quinta-feira, 5 de novembro de 2015

A volta da paranoia


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arnaldo Jabor

Eu fui ver a “Ponte dos espiões” do Spielberg. O filme é sensacional. Trata daquele celebre caso do U2, o avião de reconhecimento que foi derrubado pelos soviéticos em 1960.

E mais importante do que o enredo é o contexto em que ele se passa: a loucura anticomunista dos americanos daquela época. A paranoia estava estampada nos rostos dos militares e agentes da CIA durante a Guerra Fria. Vemos ali os rostos trincados, os olhos fuzilando ódio, as queixadas intolerantes, as beiçolas mussolínicas e implacáveis, todos os traços da estupidez competente que marca os defensores do “sonho americano”, depois da Segunda Guerra.

Ali vemos os séculos da ideologia religiosa que começou com humildade bíblica e descambou para o rancor e a boçalidade fanática de hoje.
Eles acham que os democratas somos “cães infiéis”, exatamente como pensam os muçulmanos. Os fundamentalistas que deram nos “tea parties” são um detergente. Querem limpar a América dominada pelos “esquerdistas” como o Obama e encarnam o pensamento dos milhões de idiotas que jazem entre o hambúrguer e o sofá diante da TV, que acham que os problemas do mundo podem ser “raspados”, que dissidências se esmagam, que as complexidades devem ser achatadas, que o múltiplo tem de virar uno e que tudo tem um principio (desde quando Deus criou o mundo há seis mil anos...) e um fim que deve ser igual ao início. Eles ostentam uma certeza que nunca nos premia com um olhar compassivo, como aquele casal puritano no célebre quadro de Grant Wood, “American Gothic”.

Com a euforia multilateral dos anos 90, tínhamos esquecido o que era a boa e velha Direita mesmo. Agora ressurge no mundo uma grande busca de chefes, de lideres com bandeiras do “futuro”, um autoritarismo que renega a moleza inoperante e lenta da democracia.

A razão fracassa e instala-se o reino da estupidez. E o que é o fascismo senão a estupidez no poder?

Eu já estive lá, pouco antes da queda do U2. Eu vi a Guerra Fria de perto, vi seus efeitos na cabeça dos americanos quando morei na Florida em 57, ainda “teenager”.

A cidadezinha era igual àquela do “Truman Show”. Ruas, pessoas, rituais, sorrisos e lágrimas, tudo parecia programado por uma máquina social obsessiva. A vida e a morte eram padronizadas, previstas: abraços gritados, roupas iguais, torcidas histéricas no baseball, alegrias obrigatórias, formando uma missão cheia de fé, como um carrossel de certezas girando para um futuro garantido. Os ídolos da época eram Elvis Presley rebolando na TV e James Dean, cadáver presente nos gestos e roupas da “juventude transviada”.

Não havia espaço para dúvidas naquela cidade, mas se percebia que a solidez de certezas, se rompida, provocaria um grave desastre. Pairava um clima de intolerância entre os próprios brancos; eram os fortes contra os fracos, as meninas bonitas contra as feias, as sérias contra as “galinhas”. Eu, turista tropical, era um tipo misterioso; tímido mas, como era estrangeiro, os colegas da “high school” me poupavam por minha habilidade em dar-lhes “cola” em “spelling”, soletrando palavras de raiz latina que, para eles, eram enigmas.

A violência dos alunos me assustava. Eu me chocava com as botas de cowboy marchetadas de estrelas de prata, as facas de mola de onde a lâmina pulava, os casacos de couro negro, uma rebeldia reacionária e “republicana” dos anos de Eisenhower. Havia nos rostos um orgulho de cowboys.

Mas, desde 1949, com a explosão da bomba H pelos soviéticos, destronando a liderança dos destruidores de Hiroshima, os americanos temiam outra humilhação.

Até que um dia chegou a noticia devastadora. Tinha subido aos céus o satélite russo, o Sputnik, girando como uma bola de basquete em órbita da Terra. Pânico na cidade. Em minutos, a cidade parecia um campo de refugiados, com cabeças inchadas, com pavor dos comunistas invasores.
No colégio, começaram “fire drills” incessantes, alarmes evacuando os alunos para porões e abrigos atômicos. O então senador Lyndon Johnson berrou: “Brevemente estarão jogando bombas atômicas sobre nós, como pedras caindo do céu...”

No alto, o satélite Sputnik humilhava os americanos, com seus “bip bips” como gargalhadas de extraterrestre.

