terça-feira, 30 de junho de 2015

Temer já conta com aval de Levy e dos banqueiros para assumir o lugar de Dilma - o que interessa a Lula


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O maçom inglês Michel Temer conspira, abertamente, para substituir Dilma Rousseff. Vazou no mercado financeiro que o vice-Presidente já fez uma consulta informal ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pedindo que sondasse o humor dos banqueiros sobre tal "possibilidade". Temer já revela a amigos e aliados muito próximos que recebeu "sinal verde" da banca para assumir o Palácio do Planalto e contornar a crise política e econômica de magnitude imprevisível. Se Lula anda brincando de ser "Presidentro", Temer não está para brincadeira...

Articulador político do governo, por imprudente delegação dada pela própria Dilma, Temer não apenas aposta que o desgaste da Presidenta é irreversível. Ele já sabe que seu desejo de assumir a titularidade da Presidência conta com o aval indiscreto de ninguém menos que Luiz Inácio Lula da Silva. O Presidentro, que só pensa em 2018, também avalia que não dá mais para salvar Dilma. Por isso, trata de salvar a própria pele, mandando a militância de sua seita política promover o tal "enfrentamento político da Operação Lava Jato", enquanto torce por uma queda de Dilma, para voltar a fazer o que mais sabe: oposição.

Dilma já tem um motivo concreto para ser totalmente fritada pelo PT - que nunca acolheu, completamente, a brizolista histórica. A Presidenta cometeu o pecado mortal de mexer no bolso da petelândia. Os militantes que se abrigam em ONGs começaram ontem a trucidá-la nas redes sociais, a partir da informação de um corte no financiamento a 22 mil projetos tocados por organizações sociais. Como Dilma vai abalar os ganhos da turma do Terceiro Setor, ela se transforma em "inimiga mortal". Os afetados já articulam novas e criativas fórmulas de sustentação na entressafra da mesada oficial. Apesar disto, Dilma entra na lista negra.

A previsão é que nova versão do "Fora, Dilma" ganhe impulso pela conspiração de Temer, Lula e dos ongueiros da petelândia a partir do mês de agosto. Enquanto isso, quem conspira contra Dilma tem uma outra missão bem arriscada, mas que pode contar com a providencial ajuda da Procuradoria Geral da República e da Força Tarefa da Operação Lava Jato. Além de Dilma, o principal alvo a ser detonado é Eduardo Cunha. O presidente da Câmara dos Deputados é visto como o principal inimigo petista e também como o principal obstáculo não-declarado para Temer assumir a Presidência da República.

Os aliados-conspiradores pretendem fomentar o fogo da pretensa oposição tucana contra Dilma. Mesmo a contragosto, os tucanos engoliriam Temer no Palácio do Planalto. Afinal, poderiam manter a fachada oposicionista para a ainda distante briga de 2018 - que será marcada por uma luta interna no PSDB entre Geraldo Alckmin e Aécio Neves. Por isso, a prioridade a ser fomentada é o "Fora, Dilma". O movimento agendado nas redes sociais para o dia 16 de agosto receberá apoio e financiamento para colocar milhares (ou milhões) nas ruas pedindo a saída da Presidenta - que estará ainda mais desgastada pela insatisfação social com a crise econômica.

O cenário que os conspiradores políticos imaginam para a queda de Dilma tem duas possibilidades que convergem. A primeira seria um pedido formal de impeachment, em função de uma condenação pelo Tribunal de Contas da União, por causa da famosa pedalada fiscal. A segunda (um pouco mais complicada juridicamente) seria uma tentativa de impugnação da eleição de Dilma, em função do financiamento da campanha de 2014 com recursos ilegais obtidos pelo esquema de corrupção na Petrobras, conforme a delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa.

A segunda hipótese, apesar de mais complicada que uma condenação por crime de responsabilidade pela pedalada, apavora tanto Dilma que a Presidenta passou recibo ontem, em Nova York. Foi primária a reação dela ao negar as acusações de repasses irregulares durante a sua campanha de reeleição: "Não aceito e jamais aceitarei que insinuem sobre mim ou a minha campanha qualquer irregularidade. Primeiro porque não houve. Segundo porque, se insinuam, alguns têm interesses políticos. Tem uma coisa que me acompanhou ao longo da vida. Em Minas, na escola, quando você aprende sobre a Inconfidência Mineira, tem um personagem que a gente não gosta porque as professoras nos ensinam a não gostar dele. Ele se chama Joaquim Silvério dos Reis, o delator. Eu não respeito delator".

