

Na Era da Informação


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gilnei Lima

Nestes tempos em que informação é o que não falta, tudo parece cada dia mais fácil, no que se refere à adquirir conhecimentos, e mentores intelectuais surgem com a mesma rapidez e instantaneidade.

Para ser um pouco mais específico, em uma palestrinha mixuruca - daquele tipo que só eu e minha insignificância nos meios de comunicação poderiam produzir -, apresentada há algum tempo para um grupo de estudantes de jornalismo, comunicação social e sociologia em uma universidade, falei sobre a necessidade de que os futuros (e atuais) jornalistas e professores, tivessem cuidado redobrado com a "manipulação da informação".

Se tivesse que escolher uma arma para dominar o mundo - para o bem e para o mal -, não teria dúvidas: escolheria a informação.

A informação é tão poderosa, e escandalosamente perigosa, que temos que trata-la com todo o cuidado. Conscientes disso, no século I, as bases do que viria a ser a Igreja, aliadas ao imperador romano à época, trataram de tomar para si a informação. Desse modo, como donos da verdade, tornou-se fácil ter domínio sobre as populações e suas cidades. Dominando mentes, infiltrando ideias e conceitos e, por fim, submetendo pessoas às suas vontades e ordens.

Durante as grandes convulsões sociais da humanidade, os chamados serviços de inteligência e informações sempre foram a mais importante peça de todas as estratégias. Exemplo disso foram o surgimento de agências de inteligência, cujo principal produto sempre foi a informação, e que até hoje estão em todos os lugares, o tempo todo.

Os jornalista têm uma missão tão importante e singular, que aquilo que produzem como conteúdo sobre fatos e acontecimentos, detalhamento de notícias e a forma como são divulgadas, são responsáveis por todos os caminhos que a humanidade tomará e para que lado vai seguir. Ou seja, pode parecer exagero, mas o jornalismo é determinante e fundamental para as decisões da sociedade e combustível para a maior parte dos acontecimentos sociais, políticos e comportamentais.

Eis um exemplo de como a difusão (e profusão) das informações facilitam a vida de todos na sociedade. Bastarão pouquíssimas palavras e pequenas dicas, em um texto, para que se saiba com exatidão sobre o quê ou quem está se falando, tudo graças à amplitudes das informações:

"Aquele homem nasceu em uma pequena cidade do interior. De família muito humilde, passava por dificuldades. Não tinha perspectivas de futuro nos estudos, tampouco via possibilidades de encontrar emprego. Desse modo, migrou - como muitos, tornou-se um retirante - para a cidade grande, muito longe de sua casa.

Algum tempo depois chegou a uma cidade portuária, e ali logo teve contato com grupos de operários do porto e teve seu primeiro contato com o sindicalismo, através do Sindicato dos Estivadores. Passou a frequentar as reuniões do sindicato. Era um homem que falava pouco, mas observava muito.

Não demorou muito tempo para seguir para a capital, para onde levou os conhecimentos adquiridos e a integrar o sindicato dos metalúrgicos, no qual passou a ter forte liderança após quebrar seu habitual silêncio e observações para proferir discursos inflamados e contagiantes. Com base em alianças com outros sindicatos e milhares de simpatizantes que foi colhendo em sua trajetória, fez parte da fundação do Partido dos Trabalhadores.

Sustentado basicamente pelo partido, participou de inúmeras campanhas políticas até alcançar o comando do país e chegar ao mais alto cargo da nação. Um de seus primeiro atos de governo foi instituir a lei do desarmamento, medida controversa, mas posta em prática por meio de campanhas que resultaram em uma severa legislação sobre a compra, porte e uso de armas pelos cidadãos. Por outro lado, lançou diversos programas sociais cujo objetivo eram a diminuição da pobreza, da fome e fomentar o emprego e a renda familiar. Os primeiros anos sob seu governo deram grande impulso na economia..."

Agora, vejam breves trechos de notícias:

- Revista Time elege "O homem do ano".
- Pactos de cooperação mútua criarão os chamados "Territórios de Paz". As parcerias envolvem diversas autoridades de governo e polícias.

---------------

Com estas informações, que estão amplamente disponíveis, principalmente na Internet, fica fácil, aliás, muito fácil saber de quem falamos.

Até aqui todos já têm certeza, sem restarem dúvidas,  de que tratamos da biografia simplificada de Adolf Hitler, fundador do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (em alemão: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei - NSDAP) e de que as notícias são sobre Alphonse Gabriel Capone, Al Capone.

"A informação é a arma mais poderosa que pode ser produzida pelo homem." - Gilnei Lima.


Gilnei Lima é Jornalista.

Nenhum comentário: