segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Não quero ser colônia da China


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant'Ana

Que futuro estamos projetando? Enquanto no Palácio do Planalto Dilma comandava um circo, representando a farsa da reforma dos ministérios, 11 países estavam assinando o "Tratado Transpacífico": Estados Unidos e Japão (dois gigantes), Chile e Peru (atenção, nossos vizinhos, economias menores), além de México, Canadá, Austrália, Malásia, Cingapura, Vietnã e Brunei, anunciavam o maior acordo de comércio regional da história.

Especialistas afirmam que esse acordo comercial (ainda pendente da aprovação do congresso dos EUA) vai mudar as bases de produção e do trabalho em 40% da economia mundial. E preveem que o bloco há de expandir-se, celebrando acordos com a União Europeia. E o Brasil...

Na segunda-feira, 05/10/2015, cidadãos de 11 países foram dormir felizes, relaxados e com uma crença positiva no futuro. E o Brasil, com um potencial invejável... tem um governo que culpa a crise internacional.

Nos últimos 25 anos, o Brasil celebrou unicamente três acordos comerciais; pior, com economias pequenas: Israel, Palestina e Egito. Por quê? Ora, porque o país é governado por cabeças de grêmio estudantil. As esquerdas que estão no comando, pontificadas pelo PT, escolheram esse caminho. Em 2003, o PT pegou a política externa em marcha lenta; e engatou uma ré. Desdenhou do "poder econômico" e optou por uma "relação de cumplicidade" com governos autoritários. Mas o socialismo fez assim em todos os países em que chegou ao poder. O problema é que o isolamento vai piorar nossa economia e poderá converter o Brasil em colônia da China. Mas quem quer ser colonizado?

O "Tratado Transpacífico" tem defeitos? Impossível não ter! Nessas relações comerciais todos perdem alguma coisa; e todos ganham. Talvez alguns ganhem mais que outros. Nesse terreno, filantropia não há. Mas o absurdo é ficar paralisado e não fazer acordo algum: é o jeito de ganhar nada e perder tudo!

Parece que o governo quer exterminar o futuro. Quando é que vamos dar um basta a esse pesadelo? Será que vamos aguardar que o Brasil vire uma Coreia do Norte?


Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

6 comentários:

Anônimo disse...

Tem mais: TTIP
Transatlantic Trade and Investiment Partnership
com a Europa.
Brasil fora.

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Pelo menos para mim, senhor Renato Sant'Ana, Psicólogo e Bacharel em Direito, a vida e os acontecimentos em nossa Pátria têm sido uma caixa de surpresas; ressalvo que tal caixa de surpresas é no âmbito político e social, pois a vida, ah, essa é uma sacana que nos propicia surpresas diárias.

Antes de felicitar seu artigo, com pontos bem colocados, menciono esse negócio dos veados assumirem quem são, hoje coisa comum, mas antes segredo guardado debaixo da pele de cordeiro (alguns conforme escritos antigos, considerados "delicados", "sutís") escondendo suas verdadeiras paixões e tendèncias (segredo de Polichinelo) comparação que proponho seja feita com os Fabianos. E mesmo o assunto não sendo ligado (é ou não é? ou será que é?)agora deparo, na verdade deparamos com militares "assumindo" suas paixões políticas, tendências até então mantidas debaixo da pele de cordeiro, pois lobos são, predadores impiedosos aliados aos corruptos, bandidos e criminosos, seja os do PT na governança, do MST e ou do PCC.

E continuando, tais Fabianos, que aliados dos corruptos, será que à semelhança de muitos destes com assumidas posturas homossexuais, outros suspeitos de desvios morais que penso podem até estar ligados à pedofilia, será que também "são"? Sei não, acho que minhas suspeitas até podem ser fundadas. De qualquer forma, em um bando de lobos, só lobos caminham junto, ou seja, a matilha não admite uma outra espécie "animal", a não ser raríssimas exceções.

Mas ao que importa, seu artigo, seus pensamentos: de minha parte, penso que precisamos ser independentes no que pudermos, e no que não pudermos, sermos pragmáticos; pragmatismo que nos deveria levar à negócios nesse Tratado Transpacífico, mas também assumirmos que mais alianças são imprescindíveis, uma delas com Israel, com a Turquia, Rússia, Irã, Coréia do Sul, Inglaterra e Canadá, além de é claro, os participantes em tal Tratado em pauta.

Anônimo disse...

O pior é que o Brasil se alinhou com as economias mais fracassadas tanto da América do Sul (Venezuela, Equador, Bolívia e Argentina, da América Central (Cuba), e alguns países da África. O ´que eles têm em comum? São países com governos esquerdistas e economias fragilizadas, muitos extremamente totalitários. Um pouco fora do padrão, por ser uma economia forte, está a China. Mas se encaixa perfeitamente nos quesitos esquerdismo e totalitarismo.
Por sua hegemonia econômica a China vai certamente querer transformar todos esses países esquerdistas, incluindo o Brasil, em colônias fornecedoras de matérias primas e alimentos para abastecer os bilhões de bocas chinesas e o parque industrial chinês.
É o caminho que o pt escolheu a dedo para o Brasil para o nosso futuro.
Com o seu poderio militar, a China não encontrará obstáculos para exercer a dominação econômica e política sobre suas "colônias ".
Sabemos que a Argentina já cedeu parte do seu território para a China estabelecer uma base militar lá:
https://www.epochtimes.com.br/argentina-cede-territorio-construcao-base-paramilitar-chinesa/#.Vhv31zZdGUk
A dominação chinesa já começou.

Martim Berto Fuchs disse...

"Não quero ser colônia da China"

Mas vai ser. Já caminhamos para isto. Nosso negócio é sentar na "mandioca". Primeiro de Portugal. Depois da Inglaterra. Depois dos EUA. Agora, da China.

Hugo Rosa disse...

O nosso país está muito atrás da maioria dos países da América Latina, no que diz respeito a acordos comerciais.
O Chile é uma referência com maior número de acordos, entre os países vizinhos.
Nada disso me surpreeende, pois as pequenas coisas que poderiam ser feitas para evitar o empobrecimento da indústria nacional não são feitas.

Graciolina disse...

pois é.... e não é só a presidenta quem negocia com a China. Pouco difundido em termos de motivação, nosso governador Beto Richa esteve com grande comitiva neste ultimo feriadão, na China, fazendo um pit stop em Paris às custas do povo... só esqueceram de fomentar o real motivo que levou essa "galera" onde estava também o presidente da Copel: disfarçado de requerer investimentos para o Paraná, ele ESTÁ VENDENDO A COPEL! Mas ninguem sabe, ninguém viu!
muito triste tudo isso....