quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Frases da Dilma - para começar 2016 rindo


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

“È melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida”.
(Abraham Lincoln).

18º lugar .... “Eu sempre escuto os
prefeitos. Por que é que eu escuto os prefeitos? Porque é lá que está a população do país, ninguém mora na União, ninguém mora… “Onde você mora?” “Ah, eu moro no Federal”.”

17º lugar .... “A única área que eu acho, que vai exigir muita atenção nossa, e aí eu já aventei a hipótese de até criar um ministério, é na área de… Na área… Eu diria assim, como uma espécie de analogia com o que acontece na área agrícola.”


16º lugar .... “A mulher abre o negócio, tem seus filhos, cria os filhos e se sustenta,
tudo isso abrindo o negócio.”

15º lugar ... “A Zona Franca de Manaus, 
ela está numa região. Ela é o centro dela porque ela é a capital da Amazônia.”

14º lugar .... “Vamos dar prioridade a
segregar a via de transporte. Segregar via de transportes significa o seguinte: ou 
você faz metrô, porque o metrô… porque o metrô, segregar é o seguinte, não pode
ninguém cruzar rua, ninguém pode cruzar a rua, não pode ter sinal de trânsito, é essa a idéia do metrô. Ele vai por baixo, 
ou ele vai pela superfície, que é o VLT, que é um veículo leve sobre trilho. Ele vai por cima, ele para de estação em estação, não tem travessia e não tem sinal de trânsito, essa é a idéia do sistema de trilho.”


13º lugar.... “Tudo o que as pessoas que estão pleiteando a Presidência da República querem é ser presidente.”


12º lugar ... “Eu vi. Você veja… Eu já vi, parei de ver. Voltei a ver e acho que o Neymar e o Ganso têm essa capacidade de fazer a gente olhar.”

11º lugar .... “Eu quero adentrar pela questão da inflação, e dizer a vocês que a inflação foi uma conquista desses 10 últimos anos do governo do presidente Lula e do meu governo.”


10º lugar .... “Eu também vou falar… eu vou falar pouco. Vou explicar por quê: todo mundo, antes de mim, disse que ia falar pouco, não é? E aí, tinha uma senhora ali, na frente, que falou o que todos nós estamos sentindo.
Ela disse assim: “Eu estou com fome”. E eu vou levar em consideração ela, que falou uma coisa que todo mundo está pensando, mas não está falando.”

9º lugar .... “A autossuficiência do Brasil sempre foi insuficiente.”

8º lugar .... “Em Portugal, o desemprego
beira 20%. Ou seja, 1 em cada 4 portugueses estão (sic) desempregados.”


7º lugar.... “Primeiro, eu queria te dizer que eu tenho muito respeito pelo ET de Varginha. E eu sei que aqui, quem não viu conhece alguém que viu, ou tem alguém na família que viu, mas de qualquer jeito eu começo dizendo que esse respeito pelo ET de Varginha está garantido.”


6ª lugar .... “Em Vidas Secas está retratado todo problema da miséria, da pobreza, da saída das pessoas do Nordeste para o Brasil.”

5º lugar .... “O meio ambiente é sem dúvida nenhuma uma ameaça ao
desenvolvimento sustentável.”


4º lugar .... “Eu quero, então, voltar aonde eu comecei. Eu vou falar agora que aqui tem 37 municípios. Eu vou ler os nomes dos municípios, porque eu acho importante que cada um de vocês possam (sic) se identificar aqui dentro e, por isso… Eu ia ler os nomes, não vou mais. Por que não vou mais? Eu não estou achando os nomes. Logo, não posso lê-los.”


3º lugar .... “Eu ontem disse pro presidente Obama que era claro que ele sabia que depois que a pasta de dente sai do dentifrício ela dificilmente volta pra dentro do dentifrício. Então que a gente tinha de levar isso em conta. E ele me disse, me respondeu que ele faria todo esforço político para que essa pasta de dente pelo menos não ficasse solta por aí e voltasse uma parte pra dentro do dentifrício.”


2º lugar ... “Eu estou muito feliz de estar aqui em Bauru. O prefeito me disse que eu sou, entre os presidentes, nos últimos tempos, uma das presidentes, ou
presidentes, que esteve aqui em Bauru.”


E finalmente, o 1º (primeiríssimo) lugar ...
“Se hoje é o dia das crianças, ontem eu disse que criança… o dia da criança é dia da mãe, do pai e das professoras, mas também é o dia dos animais, sempre que vejo um criança vejo um cachorro atrás ela (sic)


Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

O Foco na Luta contra a Impostura


“Revoltarmo-nos contra a tirania é obedecer a Deus.” (Thomas Jefferson)

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A luta dos cidadãos contra o desgoverno do crime organizado, que domina a máquina pública no Brasil, precisa ter um foco objetivo, no momento em que Estados, municípios e a União propagandeiam, falsamente, que "falta dinheiro". Um dos alvos principais de ataque é uma rebelião direta do cidadão-eleitor-contribuinte contra o absurdo que pagamos em 92 impostos, taxas e contribuições, fora o que é extorquido de nós pelas variadas "indústrias das multas".