A partir desse dia, lá embaixo, na cidadezinha da Florida, eu mudei. Não para mim, mas para os outros. Os colegas “transviados” me investigaram com perguntas: “Que você acha? Teu país gosta dos russos?” Eu tremia e escondia minha vaga admiração juvenil pelo socialismo. Eles me olhavam desconfiados — brasileiro, latino, sabe-se lá? Depois disso, não me pediam mais cola de palavras, mal me olhavam. Melinda ficou mais pálida e nosso namoro definhou.

Eu estava vendo o “choque e pavor” da América profunda. Essa era a época da chamada “silent generation”, passiva e ignorante. Sua reação era a mesma dos fundamentalistas do “Tea Party” hoje. São mais perigosos que os islamitas guerreiros, que explodem trens e aviões, mas não devastam o Ocidente, por rancor, vingança e onipotência, como fez o Bush.
Depois, quase acabou o mundo em 1962, quando os cubanos instalaram misseis soviéticos na ilha.

Hoje a paranoia da direita é mais difusa, disfarçada num mundo onde a polaridade Rússia x América acabou, apesar de que o Putin, o cover de Stálin, quer restaurar o tempo da KGB. Cresce a vontade de irracionalismo, diante da falta de soluções.

O caos é hoje uma trágica novela sem fim, como vemos na TV: Islã virado em barbárie, Oriente Médio enterrado no lixo da primavera árabe, a miséria se afogando em barquinhos de borracha na costa da Itália, a insolúvel guerra do nazista Bibi Netanyahu contra os palestinos.

A chamada “direita” — mesmo fingindo de esquerda como no Brasil do PT — renasce em toda parte sem barreiras de contenção. Já pensaram se o Mitt Romney tivesse sido eleito? E se Hillary não ganhar? Virá um tempo de desprezo pela “sensatez” dos “fracos e covardes” democratas. A paranoia está de volta.


Arnaldo Jabor é Cineasta e Jornalista. Originalmente publicado em o Globo em 3 de novembro de 2015. 

9 comentários:

luis fernando marasca fucks disse...

O Sr. Arnaldo Jabor é muito astuto nas palavras, mas fraco nas idéias e na sua capacidade de perceber que o movimento comunista não acabou (ele até admitiu isso com Putin). Ele deveria ler e ver os videos do Anatoli Golitsyn, do Youri Besmenov e outros dissidentes de alta patente do regime soviético. Aí terá uma noção da diabólica máquina geopolitica comunista. Não é a toa que os americanos eram "paranoicos".

luis fernando marasca fucks disse...

O Sr. Arnaldo Jabor é muito astuto nas palavras, mas fraco nas idéias e na sua capacidade de perceber que o movimento comunista não acabou (ele até admitiu isso com Putin). Ele deveria ler e ver os videos do Anatoli Golitsyn, do Youri Besmenov e outros dissidentes de alta patente do regime soviético. Aí terá uma noção da diabólica máquina geopolitica comunista. Não é a toa que os americanos eram "paranoicos".

Anônimo disse...

Acho que o Arnaldo Jabor teve uma recaída.
Mauro Moreira

Anônimo disse...

É O ARNALDO JABOR MESMO QUE ESCREVEU ESSE ARTIGO OU O NICOLAS MADURO DA VENEZUELA???

Loumari disse...

China falsifica tudo ou quase tudo*



*É o mercado livre de controlo, a funcionar!*
*Viva o liberalismo económico!*


*Com a penetração nos mercados angolano e moçambicano,sem qualquer
controlo, faço ideia do que eles andam por lá a comer.Chamo já a atenção
para o tamanho deste vídeo, pelo que o devem ver mas sem pressas, pois ele
é muito importante. Mesmo muito. É que depois de o ver ficamos mesmo
aterrorizados... Como será na Europa se os restaurantes comprarem material
deste? Como sabemos? *
*Ou se acaba com as importações chinesas ou eles acabam connosco. *
*Isto é terrorismo puro!*

Assistam este video
https://www.youtube.com/watch?v=spqldUB04Ag

Carlos dePaula disse...

A cabeça do Jabor continua confusa. Balança de um lado para outro, mas não consegue esconder seu esquerdismo. Nasceu idiota-útil e vai morrer assim.

Anônimo disse...

Esse cara deve ser esquizofrênico - ora fala com lucidez e coerência, de repente escreve um troço desses.

Anônimo disse...

Não consegui vencer até hoje seu ranço socialista ( ou comunista) de sua juventude. Vez ou outra, como agora, desmancha com os pés aquilo que construí com as mãos.

Jaci Capistrano disse...

Arnaldo Jabor é um comunista que não gosta do jeito que o PT quer implementar o comunismo. Quanto a ideologia é esquerdista até o talo!