Seria bom respeitar, Dilma... Até porque o empresário Ricardo Pessoa delatou que boa parte dos recursos, mesmo os declarados, repassados a políticos foi compensada por desvios de contratos com a Petrobras. Mesmo havendo registro das doações no TSE, isto seria considerado ilegal. Além disso, se a denúncia se comprovar, haveria corrupção, pelo fato de o empresário ser obrigado a doar para obter contratos. Outro crime seria o de lavagem de dinheiro, porque recursos da estatal poderiam ter sido drenados para doações de políticos do governo.

Dilma passou outro recibo de que o assunto a afeta demais, ao citar nominalmente o tucano Aécio Neves. Foi patético o argumento de que, se ela recebeu R$ 7,5 milhões da UTC no segundo turno da campanha presidencial de 2014, o candidato do PSDB também foi agraciado “com uma diferença muito pequena de valores”. Psicologicamente, a perdida Dilma tentou justificar um erro ou ilegalidade com a mesma moeda.

Pior ainda foi Dilma recorrer novamente à memória da tal ditadura militar, sempre que tem problemas políticos: "Tentaram me transformar numa delatora. A ditadura fazia isso com as pessoas presas. Eu garanto para vocês que eu resisti bravamente, até em alguns momentos fui mal interpretada, quando eu disse que em tortura a gente tem que resistir, porque senão você entrega seus presos. Então não respeito nenhuma fala. Agora, acho, para ser bem precisa, que a Justiça tem que pegar tudo o que ele disse e investigar, tudo, sem exceção. A Justiça, o Ministério Público, a Polícia Federal".      

O Alerta Total repete até cansar por 13 x 13: A hora da decisão nunca esteve tão próxima. Dilma é carta quase fora do baralho. O impasse institucional se agrava como nunca antes na história deste País. Os três poderes, altamente desgastados, batem cabeça. A maioria da sociedade, alarmada com a violência e afetada pela crise (que combina carestia, inflação e desemprego), aumenta a tensão e dá sinais de que pode perder a paciência a qualquer momento. A tendência é de conflito. A barbárie e o caos estão apenas começando. O desfecho no day after é imprevisível.

Encontrão com Murdoch


Dilma Rousseff fez ontem um beija-mão, não programado na agenda oficial da visita aos EUA, para encontrar o magnata anglo-australiano das comunicações Rupert Murdoch.

Dilma foi à sede do “Wall Street Journal” para encontrar o dono da News Corporation e da Fox - que é um inimigo declarado da Família Marinho, do Grupo Globo.  

Será que o encontro foi uma mera retribuição ao fato de o governo brasileiro ter publicado, segunda-feira, um anúncio de quatro páginas no “The Wall Street Journal” para divulgar o programa de concessões em infraestrutura?

Intitulada “Oportunidades de investimento na infraestrutura brasileira”, a propaganda traz textos, números e infográficos sobre estradas, ferrovias, portos e aeroportos do país.

Retrocesso Histórico



Vendedora

No hotel St. Regis, Dilma se encontrou com 12 investidores do setor financeiro americano.

Participaram do encontro representantes de grandes fundos e bancos, como Larry Fink, da Blackrock, a maior gestora de recursos financeiros do mundo; o ex-secretário do Tesouro dos EUA Tim Geithner, atualmente presidente da empresa de private equity Warburg Pincus; e Bill Rhodes, consultor sênior do Citigroup.
Depois, Dilma conversou com um grupo de CEOs de gigantes como General Motors (GM), General Electric (GE), Walmart e até do Ultimate Fighting Championship (UFC).

Em seguida, Dilma recebe o ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger e parte para o hotel New York Palace, onde encerra seminário de apresentação do plano de concessões em infra-estrutura do governo. De lá, segue para Washington.

Malvadeza virtual baiana

Circula entre e-mails de empresários baianos a seguinte mensagem:

"Após a prisão de Marcelo Odebrecht na Lava Jato, a imagem da empreiteira na internet mudou radicalmente: busca por Odebrecht no Google EUA mostra “destroy email” como um dos principais resultados".

