domingo, 6 de dezembro de 2015

O Povo se acostumou a ser massacrado


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Desde os tempos coloniais o governo massacra o povo.

A enorme dificuldade em conservar a unidade nacional talvez justifique até certo ponto, os controles impostos aos súditos por el Rey.

Os que tem menos de trinta e cinco anos não viveram o flagelo da inflação, propositalmente provocada.

A deterioração da economia é evidente. Enormes saques das cadernetas de poupança, cancelamentos de Tvs a cabo, diminuição de veículos fabricados,etc.

Resignado a inoperância e a venalidade de um pseudo-judiciário, o povo não reage: se vinga.

Tornou-se imediatista ao extremo; só quer coisas úteis, de brindes de Natal a utensílios domésticos.

Livros nem pensar, salvo para calçar o pé de um móvel defeituoso.

Sabe que o poder real é de quem tem armas. Do Exército aos traficantes dos morros e favelas.

Está pouco acostumado a ver tanques na rua, mas sabe que eles existem e serão empregados contra os guerrilheiros disfarçados de refugiados, que entram à vontade, sem visto e com a conivência do desgoverno do crime.

Aproxima-se a hora do Basta! e o fim do monte de bosta.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Loumari disse...

O Segredo da Boa Disposição

Deixaram-nos aqui. É mesmo assim. É a vida. Tem graça, não tem? A vida tem graça. Nós temos graça. É engraçado estarmos todos aqui. A incerteza geral da existência, aliada à certeza particular do facto de termos nascido e de irmos um dia esticar o pernil, é de morrer a rir. Entre outras coisas. Já que nos puseram aqui, indispostos, mal distribuídos, condenados à confusão e à companhia dos outros, o mínimo que podemos fazer é pormo-nos o mais bem dispostos que pudermos.
O segredo da minha boa disposição é pensar o mais possível nos outros – nos outros que amo e que me têm de aturar, nos outros de quem só conheço o sofrimento e me fazem sentir a sorte que tenho em sofrer tão poucochinho – e o menos possível em mim. Quanto mais eu me desprezo e desconheço, quanto mais eu entristeço de me entender, mais preciso que haja quem goste de mim. Ou pelo menos da minha companhia. Sempre bem disposta, claro!

"Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'
Portugal n. 25 Jul 1955
Crítico/Escritor/Jornalista

Loumari disse...

Não me interessa vir a ser o homem mais rico no cemitério... Ir à noite para a cama dizendo a mim próprio que fiz algo de maravilhoso... é isso que me interessa.
(Steve Jobs)


Só quem sofre sonha. Só quem sonha vive. Só quem vive sofre. Assim são aqueles que sabem fazer as nuvens que derrubam montanhas.
(José Luís Nunes Martins)


Quando penso no passado, no tipo de coisas que me fizeram, sinto-me furioso, mas, mais uma vez, isso é apenas um sentimento. O cérebro sempre domina e diz-me: tens um tempo limitado de estada na Terra e deves tentar usar esse período para transformar o teu país naquilo que desejas.
(Nelson Mandela)