domingo, 18 de outubro de 2015

Venezuela - regime da escassez


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant'Ana

Nada imprevisível, a não ser para alguns cronistas esportivos. A seleção de futebol da Venezuela - que enfrentou o Brasil na terça-feira, 13/10/15 - proporcionou cenas de consternação: venezuelanos aproveitaram a viagem ao Brasil para adquirir itens básicos de subsistência como creme dental, sabonete e outros produtos de higiene.

Os rapazes da Globo - que mencionaram o fato com negligência na jornada esportiva - decerto não se ligam no que acontece na Venezuela: escassez de comida, remédios, até papel higiênico falta. E a população ainda tem que suportar o deboche do ditador Nicolás Maduro que teve o peito de dizer: "Falta papel higiênico porque a população está comendo mais!". Se não fosse um tão desbragado desrespeito à dignidade das pessoas, seria engraçado.

Com efeito, o caos econômico ali é inseparável da tragédia política. Com Nicolás Maduro, a ditadura instalada por Hugo Chávez ganhou contornos de totalitarismo, agudizando-se a centralização do poder. Sem prestar contas a ninguém, Maduro expropria redes de supermercados, por exemplo, sob o pretexto de que a corporação faz "guerra contra o povo" para prejudicar a imagem do governo. Por esse expediente, várias empresas já foram encampadas por PDVAL, a rede de supermercados estatais. O resultado é escassez e filas imensas nos supermercados, o público disputando comida: nunca tem para todos. A cada tanto, forma-se um tumulto, que a polícia dissolve a pauladas.

É a infâmia de um Estado policial. Para que se tenha ideia, a polícia do regime prendeu dois diretores da conhecida rede de farmácias Farmatodo, Pedro Angarita e Agustín Álvarez (presidente-executivo e vice-presidente de operações da empresa): foram acusados de tentar desestabilizar o governo. Qual o fato imputado? Ignorando a escassez, o governo os acusou
de provocarem longas filas para a venda de artigos de primeira necessidade. Também, o Serviço de Inteligência Bolivariana levou preso Fray Loa, diretor geral da Federação Venezuelana de Licores e Afins, sem qualquer acusação formal, restando supor-se que a causa da prisão foi o fato de o diretor anunciar que estava por acabar a cerveja no país por falta de matéria-prima (que é importada). Episódios desse tipo se multiplicam. É o autoritarismo mais cruel do continente.

Fato é que muitos outros executivos e empresários são mantidos na cadeia, acusados pelo governo de acumular bens de primeira necessidade "para irritar consumidores". Analistas econômicos destacam, ainda, que os estoques não são repostos porque o governo vem restringindo aos comerciantes os dólares necessários à importação. É o retrato de uma economia que, pelo intervencionismo governamental, entrou em recessão no ano passado e registra elevada inflação e desabastecimento.

Por outro lado, é grave a crise institucional: judiciário e ministério público são levados a cabresto pelo poder central. Note-se que (exemplo acima citado) foi Nicolás Maduro quem anunciou a detenção dos dois executivos em fevereiro depois de acusá-los de fazer parte de uma "guerra econômica", segundo ele para desgastar sua popularidade. E a Procuradoria venezuelana, CLARAMENTE GOVERNISTA, poucos dias depois ofereceu acusação, apontando boicote e desestabilização econômica.

Como se vê, estão presentes dois elementos característicos do totalitarismo: a exacerbada centralização do poder (pretensão de o Estado controlar até a vida privada) e a designação de um inimigo a combater-se. No caso do chavismo, o inimigo são todos os ditos capitalistas, nacionais e estrangeiros, reais e imaginários. E como se não bastasse perseguir e meter na cadeia empresários e executivos, em março de 2015 houve acentuado recrudescimento da opressão do regime: cinicamente Maduro tirou proveito das patacoadas ditas por Barack Obama (pateta nº 1 do ocidente), que classificou a Venezuela como "uma ameaça à segurança dos EUA". A tolice de Obama ajudou o ditador a acumular mais poder, justificar a repressão e desviar a população dos muitos problemas econômicos, como a grave escassez de produtos básicos. E, com a anuência de um legislativo viciado, ele obteve autorização para governar por decreto até o fim do ano.

Um dos piores efeitos desse quadro é a incerteza crônica que mata a esperança, eis o padecimento dos venezuelanos. Como ser indiferente ao sofrimento daquela gente? Inútil falar do governo brasileiro, que ajuda a sustentar o totalitarismo venezuelano. Mas como compreender a passividade bovina de tantos brasileiros de boa inclinação moral? Não perceberão que nosso governo, mais do que apoiar o regime chavista, vem tentando implantar algo semelhante por aqui?


Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

7 comentários:

Anônimo disse...

Hugo Chaves tinha cara de idiota e de fato era, chegando ao cúmulo de entregar a própria vida na mão dos "médicos" cubanos, negando-se a se tratar pela medicina "capitalista", o que apressou sua morte em algumas décadas!!! Pior, não posso nem dizer que foi melhor para os venezuelanos, pois hoje lá manda um ditador pior que Huguito!!!

Anônimo disse...

O sonho de 10 entre 10 petistas é implantar essa maravilha de regime no Brasil!! Se não forem detidos agora, vão conseguir!!!

Anônimo disse...

...e bruzundunga abraça essa camarilha, né. A história será dura com eles .

Anônimo disse...

AF disse:

Algumas considerações:
1- Caindo o regime comunista no Brasil, cai os de toda a América Latina em seguida.
2- O mais cruel é que a miséria do país foi calculada e causada intencionalmente para fazer o povo ficar fraco, miserável, dependente do governo e gastando energia para tentar sobreviver. E ISSO TAMBÉM ESTÁ SENDO FEITO NO BRASIL!
3- Portanto, considerando os itens acima, principalmente o segundo, TEMOS QUE TIRAR IMEDIATAMENTE ESSES COMUNISTAS do governo, do STF, do congresso e do comando da maquina pública, ou seja, de todas as instituições governamentais deste pais.
4- Por causa do 3 itens citados, as FFAA têm o DEVER de intervir; já deveriam ter feito; não o fazem porque OS COMANDANTES E DEMAIS OFICIAIS DO ALTO COMANDO SÃO COMUNISTAS OU SÃO MERCENÁRIOS, ou os dois!
5- Portanto, cabe ao povo se unir e enfrentar, por TODOS OS MEIOS NECESSÁRIOS, esta corja de comunistas, inclusive, com a ajuda dos patriotas dentro das FFAA.

Maria Imaculada disse...

"Serviço Bolivariano de Inteligência"? Como, se são mutuamente excludentes?

Anônimo disse...

Bolivarianismo é o sonho da "presidenta". Somente não levado a cabo porque ainda existe oposição. Mas eles não desistiram! Olho vivo!

Anônimo disse...

Há, há! Concordo.