Pronto para delação


Listinha do Pessoa

Os nomes de 18 políticos supostamente citados pelo dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, como beneficiados com dinheiro da corrupção foram revelados pela revista Veja neste fim de semana:

– Campanha de Dilma Rousseff em 2014: R$ 7,5 milhões.
– Campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2006: R$ 2,5 milhões.
– Ministro Edinho Silva (PT), ex-tesoureiro da campanha de Dilma: valor não informado.
– Ministro Aloizio Mercadante (PT): R$ 250 mil.
– Senador Fernando Collor (PTB-AL): R$ 20 milhões.
– Senador Edison Lobão (PMDB-MA): R$ 1 milhão.
– Senador Gim Argello (PTB-DF): R$ 5 milhões.
– Senador Ciro Nogueira (PP-PI): R$ 2 milhões.
– Senador Aloysio Nunes (PSDB-SP): R$ 200 mil.
– Senador Benedito de Lira (PP-AL): R$ 400 mil.
– Deputado José de Fillipi (PT-SP): R$ 750 mil.
– Deputado Arthur Lira (PP-AL): R$ 1 milhão.
– Deputado Júlio Delgado (PSB-PE): R$ 150 mil.
– Deputado Eduardo da Fonte (PP-PE): R$ 300 mil.
– Prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT-SP): R$ 2,6 milhões.
– Ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto: R$ 15 milhões.
– Ex-ministro José Dirceu: R$ 3,2 milhões.
– Ex-presidente da Transpetro Sergio Machado: R$ 1 milhão.

Caso Perdido


Medinho de Lula


Fora, Lula

Texto do presidente do Clube Militar, General Gilberto Pimentel, se tornou viral nas redes sociais.


Colabore com o Alerta Total

Neste momento em que estruturamos mudanças para melhor no Alerta Total, que coincide com uma brutal crise econômica, reforçamos os pedidos de ajuda financeira para a sobrevivência e avanço do projeto.

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente conosco poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Junho de 2015.

Idiotas sem fronteiras


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Os jornais estão acabando. Não dão mais notícias; só mini crônicas ou textos de propaganda disfarçada.

Os antigos e então respeitáveis diários estão como a feifoada. Tem carne de porco mas não é mais porco.

As seções mudaram. Hoje temos só “mondo cane”, bizzarro, tragédias, violência, etc.

“Os fatos, ora os fatos , o leitor tem preguiça de ler, de pensar ; quer mesmo e ver o horóscopo e a previsão do tempo” devem pensar os editores em todos os países.

O ditado é:”Mais vale uma imagem que mil palavras”.

Na era dos telefones móveis inteligentes, tudo é filmado e postado nas redes sociais.

Vejo eu mesmo e tiro minhas conclusões. Raramente compartilho algo.

Como na peça teatral de Ionesco, muitos de nós estamos virando rinocerontes.

No país já temos várias rinocerAntas.

Aqui d'El Rey !


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

O PTitanic e o ajuste fiscal


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Helio Duque

A recessão da economia brasileira será duradoura e não aponta uma rota de otimismo no curto e médio prazo. O estrago produzido nos últimos anos não poderá ser deletado apenas pelo ajuste fiscal que vem sendo implantado. Ele é emergencial, objetiva impedir que o caos econômico se instale. O descontrole dos gastos públicos foi o determinante para a completa desestruturação da política econômica.

Excesso de desoneração beneficiando áreas específicas, intervenção na economia, expressada na “nova matriz econômica!”, geraram a redução da arrecadação, atingindo em cheio os investimentos. O crescimento econômico foi o grande sacrificado. Paralelamente o gasto público foi expandido sem critério e disciplina.

O economista Mansueto Almeida, especialista em políticas públicas, vem demonstrando que o ajuste fiscal tem impacto direto no bolso da população. O orçamento familiar, através a cobrança de tributos é o grande sacrificado. Imposto sobre Operações Financeiras, sobre produtos industrializados e de importação, além do realinhamento dos preços administrados de combustíveis e das contas de luz, por exemplo, são repassados à sociedade, afetando diretamente a realidade da ascensão social ocorrida nos últimos anos.

A inadimplência familiar tornou-se fato indiscutível.  O desemprego decorrente da estagnação da economia vem invadindo todos os setores. Vale dizer, a conta da irresponsabilidade econômica produzida pelas autoridades governamentais é repassada para as famílias brasileiras.

