quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Brasil carente de lideranças


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Augusto Fernandes dos Santos

Miriam Leitão, no artigo RECUAR JAMAIS, publicado no Jornal O GLOBO, de 25 de outubro 2015, manifesta sua conhecida  repulsa ao estamento militar. Nele, critica o General ANTÔNIO HAMILTON MARTINS MOURÃO, atual Comandante Militar do Sul, por ter proferido palestra/aula para os jovens do CPOR/Porto Alegre/RS e feito comentários sob os descaminhos éticos e políticos da corrupção brasileira. Afirma, professoralmente e sem rodeios: “O Brasil avançou muito nos últimos trinta anos............... Primeiro, escolhemos a democracia e a volta dos militares aos quartéis. Definitivamente”.

Ela quer chefes militares fracos, como freiras enclausuradas no castro, alienados dos aspectos políticos, esquecendo-se da lapidar frase do Marechal Osório:” A farda não abafa no peito o cidadão”. Deseja chefes eunucos, desprovidos de indignação e honra, que continuem  bovinamente  assistindo o país despencar ladeira abaixo, na senda da roubalheira descarada, conduzida por políticos desprezíveis e  bandidos que frequentam o esgoto da política, sem qualquer manifestação de inconformidade. Generais são líderes e têm responsabilidades e a história pátria está cheia de exemplos.

A jornalista, que desfruta de espaços generosos da mídia, propositadamente esquece o importante papel dos Chefes das Forças Armadas Brasileiras, na formação da nossa nacionalidade em fatos relevantes  que os compêndios de história registram.

Não tenho procuração do GENERAL MOURÃO e nem ele precisa de mim para defendê-lo. Tenho, sim, orgulho de ser seu subordinado, por testemunhar sua eficaz e oportuna ação de comando, quando esclarece seus comandados sobre os desvios  (morais, éticos, financeiros, etc...) divulgados diariamente pela imprensa, que aviltam os brasileiros honrados.   

Com a responsabilidade do alto cargo que ocupa e com a experiência acumulada ao longo de sua brilhante carreira, não só tem o dever, mas a obrigação de alertar seus comandados, como fez recentemente no CPOR de Porto Alegre.

O que incomoda a jornalista e sua grei política  é ver surgir, para alegria da nação, uma nova liderança nas Forças Armadas, embasada em alicerces e  princípios morais e éticos inatacáveis. O Brasil anseia por governantes com esse perfil e com essa coragem.

Tenho a certeza que parcela expressiva da humilde e necessitada  população brasileira aspira por mudanças e acalenta o sonho de voltar a ser  conduzida por homens honrados. Não aceitam mais  corruptos e políticos medíocres que, usando as chicanas da esperteza, só buscam benefício próprio.

A palestra/aula proferida pelo General MOURÃO veio em boa hora e sugere o nascimento de uma nova liderança militar. A salutar decisão do Marechal CASTELO BRANCO de limitar o tempo de permanência dos generais no serviço ativo, retirou dos quarteis as nefastas discussões político-partidárias e terminou de vez com  caudilhos militares;  deixou, entretanto, uma séria lacuna: o desaparecimento de Lideranças Militares autênticas e competentes, tão necessárias nos desastrosos e trágicos dias vividos pelo país. 


Carlos Augusto Fernandes dos Santos é General reformado.

13 comentários:

Jayme Guedes disse...

A opinião manifestada pela MLeitão é um exemplo de opinião imbecil como de resto são as opiniões fundadas na parcialidade de julgamento. Ela acha que para o país o melhor é o que estamos vivendo, desde que os atores vistam terno.

Coronel Humberto Pinto disse...

Ilustre Amigo
Gen Carlos Augusto Fernandes dos Santos

Bravo! Parabéns!
Postei no BALÃO LIVRE: http://balaolivre.blogspot.com.

Anônimo disse...

Nobre GENERAL, essa jornalista por acaso, não é aquela que denunciou as FORÇAS ARMADAS por terem lhe ameaçado com uma cobra? Acho que a cobra é quem deve ter tido medo dela por ser "muito linda".
Ela deveria se lembrar de que só existe democracia por causa das FORÇAS ARMADAS, caso contrário seríamos um BRASIL BOLIVARIANO-CUBANO, é o que eles ainda insistem em transforma-lo.
Falta o espírito dos GENERAIS de 64 “baixar” nos atuais GENERAIS.
Ia esquecendo faz parte da democracia: MENSALÃO,PETROLÃO e outras "coisitas mas".

Anônimo disse...

Não li nenhuma manifestação da jornalista sobre a ameaça de colocar o "exército" do Stédile na rua, ou sobre a proposta de assassinar os chamados "conservadores", maioria da população barsileira, de elemento do PCB. Naturalmente, esses atos criminosos são demonstrações democráticas no entendimento da "jornalista". O general falou para um público privado e tem todo o direito e autoridade. É muito mais preparado para fazer uma avaliação da conjuntura do que a Sra. Mirian Leitão, que perdeu uma ótima oportunidade de "ficar calada".

Anônimo disse...

A opinião dessa mulherzinha e um monte de merda de cachorro tem o mesmo valor. Aliás não, acho que merda de cachorro tem mais valor do que essa comunistazinha escroque.

Anônimo disse...

