segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Il Duce

Mussolini morto

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Repórter: “Duce, é difícil governar a Itália?
Mussolini : Não é difícil. É inútil!

O diálogo acima, fictício ou verdadeiro, mostra bem o notável gênio do povo italiano.

O poder político da Casa de Sabóia, pode unificar vários países independentes em um só. Porém não conseguiu extinguir o orgulho dos diversos povos submetidos, nem homogeneizar e “pasteurizar” seus costumes e tradições.

O seu único denominador comum é o culto à beleza. Herdeira da cultura ocidental grega , continuadora do esforço civilizatório do Império Romano, a Itália é o exemplo de democracia a ser imitado. Parlamentarista, não tem medo de troca de gabinetes.

Enfrentou vários flagelos: terremotos, vulcões, invasões estrangeiras, organizações criminosas,etc.

Manteve sempre a civilidade. Entrega condenados à Justiça estrangeira por extradição, mesmo quando um país lhe nega a reciprocidade.

Pátria de Dante, Petrarca, D'Annunzio, Rossini, Verdi e tantos outros, que acima de tudo, foram cidadãos do mundo da inteligência.

Ars longa, vita brevis.

Imagina se o repórter fizer a mesma pergunta para nossa "Ducha"?


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

5 comentários:

Anônimo disse...

Essa imagem vai retratar o futuro do porco imundo lula vai acabar linchado pela multidão que ele roubou e empobreceu.

Anônimo disse...

Mas o Brasil precisava mesmo suportar a Era da Ignorância?

Loumari disse...

Podeis enganar toda a gente durante um certo tempo; podeis mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo; mas não vos será possível enganar sempre toda a gente.
(Abraham Lincoln)

Loumari disse...

Cada Homem Só se Pode Salvar ou Perder Sozinho

Também eu acredito que a existência precede a essência. Que tudo começa quando o coração pulsa pela primeira vez, e tudo acaba quando ele desiste de lutar. Que todas as paisagens são cenários do nosso drama pessoal, comentários decorativos da nossa aventura íntima e profunda. E que, por isso, cada homem só se pode salvar ou perder sozinho, e que só ele é o responsável pelos seus passos, que só as suas próprias raízes são raízes, e que está nas suas mãos a grandeza ou a pequenez do seu destino. Companheiro doutros homens, será belo tudo quanto de acordo com o semelhante fizer, todas as suas fraternidades necessárias e louváveis. Mas que será do tamanho e da qualidade da sua realização singular, da força da sua unidade, da posição que escolheu e da obra que realizou, que a consciência lhe perguntará dia a dia, minuto a minuto.

Miguel Torga, in "Diário (1949)"
Portugal
12 Ago 1907 // 17 Jan 1995
Escritor/Poeta

Anônimo disse...

O mega ladrão de Merdania vai terminar desse jeito ou pior: ESTRAÇALHADO em pedaços pelo póvo em FÚRIA nas ruas muito em breve!!
Ele e a cachorra safada da comunista FELA DA PUTA da Dilmerda.

Deus é Grande!