A mentira de que "falta dinheiro" é facilmente desmascarada pela realidade. Pela primeira vez em um ano foi alcançada às 11h de ontem (30 de dezembro de 2015) a marca inédita de R$ 2 trilhões que foram pagos pelos brasileiros em impostos, taxas e contribuições desde o primeiro dia do ano que agora termina. No ano passado, o Impostômetro alcançou R$ 1,8 trilhão no segundo dia de dezembro. Em 2013, ficou em torno de R$ 1,7 trilhão.

O dinheiro arrecadado é destinado à União, aos estados e aos municípios. Os tributos federais representam 65,95% da arrecadação de R$ 2 trilhões. Já os tributos estaduais equivalem a 28,47% e, os municipais, a 5,58%. Individualmente, o tributo de maior arrecadação é o ICMS (19,96% do total), seguido do INSS (19,18%), Imposto de Renda (15,62%) e Cofins (10,13%). O impostômetro é um levantamento encomendado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT)Pelo portal www.impostometro.com.br, é possível descobrir o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado. Por exemplo, quantas cestas básicas é possível fornecer, quantos postos de saúde podem ser construídos. No portal também é possível levantar os valores que as populações de cada estado e município brasileiro pagaram em tributos. 

Apenas por curiosidade: Dois trilhões de notas de R$ 1 correspondem, empilhadas, à altura de 6.666.666 prédios de 100 andares cada um. Se cada nota fosse um litro de água, corresponderia à vazão de 112 horas das Cataratas do Iguaçu. E, com as notas, seria possível preencher a metragem quadrada de 16 cidades do tamanho de São Paulo.

Já passou da hora de os brasileiros se rebelarem contra o absurdo volume de impostos pagos, sem a devida contrapartida estatal e, pior ainda, com o descarado desvio do dinheiro público em esquemas de corrupção.

Chega de "Estado Hobin Hood de araque" - pois rouba pobres, ricos e só locupleta a politicagem e os corruptos que comandam a máquina pública sem transparência e controle social legítimo. Basta!

Lembrar nunca é demais...

Os 10 países onde MENOS se trabalhou em um ano para pagar impostos em 2013, segundo dados do Banco Mundial, devidamente viralizados nas redes sociais:
1. Maldivas: 0 horas
2. Emirados Árabes Unidos: 12 horas
3. Bahrein: 36 horas
4. Qatar: 36 horas
5. Bahamas: 58 horas
6. Luxemburgo: 59 horas
7. Omã: 62 horas
8. Suíça: 63 horas
9. Irlanda: 76 horas
10.Seicheles: 76 horas
Os 10 países onde MAIS se trabalhou em um ano para pagar impostos em 2013:
1. Brasil: 2.600 horas ( é mais que o dobro do 2º colocado! )
2. Bolívia: 1.080 horas
3. Vietnã: 941 horas
4. Nigéria: 938 horas
5. Venezuela: 864 horas
6. Bielorrússia: 798 horas
7. Chade: 732 horas
8. Mauritânia: 696 horas
9. Senegal: 666 horas
10.Ucrânia: 657 horas

Conclusão: "O Brasil tem a maior carga tributária do mundo para pagar a MAIOR CORRUPÇÃO DO MUNDO".

Vale a pena, para ficar mais pt da vida com o Estado Capimunista Rentista Corrupto, dar uma olhada nos percentuais de impostos que incidem sobre cada produto que consumimos:

Medicamentos - 36%
Motocicleta de até 125 cc - 44,40%
Luz - 45,81%
Telefone - 47,87%
Motocicleta acima de 125 cc - 49,78%
Gasolina - 57,03%
Cigarro - 81,68%

PRODUTOS ALIMENTÍCIOS BÁSICOS pagam de imposto:

Carne bovina - 18,63%
Frango - 17,91%
Peixe - 18,02%
Sal - 29,48%
Trigo - 34,47%
Arroz - 18,00%
Óleo de soja - 37,18%
Farinha - 34,47%
Feijão - 18,00%
Açúcar - 40,40%
Leite - 33,63%
Café - 36,52%
Macarrão - 35,20%
Margarina - 37,18%
Molho tomate - 36,66%
Ervilha - 35,86%
Milho Verde - 37,37%
Biscoito - 38,50%
Chocolate - 32,00%
Achocolatado - 37,84%
Ovos - 21,79%
Frutas - 22,98%
Álcool - 43,28%
Detergente - 40,50%
Saponáceo - 40,50%
Sabão em barra - 40,50%
Sabão em pó - 42,27%
Desinfetante - 37,84%
Água sanitária - 37,84%
Esponja de aço - 44,35%

PRODUTOS BÁSICOS DE HIGIENE pagam de impostos:

Sabonete - 42%
Xampu - 52,35%
Condicionador - 47,01%
Desodorante - 47,25%
Aparelho barbear - 41,98%
Papel Higiênico - 40,50%
Pasta de Dente - 42,00%