O General está certíssimo!Ele é brasileiro como qualquer um de nós e pode dar a opinião que quiser em uma Democracia.Ao contrário da jornalista,o povo quer um exército operante.Não é assim nos Estados Unidos?Com um Congresso desses, onde muitos são acusados de corrupção,um Governo que está afundando o país, o que essa jornalista espera? O Juízo Final?

Anônimo disse...

Ela só pensa nela mesmo. O General Mourão pensa no País, no povo brasileiro. Uma diferenaça inimaginável. O que esperar da Miriãm Leitão, nada. O que esperar dos militares, tudo pela Pátria.

Anônimo disse...

Mirian Leitão não tem moral para criticar os militares, já que serve, como Jornalista, uma empresa cujo fundador -Roberto Marinho - arravés doa jornal O Globo apoiou com toda ênfase a intervenção militar de 64. É só verificar as páginas de " O Globo" daquela época para ver os artigos lisonjeadores do sr. Roberto Marinho aos militares. Como prêmio recebeu autorização para criar a Rede Globo deTelevisão, hoje o maior conglomerado televisivo do país. Vale uma fortuna incalculável. Por quê agora, ela jornalista desse grupo, não critica o apoio dos seus patrões ao periodo militar daquela época ?
Dois pêsos, duas medidas ?

Anônimo disse...

Mirian Leitão não tem moral para criticar os militares, já que serve, como Jornalista, uma empresa cujo fundador -Roberto Marinho - arravés doa jornal O Globo apoiou com toda ênfase a intervenção militar de 64. É só verificar as páginas de " O Globo" daquela época para ver os artigos lisonjeadores do sr. Roberto Marinho aos militares. Como prêmio recebeu autorização para criar a Rede Globo deTelevisão, hoje o maior conglomerado televisivo do país. Vale uma fortuna incalculável. Por quê agora, ela jornalista desse grupo, não critica o apoio dos seus patrões ao periodo militar daquela época ?
Dois pêsos, duas medidas ?

Anônimo disse...

AF disse:

Vamos pra cima General! Boa! Converse com seus companheiros. Vamos pra cima!

JORGE JERONIMO PINHA COSTA disse...

O mais importante notar, é que o militares devem estar preparados para defender o país e o seu povo, dos quais são integrantes. A modificação introduzida pelo Exmo Mal Castelo Branco foi importante para retirar dos militares o papel de poder moderador, que era do nosso Imperador PedroII. Isso contudo pode ser corrigido com uma boa dose de análise de nossa História, e das informações acumuladas ao longo dos anos. Os Serviços de Inteligência Militares sempre fizeram um bom trabalho, e ainda devem estar fazendo. Não devemos deixar é que a formação de nossos militares seja deturpada, como muitos desejam, trazendo os militares para o grau de indigência profissional que atualmente vemos na formação dada por nossas universidades, com algumas exceções.
Como líder que, é o Gal Mourão cumpriu com seu dever de trazer seu comandados à necessidade de ter o respaldo de seu líder para uma análise da realidade.
Quanto à jornalista Miriam Leitão, como membro de grupos de esquerda no passado, deveria saber que erros existiram, mas maiores foram do lado combatentes de grupos que queriam implantar no Brasil regimes alheios à índole do Brasil. Mas isso faz parte do passado, tanto que muitos jovens de hoje só tem acesso a uma versão dos fatos, e essa versão incrivelmente é a contada pelos perdedores da guerra acontecida.
Se os militares, a despeito de todas as mentiras e meias verdades hoje contadas, tivessem sido a metade do que lhes é imputado, não haveria um único sobrevivente entre esses "esquerdistas", que hoje até nos governam!

Anônimo disse...

São tão covardes que nada fazem, a não ser conversar fiado e soltar notinhas afrescalhadas. Esse tal Mourão nem homem foi para assumir e reafirmar sua postura quando procurado pela imprensa e aproveitar pra colocar o pau na mesa. Mesmo assim, será exonerado e passará a trabalhar num almoxarifado mofado de Brasília, dividindo o espaço com os ratos e outros capões de farda. Vergonha! Bando de chibungos traidores!

Anônimo disse...

Não esconda o comentário Jornalistazinho Serrão covarde:


Por que esse covardão de pijama, também não faz comentários sobre os descaminhos éticos de vários oficiais das Forças Armadas que contribuem para a corrupção brasileira, fraudando licitações públicas, colocando filhinhos dentro da instituição sem concurso público, transferindo militares por perseguição e de forma ilegal.

Cala boca velho sem-vergonha, a maior parte dos chefes militares não passam de canalhas, que vivem na mordomia durante toda a carreira, enquanto os subordinados passam até fome.

Lapidar frase de merda de Marechal Osório, seu cínico:” A farda não abafa no peito o cidadão”.

Quando um subordinado denúncia ao conivente MPF/MPM, as inúmeras roubalheiras dentro dos quartéis, as várias lava jatos da caserna, vocês se unem para destruir a vida do militar que apenas quis exercer a cidadania.

Esses chefes militares, não passam de canalhas, que deveriam se indignar e ter honra para construir PNRs, dá uma alimentação de qualidade e promoções num tempo razoável aos subordinados, que veem a qualidade de vida despencar ladeira abaixo, na senda da roubalheira descarada, conduzida por oficiais militares desprezíveis e bandidos que frequentam as licitações dos quartéis, sem qualquer manifestação de inconformidade dos bandidos do MPF/MPM. Generais são líderes de porra nenhuma, têm responsabilidades de merda nenhuma e a história dessa pátria lixo está cheia de exemplos cagões de estrela.