O ajuste fiscal para garantir “superávit primário” (economia do governo para manter contas positivas e pagamento da dívida pública), sem alternativa, confisca a renda dos brasileiros com apetite pantagruélico. Em um cenário de economia enfraquecida, com uma redução do PIB (Produto Interno Bruto) em 2015, calculado entre 1,8% a 2%.

Na outra ponta, o Banco Central executa ativa política monetária com juros elevados para combater a inflação. Lamentavelmente o BC foi omisso e conivente no governo Dilma Rousseff I, quando ignorou o perigo que representava a redução irrealista e populista das taxas de juros. A inflação no ano próximo vai se reduzir basicamente pela recessão, pelo desemprego (pode ultrapassar os 10%) e pela queda dos investimentos nas áreas produtivas.

Para enfrentar esses e outros desafios, produzidos pela “fantasia populista” dos últimos anos, recolocando o Brasil em trajetória de crescimento sustentável, não será tarefa simples. Infelizmente o governo Dilma Rousseff não tem visão e liderança para implantar reformas estruturais, fundamentais para a retomada do desenvolvimento. Herdou do governo Lula II, o Estado endividado, agravado a partir de 2008, com a crise das finanças internacionais apelidada jocosamente de “marolinha” pelo então presidente da República.

Ao invés de enfrentar a conjuntura econômica adversa, o governo Dilma resolveu ampliá-la com o crescimento sendo estimulado artificialmente pelo gasto público, adjetivando sonhadoramente de “nova matriz econômica”. Instaurou um capitalismo de Estado com fartos subsídios, via BNDES, para setores privilegiados. Reeleita, a soma dos equívocos e imcompetências afloraram com grande ímpeto fragilizando o seu governo e vendo a popularidade virar pó. Foi obrigada a terceirizar o poder, entregando a economia a Joaquim Levy e a agenda política ao PMDB do vice Michel Temer.

Temos um governo sem credibilidade, onde a confiança da população vai se esvaindo dia a dia. E recuperar credibilidade e confiança só seria possível com uma agenda positiva, onde a retomada das reformas estruturais, abandonadas nos governos Lula/Dilma, se transformem em realidade. Sem elas a retomada de um ciclo econômico duradouro na economia brasileira é missão impossível.

O ajuste fiscal emergencial em execução objetiva impedir que o “Titanic” se choque com o “iceberg”. Não sendo suficiente para recolocar o País em rota de crescimento. Os próximos anos serão de baixo crescimento, com agravamento da questão social e ambiente econômico e político adverso e tumultuado. Quem viver, verá.


Helio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira.

Vexame frente ao Paraguai?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Li aqui no “Alerta Total”, de 28 de junho, com espanto, artigo assinado por Sua Excelência o Desembargador Carlos Henrique Abrão, e que leva por título “A Falência de Uma Nação”. Cheguei a comentar o artigo. Mas não deu para enviar. Foi melhor assim. O assunto mereceria mais espaço. É o que faço agora.

Não há qualquer dúvida que moral e politicamente o Brasil está falido ,há bastante tempo, como  assegura o ilustre Desembargador. O articulista também acerta quando aponta as premissas que levaram a essa falência. E são exatamente esses os motivos que levaram os defensores da divisão do Brasil em novos países a concluir que o “Brasil não deu certo”.

Essa bandeira, portada pelos independentistas do SUL (PR,SC e RS),dentre outros, tem suas raízes no fato da necessidade de ser desmanchado o que não deu  certo, nem haver qualquer perspectiva de isso acontecer algum dia. Os 500 anos nada dignos da história desse país são provas suficientes.
E o nobre Desembargador sabe melhor que ninguém quais as consequências de uma FALÊNCIA no mundo jurídico. Teria sido bem pensado o título escolhido para esse artigo?  Parece que não.

Interessante é observar que a própria Justiça defende com “unhas-e-dentes” a manutenção da integridade do Brasil em virtude  de um dispositivo constitucional. Chegou a rejeitar o pedido de registro de um partido político (PRF-Partido da República Farroupilha), mesmo como pessoa jurídica, que  tinha a causa independentista do SUL ,e outras regiões, como meta no seu programa. O TJRGS não levou em consideração o direito que tem um partido político de pleitear uma nova constituição permissiva desse intento. Se isso for vedado a um partido política (defender uma nova constituição) ,acaba de vez  não só qualquer resquício de democracia, como também  de liberdade.

