sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Deficits Brasileiros


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão

Consabido que o Brasil entrou numa espiral de crise e os motivos principais estão ligados aos déficits que fazem da nossa governabilidade um caminho de trevas e poucas luzes para o amanhã e nos próximos anos. Os déficits são imensos: desde moral, ética e decência na governança corporativa das empresas, do mercado regulador e das bolsas, passando pelas artimanhas e peripécias do governo de mudar e provocar um rombo astronômico.

No País as notas de dinheiro em circulação deveriam ter no frontíspicio um C, não de corrupção,mas de coletivo, de comunidade e consciência do gasto, pois caso contrário vamos fazer muitos benefícios sociais, copa do mundo e jogos olímpicos e deixaremos o balanço para a população e o contribuinte amargarem, via aprovação da CPMF.

Esse descalabro que assola o Brasil é fruto de um governo inimaginário, surrealista, que não sabe fazer as contas, perdulário e extremamente distante dos interesses da sociedade civil. Os dados estatísticos comprovam a quebra de mais de cem mil empresas no Brasil,das quais vinte mil no ramo de informática, tudo sem uma reengenharia preocupada em alimentar a criação de empregos com sustentabilidade.

Os incentivos fiscais não podem ser setoriais, mas sim globais e plurais. Uma economia emergente não se restabelece em pouco tempo e os economistas são unânimes que continuaremos com nosso voo de galinha por mais dois anos, pelo menos. Nos divorciamos do primeiro mundo, e na América Latina somos os mais atrasados, e a situação exige mais cautela, precaução e tomada de decisão.

O Brasil parou literalmente em 2015 em torno de disputas, brigas e falta de consenso político partidário. Agora com a abertura do impeachment muita água haverá de correr por debaixo da ponte mas sem esquecimento do viés da economia, das empresas, do emprego e de manter o poder aquisitivo dos assalariados.

Fomos enganados literalmente com campanhas, projetos e mais dizeres que davam conta que o Brasil vinha andando num mar de rosas, mas no fundo estamos cravados de espinhos de todos os tamanhos, e ainda insistimos nos conceitos retrógrados e nos preceitos mais atrasados de livre mercado, de integração, rumos e metas em atenção aos blocos econômicos.

A tristeza que domina o ambiente somente pode ser comparada com a desolação que se abateu sobre a população após a copa do mundo. Escolas sendo fechadas, hospitais sem verbas, santas casas paralisadas, remédios para a baixa população em falta, e tudo isso faz parte do cenário maquiavélico criado e engendrado por políticos sem compromissos com a sociedade e metas estabelecidas longe de um contexto mais consistente.

Viveremos esse inferno de dante por muito tempo ou ousaremos mudanças, já que o desemprego passa de dez por cento da população ativa e o investimento externo escasseia, além da constante fuga de capitais. O campo, o setor ligado ao agronegócio, será capaz de reduzir os impactos dos malsinados efeitos do desgoverno, talvez não já que o crédito ficou mais difícil e os insumos mais caros.

O horizonte no final de 2015 traz um balanço de déficit não apenas do governo como um todo mas também e o que se torna preocupante, dos maiores grupos econômicos e empresas do Brasil. Radicalizamos em tudo e hoje a exemplo dos que nos governam a moda é estar no vermelho, mas ninguém em sã consciência tem idéia do rombo, dos próximos passos e quem reverterá essa disrupção do estado brasileiro, no suspiro de um novo ano de esperanças e menos corrupção.


Carlos Henrique Abrão, Doutor em Direito pela USP com Especialização em Paris, é Desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo. 

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu avise o Brasil está em trevas, confirmado

Chico Trevas

Anônimo disse...

E o que é uma ferida a mais para quem já está Lazarento. A CPMF para o povo não vai fazer cosquinha, já para quem tem o salario de desembargador a coisa fica feia. Pior é para quem movimenta fortunas vinda do, narcotráfico, contrabando, jogos ilegais e outras atividades comandada pela máfia do judiciário com a BODAIADA... EU FESTEJAREI A VOLTA DA CPMF...