quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Ano novo, vida velha


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arnaldo Jabor


O ano da mandioca, o ano do vento engarrafado, dos pastéis de vento, o ano da mulher sapiens, o ano da incompetência arrogante, o ano em que tudo o que era sólido desmanchou no ar, o ano em que a República ficou com dois poderes em luta — o Executivo chantageado por dois elementos suspeitos de crime no Legislativo —, o ano da “segunda vinda” do Cristo Bolívar, invadindo a América Latina pela janela da Venezuela (um malandro que até o Marx chamava de “personagem medíocre e grotesco”), o ano do bigode do Maduro e do Chávez virado em passarinho, cantando-lhe nos ouvidos, o ano do pixuleco, o ano das propinas, das gorjetas, dos mimos, dos brindes, dos óbolos, dos esbulhos, o ano dos recordes: nunca no mundo alguém tinha levado US$ 90 milhões de “cervejinha”, o ano da cumbuca, da mão grande, o ano em que vimos que o país está pior do que pensávamos, o ano do povo ou obeso ou faminto, o ano dos milhões de analfabetos e de eruditos burros nas universidades pregando stalinismo para jovens indefesos, ano dos heroicos tesoureiros presos, o ano do olho mortinho do Cerveró, da barriga do Ricardo Pessoa, do sorriso estoico do Marcelo Odebrecht, da barba de esquerda do Vaccari, o ano das manifestações abstratas, o ano dos bonecos flutuantes de Lula, Dilma e Cunha, o ano em que filhos e próximos amigos de Lula estão caindo enquanto ele pinta o cabelo de acaju, o ano dos cabelos lindos e brancos do Delcídio do Amaral e também o ano do cabelo negro do Lobão, esse perigoso elemento servo do Sarney, que roubou o nome da pobre cidade do Maranhão Ribeirãozinho e se autonomeou município, o ano do amigão Bumlai, que Lula renegará três vezes, como fez com Dirceu, o ano das negações, do nada, do “não sei”, do “jamais roubei”, o ano dos “guerreiros do povo brasileiro” em cana, o ano da carne enlatada na Suíça pelo Cunha, mercador de bois e vacas raladas e ano das provas que nada provam, o ano da mentira como verdade ou o contrário: a verdade é tão escrota que parece mentira, o ano das desculpas esfarrapadas, o ano do triunfo de um grande precursor: Maluf, o Criador que deu o salto qualitativo da escrotidão nacional, o ano da metáfora de lama caindo sobre o país, maior tragédia ecológica da nossa história, que derramou 62 milhões de metros cúbicos de bosta eterna (o que não deixa de ser mais um belo recorde nosso...), o ano do mosquito, o ano da saúde doente, o ano das prefeitas prostitutas, o ano do Lamborghini da Dinda que nos deu saudades do Fiat Elba — o calhambeque que expulsou o Collor —, o ano do ex-país do futuro e em que não conseguimos ser o país do presente, o ano da irresponsabilidade fiscal oficial, do PIB zero, das bicicletas e pedaladas, o ano da “nova matriz psicótica” que vem aí e que fará tudo ao contrário do que deveria ser feito, por pirraça ideológica e burrice, o ano da burrice que (não esqueçamos) é “uma força da natureza”, o ano da volta da pior estagflação que será um novo recorde (viva!) do risco Brasil crescendo e do crescimento caindo, o ano do auge da rejeição popular, o ano das desculpas do caixa 2, o ano do triste fim de Joaquim Levy, que foi convocado para Dilma fingir que o obedecia, o ano da ascensão do Nelson Barbosa, dono de uma nova ideologia: o “lulo-capitalismo” — com uma estrelinha vermelha no peito fingindo de “liberal”, o ano de um ajuste fiscal que jamais será feito porque os sindicatos preferem o desemprego dos operários a mexer em direitos dos pelegos, o ano do MST financiado pelo governo, o ano dos 39 ministérios, o ano da certezas teimosas, o ano do dólar disparado, fazendo-nos torcer para o país se fu#&* e o dólar subir mais, o ano em que o PMDB roubou a cartilha do PSDB e os tucanos ficaram sem projeto, o ano do grande Sérgio Moro, que provoca rostos em pânico no Congresso, caras de fuinhas, de furões com medo, de cangurus pálidos, de tamanduás trêmulos, uma exposição de bichos covardes, uma feira agropecuária ali na Câmara, usando palavras solenes: “Minha honra”, “aleivosias contra mim”, “minhas mãos limpas!”, todos querendo ostentar pureza, angelitude, candor, com palavras encobrindo o despudor, a secular engrenagem latrinária que funciona abaixo dos esgotos, abaixo dos cientistas políticos, o ano dos intestinos da pátria ao vivo, os aumentos de patrimônio, os carrões, os iates, as casas com piscinas em forma de vaginas, as surubas lobistas no Lago Sul, os “fins justificando os meios” — dólares dentro de maletas pretas com a estrela vermelha do PT, o ano das calúnias, injúrias e difamações, da euforia de advogados enriquecendo e das promessas a Jesus para proteger os congressistas salteadores, as mandingas, os despachos, as galinhas mortas na encruzilhada e as esposas histéricas não comidas e sem amor, o uísque caindo mal, as diarreias, as flatulências fétidas, os arrotos nervosos, os vômitos, o ano em que finalmente vemos a cara suja do Brasil, o ano do Temer com sua cara de mordomo de filme inglês de terror (apud ACM), em quem Dilma não confia, nem ninguém, o ano do cuspe, o ano da porrada na Câmara e nas esquinas, o ano dos palavrões, o ano da “merda” e da “puta que pariu”, o ano da inveja, o ano das bundas, das periguetes, dos nudes, o ano das selfies, o ano dos babacas, o ano da vaca louca, o ano da cachorra no ar, o ano da beira do abismo, o ano da cracolândia, e, principalmente, o ano do satânico dr. Cunha, a prova máxima da decadência pública, com a cara mostrando-lhe a alma e vice-versa, o ano da marcha a ré, o ano dos ladrões “revolucionários”, o ano das alianças sujas, o ano das ilusões perdidas, o ano do renascimento do Supremo Tribunal Federal , o único orgulho brasileiro, com a PF e o MPF bombando, o ano que vai começar mais uma vez e vai terminar mais uma vez daqui a um ano, deixando sempre a sensação de esperança fracassada, até que comece um novo ano trazendo novas expectativas sempre frustradas, até começar um novo ano.