Resta salientar que os canalhas que tomaram conta do poder político, hoje acampados nos Poderes Executivo e Legislativo, conseguiram mutilar totalmente o Estado-de-Direito no Brasil. E nisso tiveram a parceria,  por omissão, do próprio Poder Judiciário e daquela infinidade de instituições públicas que deveriam controlar tais situações e nada fazem ,o que  permitiu a entrada em vigor, sempre camuflado, do “estado-de -antidireito”.

Mas essa postura de omissão está sendo generosamente recompensada por uma escandalosa   política  de remuneração dos magistrados, que   passarão a receber verdadeiras  fortunas  salariais nesse odioso pacto entre as autoridades governamentais, parlamentares  e judiciário. A tentativa de “compra” do Judiciário é escancarada.

Desse modo, seria  mais coerente que as pessoas  se olhassem no espelho, ao  lado das instituições a que pertencem, antes  de saírem dando tiros para todos os lados com suas críticas e pregação de moral.

Mas com essa “introdução”, quase  acabei fugindo do assunto. 

O  Dr. C.H.Abrão considera  uma “tragédia” a derrota da seleção de futebol do Brasil para o Paraguai, no jogo de 27.6.15, chegando a chamá-la de “humilhante” e “vexatória”.

Mas no quê, afinal, o  Brasil  seria superior ao Paraguai, para  sentir-se “vexado” e “humilhado” com a justa vitória paraguaia?  Seria pelo “tamanho” do Brasil, em território e população?

Interessante é observar que a luta mundial contra preconceitos foi adotada até de forma exagerada no Brasil. Hoje se pune qualquer manifestação de preconceito  contra pessoas.

Mas e o preconceito contra nações,como fica? Não seria muito mais grave que entre pessoas?

Essa acusação de derrota “vexatória” e “humilhante” ,do Brasil para o Paraguai, não  poderia ser enquadrada como preconceito puro sangue?                                                                                

A bem da verdade ,a única “tragédia”, ou  derrota “vexatória” e “humilhante”, ocorrida  entre estes dois países (Brasil e Paraguai),deu-se na GUERRA DO PARAGUAI ( 1864 a 1870),onde o Brasil, formando  quadrilha com a Argentina e Uruguai, dizimou  70% da população paraguaia, a  maioria homens e jovens ,causando um impacto tal  naquele país que até hoje  as consequências são sentidas, tanto no aspecto do equilíbrio populacional, quanto nos aspectos desenvolvimentistas.

Nunca é demais lembrar que os bandidos da Tríplice Aliança estavam atendendo interesses ingleses, que viam no desenvolvimento próprio do Paraguai grande ameaça. Dita guerra foi sustentada com dinheiro e apoio militar dois ingleses.

Um dos “heróis” desse conflito foi o brasileiro CAXIAS, hoje patrono   do Exército Brasileiro. Além de ajudar na destruição populacional e econômica do Paraguai, o “cara” foi tão “valente” que chegou a dizer que a guerra só seria vencida se fosse morto até o último feto paraguaio no ventre da mãe.
São outros, portanto, os  “vexames”,” tragédias”  e “humilhações” que deveriam ser  criticados e lembrados,  causando vergonha aos brasileiros.

O grande mérito da vitória paraguaia está em ajudar no desmanche da SOBERBA CULTURAL que grande parte da população brasileira têm em relação aos seus vizinhos da América do Sul.


Sérgio Alves de Oliveira é Sociólogo e Advogado.

Há profissão melhor?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

Nunca é demais refletir sobre a "dura" vida dos nossos nobres políticos. 
É de conhecimento geral que sua aposentadoria se configura como um elenco odioso de privilégios, construído ao longo do tempo, o que prova que passaram boa parte de seus mandatos aperfeiçoando os próprios benefícios, sem grandes preocupações com a inatividade de seus eleitores, pobres contribuintes, responsáveis, em última analise, pelos pagamentos . 

Além de se poderem eternizar no poder até o último suspiro, sem sofrerem as restrições do limite de idade imposto a outras categorias de servidores, precisam de pouquíssimo tempo, às vezes nada mais que um mandato, de serviço pouco sacrificado,  com vários recessos durante o ano e semanas de três dias, para fazerem jus pelo resto de suas existências a valores que fariam chorar de inveja qualquer trabalhador que ainda tenta entender o regra dos 85/95 com a qual terão que contar para almejar, por exemplo, o teto máximo do INSS.  

Além de todo esse aconchego ocioso ao deixar a carreira, são, enquanto ativos, blindados judicialmente, pois somente serão presos em caso de flagrante de crime inafiançável.  

As recentes declarações via delação premiada de um dos envolvidos na operação lava-jato, dando conta da participação de alguns parlamentares em transações para financiamento de campanhas e favorecimentos ilegais, deram origem a reações indignadas dos citados, todos jurando que não sabem de nada, não conhecem ninguém e que os gastos estão de acordo com a lei. 

Ou seja, mesmo que seja provada por investigação, a irregularidade, há ainda um longuíssimo caminho até que o braço da justiça os alcance. 

Os nossos políticos constituem, assim, uma categoria de auto representantes que não se aposentam compulsoriamente, podendo atuar até o túmulo, contam com generosa benefício financeiro após pouquíssimo tempo de ativa e são imunes às instâncias normais da justiça. 

Há no mundo melhor profissão? 

E é inútil, como seria lógico, argumentar que a solução está no voto, pois este está amarrado a um sistema eleitoral viciado que clama por uma urgente reforma que acaba de não ser aprovada.


Paulo Roberto Gotaç é Capitão de Mar e Guerra, reformado.

Pátria Deseducadora

Cartazes colados na Praça João Mendes, centro de São Paulo, em protestando contra Lula, Dilma e o PT.  (Foto do site do Estadão)

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Percival Puggina

"Ao bradarmos "BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA" estamos dizendo que a educação será a prioridade das prioridades, mas também que devemos buscar, em todas as ações do governo, um sentido formador, uma prática cidadã, um compromisso de ética e um sentimento republicano". (Presidente Dilma, discurso de posse, 01/01/2015)

 Como é inconsistente e distante da realidade o compromisso do governo de Sua Excelência com a ética! E vale o mesmo para o "sentimento republicano" e para a tal "prática cidadã", seja lá isso o que for. Treze anos de governo petista só serviram para desnortear moralmente a sociedade e semear descrédito nas instituições mediante exemplos, palavras e atos. O governo mente, faz o que não deve, não faz o que deve, cerca-se de péssimas companhias, ele mesmo é muito má companhia, corrompe, se deixa corromper e acusa os demais daquilo que faz. Na inepta frase presidencial, contudo, há outro aspecto e é nele que quero me deter.
 A presidente disse que a educação será a prioridade das prioridades e que para essa tarefa convergirão as ações do governo. Aparentemente, ninguém a advertiu para o fato de que a sociedade não pediu ao Estado para ser por ele "educada". O que a sociedade espera do sistema público de ensino é que cumpra, dentro das salas de aula, nas escolas, o papel de transmitir à juventude brasileira ensinamentos úteis à vida na sociedade contemporânea e à realização das potencialidades de cada indivíduo.

Para variar, é tudo ao contrário do que a presidente e seu partido fazem. Por isso seguimos dilapidando preciosos recursos humanos e perdendo tempo na imprópria tarefa de "construir sujeitos" e de preparar "agentes de transformação social"! Chega de construtivismo, de Paulo Freire e de Emilia Ferreiro (até os argentinos já perceberam o estrago que o método da conterrânea causou à alfabetização no seu país). "Chega de Piaget e de Vygotski!", me assopra num antigo texto o sociólogo e jornalista José Maria e Silva.

Eu sei que o parágrafo acima escandalizará setores do meio acadêmico brasileiro, especialmente nos cursos voltados à formação de professores. Eu sei. Ali, multidão de mestres e doutores ensina os futuros professores dos nossos jovens que a transmissão de conhecimentos, de conteúdos, será apenas parte, e parte pouco relevante, de seus quefazeres profissionais. Por isso, em nosso país, não se ensina História, mas leituras ideologicamente convenientes de fatos históricos. Não se ensina geografia, mas geografia política em conformidade com a sociologia e com a política que convém ao uso revolucionário da rede escolar. Pouco e mal se ensina língua portuguesa porque o uso correto do idioma é instrumento de dominação e desrespeito à cultura do "sujeito educando". E não se ensina matemática, talvez por ser conteúdo exigente, que dispersa energias revolucionárias.