Arnaldo Jabor é Cineasta e Jornalista. Originalmente publicado em O Globo em 29 de dezembro de 2015.

7 comentários:

Anônimo disse...

Acho que este texto deveria ser revisto em alguns pontos, tais como a referência ao STF: "o ano do renascimento do Supremo Tribunal Federal , o único orgulho brasileiro, com a PF e o MPF ". Agora, depois da decisão equivocada sobre o impeachment, acho que não cabe esse elogio.

Anônimo disse...

O ano que o ‘futuresco’ e decantado B.R.I.C. perdeu o sentido, ficando apenas o R.I.C.!

Loumari disse...

Brésil, Brésil, Brésil, toujours au sommet.

BRAZIL sempre a SUBIR!

Durval Alves de Oliveira Oliveira disse...

A esperança fracassada faz lembrar: " C'est um pays de merde" !!

Loumari disse...

C'est un pays de merde le Brésil? Mais non! Je conteste cette attribution. Le Brésil est un pays malheureux, envahi par des démons.

Anônimo disse...

Renascimento do STF ? STF orgulho nacional? MPF de Janot seletivo e passador de régua? O texto expõe mesmo toda a podridão nacional, mas errou no final, pois o STF bolivariano o Janot protegendo Dilma, Renan e Lula são tão podres quanto o resto ... Só se salvam a PF e o Juiz Sergio Moro e sua fantástica, honesta e corajosa equipe de procuradores independentes.

Anônimo disse...

Arnaldo, você se lembrou de quase tudo,só não mencionou que foi um ano também do juiz Sérgio Moro que junto com o MPF e PF levou um senador do PT para a cadeia.Foi um ano também do Chico Buarque,um excelente letrista, que veio aqui defender a corrupção do PT no país dos outros porque nem nora aqui.Por favor, Arnaldo, O STF orgulho do país ? Isso é uma afronta!