Aferir resultados é uma imposição da razão a toda atividade humana. Não haveria de ser diferente no sistema de ensino. E o que esse sistema proporciona ao Brasil é tão ruim que chega ao absurdo de repelir o mérito e de manter um compromisso com a mediocridade, da base ao topo do sistema. Enquanto na minha infância, no piso da pirâmide, as crianças eram alfabetizadas em poucos meses, passadas seis décadas, esse objetivo não é alcançado por muitos sequer em três anos.

Pesquisa do Instituto Paulo Montenegro e da ONG Ação Educativa revelou, em 2012, que 38% dos estudantes universitários não dominavam "habilidades básicas de leitura e escrita", qualificando-se como analfabetos funcionais. No topo da pirâmide, na produção acadêmica, o Brasil responde por apenas 1% da obra científica mundial de maior qualidade, segundo a revista Nature. O Chile, com 8% da população brasileira, produz mais artigos científicos do que o Brasil. No entanto, enquanto nós gastamos nisso US$ 30 bi, o Chile gastou US$ 2 bi. A ineficiência no uso dos recursos, entre 53 países analisados, nos coloca em 50º lugar.

Não vejo como se possa mudar essa realidade quando ela decorre do projeto político, ideológico e pedagógico há muito em curso no Brasil. Esse projeto, anterior ao PT, levou-o ao poder. Por isso, em relação ao Plano Nacional de Educação, o próprio Lula reconheceu que ele é "a chance de começar uma revolução no país". A presidente sabe disso tão bem quanto eu e você.

Percival Puggina é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Enquanto se esfacela, Lula conspira para derrubar Mercadante e Cardozo do desgoverno Dilmandioca


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Um boato fortíssimo entre lobistas revela que, na noite de quinta-feira passada, Luiz Inácio Lula da Silva teve um violento ataque de nervos que o obrigou a ser atendido por médicos. A fim de não dar na pinta, o socorro chegou camuflado em um furgão (e não em uma ambulância convencional), no apartamento de São Bernardo do Campo. Verdade ou lenda, o certo é que Lula nunca esteve tão em baixa e preocupado com sua própria sobrevivência política. O mito se esfacela. Salvação real? Só em caso de morte súbita...

Já recuperado do faniquito e pronto para outro, o tenso Lula viaja correndo nesta segunda-feira para Brasília, onde terá uma reunião de emergência com senadores e deputados do Partido dos Trabalhadores. No encontro, $talinácio vetou a presença de ministros do governo Dilma Rousseff. A Presidenta, que está nos EUA para o beija-mão ao Barack Obama, segue completamente encurralada pelo encurtamento do tempo político por aqui. Seu desgaste perante a opinião pública parece irreversível. Já é consenso que, se não houver um milagre, seu governo não chega ao final do ano - isto na hipótese mais otimista.

A crise interna é violentíssima. Tanto a política quanto a econômica. A moral nem se fala... Dilma Rousseff só não está mais perdida do que Lula - que parece um cara cego e sozinho no meio de um alambique inesgotável... Por isso, invocando o espírito de $talinácio, o chefão da seita petista quer cobrar fidelidade e apoio incondicional em sua defesa, diante do risco de envolvimento de seu nome nos desdobramentos da Lava Jato. Como a Força Tarefa já anunciou oficialmente que só investigou apenas 25% das broncas, e nem mexeu inteiramente no ninho de cobras com foro privilegiado (missão para o Procurador Geral da República com o Supremo Tribunal Federal), Lula já tem certeza de que sobrará para si muito problema escondido nos 75% a serem investigados.

Dando uma de "opositor da Dilma" (com quem finge estar rompido), Lula exige as cabeças de dois aliados que considera "traidores": o ministro chefe da Casa Civil, Aloísio Mercadante, e o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A bronca de Lula com Mercadante (agora diretamente enrolado na bombástica delação premiada do chefão do cartel de empreiteiros, Ricardo Pessoa) é que ele resolveu agir com "luz própria" e não se comportou como seu pau mandado do ex-Presidente no seio do governo (ao contrário dos antecessores (José Dirceu, Antonio Palocci e Gleisi Hoffmann). Já a imperdoável raiva do Cardozo é por ele, além de não conseguir controlar a Polícia Federal, também não ter sabido defender os empreiteiras dos ataques da "turma do juiz Sérgio Moro".

O Alerta Total repete por 13 x 13: A hora da decisão nunca esteve tão próxima. O impasse institucional se agrava como nunca antes na história deste País. Os três poderes, altamente desgastados, batem cabeça. A maioria da sociedade, alarmada com a violência e afetada pela crise (que combina carestia, inflação e desemprego), aumenta a tensão e dá sinais de que pode perder a paciência a qualquer momento. A tendência é de conflito. A barbárie e o caos estão apenas começando. O desfecho no day after é imprevisível.

Dilmandioca

Releia o artigo de domingo: O Samba do Brasil Doidão


Ingratidão


Listinha do Pessoa

Os nomes de 18 políticos supostamente citados pelo dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, como beneficiados com dinheiro da corrupção foram revelados pela revista Veja neste fim de semana:

– Campanha de Dilma Rousseff em 2014: R$ 7,5 milhões.
– Campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2006: R$ 2,5 milhões.
– Ministro Edinho Silva (PT), ex-tesoureiro da campanha de Dilma: valor não informado.
– Ministro Aloizio Mercadante (PT): R$ 250 mil.
– Senador Fernando Collor (PTB-AL): R$ 20 milhões.
– Senador Edison Lobão (PMDB-MA): R$ 1 milhão.
– Senador Gim Argello (PTB-DF): R$ 5 milhões.
– Senador Ciro Nogueira (PP-PI): R$ 2 milhões.
– Senador Aloysio Nunes (PSDB-SP): R$ 200 mil.
– Senador Benedito de Lira (PP-AL): R$ 400 mil.
– Deputado José de Fillipi (PT-SP): R$ 750 mil.
– Deputado Arthur Lira (PP-AL): R$ 1 milhão.
– Deputado Júlio Delgado (PSB-PE): R$ 150 mil.
– Deputado Eduardo da Fonte (PP-PE): R$ 300 mil.
– Prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT-SP): R$ 2,6 milhões.
– Ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto: R$ 15 milhões.
– Ex-ministro José Dirceu: R$ 3,2 milhões.
– Ex-presidente da Transpetro Sergio Machado: R$ 1 milhão.


Inocentes reagindo


Na Zona de exclusão


Na Zona de rebaixamento

A Seleção Brasileira, o Flamengo e a Dilma só nos dão alegria...

Aliás, é difícil saber qual consegue ser mais pior...

O Vasco, no mesmo nível deles, pelo menos ganhou ontem...

Mas o sofrível jogo teve lateral batido para fora, inúmeros erros de passe e falhas táticas imperdoáveis.

Consultoria é tudo


Colabore com o Alerta Total

Neste momento em que estruturamos mudanças para melhor no Alerta Total, que coincide com uma brutal crise econômica, reforçamos os pedidos de ajuda financeira para a sobrevivência e avanço do projeto.

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente conosco poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Junho de 2015.

A Anta e Pedro


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Pescador na Galiléia, conheceu um dia o Cristo. Ouviu seus ensinamentos, viu seus milagres e seu martírio; acreditou em sua divindade.

Talvez por ter sido o mais humilde, o mais prudente e o de físico mais forte, foi escolhido para sucedê-lo após sua morte.

Em suas profecias, São Malaquias diz que o último Papa será Pedro Romano; levará em seu nome as heranças de humildade e de arrogância.

Se a Anta, num momento de graça, vier a ler um único livro, o faça: “História Eclesiástica” de Dom Bosco; entenderá sua profecia sobre o Império da Cruz.

O Brasil recém liberto, teve dois Pedros. O seu Defensor Pertpétuo e o “Neto de Marco Aurélio” que levaram em seus brasões a Cruz e a Esfera. Seus pósteros lhes acrescentaram os lírios de São Luiz.

Nós, filhos da província de Paulo, tomaremos sua espada e em uníssono diremos:

“Pro Brasilia fiant eximia”.

Fidelíssimo a sua Majestade, houve um paulista que não quis ser rei.

Seu nome: Amador, a melhor rima para Salvador.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.