MATERIAL ESCOLAR

Caneta - 48,69%
Lápis - 36,19%
Borracha - 44,39%
Estojo - 41,53%
Pastas plásticas - 41,17%
Agenda - 44,39%
Papel sulfite - 38,97%
Livros - 13,18%
Papel - 38,97%
Agenda - 44,39%
Mochilas - 40,82%
Régua - 45,85%
Pincel - 36,90%
Tinta plástica - 37,42%

BEBIDAS pagam muito imposto:

Refresco em pó - 38,32%
Suco - 37,84%
Água - 45,11%
Cerveja - 56,00%
Cachaça - 83,07%
Refrigerante - 47,00%

LOUÇAS

Pratos - 44,76%
Copos - 45,60%
Garrafa térmica - 43,16%
Talheres - 42,70%
Panelas - 44,47%

PRODUTOS DE CAMA, MESA E BANHO

Toalhas - 36,33%
Lençol - 37,51%
Travesseiro - 36,00%
Cobertor - 37,42%

ELETRODOMÉSTICOS

CD - 47,25%
DVD - 51,59%
Brinquedos - 41,98%
Sapatos - 37,37%
Roupas - 37,84%
Aparelho de som - 38,00%
Computador - 38,00%
Fogão - 39,50%
Telefone Celular - 41,00%
Ventilador - 43,16%
Liquidificador - 43,64%
Batedeira - 43,64%
Ferro de Passar - 44,35%
Refrigerador - 47,06%
Microondas - 56,99%

QUEM FAZ OBRA TAMBÉM SE DANA COM OS IMPOSTOS

Fertilizantes - 27,07%
Tijolo - 34,23%
Telha - 34,47%
Móveis - 37,56%
Vaso sanitário - 44,11%
Tinta - 45,77%
Casa popular - 49,02%
Mensalidade Escolar 37,68% (ISS DE 5%)

ALÉM DESTES IMPOSTOS, VOCÊ PAGA
- DE 15% A 27,5% DO SEU SALÁRIO A TÍTULO DE IMPOSTO DE RENDA;
- PAGA O SEU PLANO DE SAÚDE,
- O COLÉGIO DOS SEUS FILHOS,
- IPVA,
- IPTU,
- INSS,
- FGTS
- ETC

Enfim, o Brasil precisa de uma reforma tributária? Claro que sim! Mas não adianta fazer "reforma" no atual modelo estatal. É necessária uma inédita Intervenção Constitucional, pelo Poder Instituinte do Cidadão, para uma reinvenção do Estado Brasileiro. A partir da mudança, aí sim, se pode pensar na instituição de um sistema de Imposto Justo - substituindo os 92 impostos, taxas e contribuições que pagamos atualmente... E ainda se pensa em instituir a CPMF (mais um imposto) em 2016.

Por isso, a luta contra a "impostura" é uma tática justa e perfeita para as batalhas de 2016... Feliz Ano Novo!

Poderosos paralelos


Numerologia das pedaladas


Malandragem básica


Colabore com o Alerta Total

Neste momento em que estruturamos mudanças para melhor no Alerta Total, que coincide com uma brutal crise econômica, reforçamos os pedidos de ajuda financeira para a sobrevivência e avanço do projeto.

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente conosco poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Dezembro de 2015.

O Futuro do Comércio


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A era moderna será A.I. (antes da internet) e D. I. (depois da internet).

Comprar vem de comparar. Obtém-se a propriedade pela aquisição.

A comparação era feita nos mercados, nas bancas dos comerciantes, à vista de todos os circunstantes.
notícia é de que o comércio eletrônico cresceu cerca de 25% neste Natal da crise.

Triunfará o portal que melhor souber descrever e apresentar com imagens as suas mercadorias.

Uma grande rede de supermercados tenta impor na marra os produtos com sua própria marca, tirando da gôndola as marcas de pequenos produtores.

Em breve os consumidores reagirão. Comprar pela internet o que realmente quer e não se submeter ao abuso, será uma realidade.

No momento a restrição é a ineficiência dos correios. As mercadorias não estão sujeitas ao monopólio postal e, assim, surgirão empresas de entrega a domicílio.

As lojas físicas são insubstituíveis na venda de roupa feminina. É preciso prová-las para ver se caem bem. Igualmente as de automóveis novos. O futuro comprador quer sentar dentro do veículo que considera adquirir.

Papelarias resistirão pela praticidade de se comprar vários itens num mesmo local físico. Talvez as farmácias também permaneçam.

As pequenas livrarias desaparecerão. As grandes redes talvez sobrevivam com lugar de lazer para adultos e crianças.

O setor de serviços é o que ocupará locais em locação.

Cabelereiros, lavanderias, pet shops, etc. continuarão nas ruas.

Os bancos se enforcarão na própria tripa. Hoje tentam dificultar o acesso de seus clientes aos caixas presenciais. Obrigá-los a pagar contas por internet ou em caixas eletrônicas é uma violência. Idosos têm que enfrentar várias filas (conta de luz, só nas lotéricas) e operar aparelhos com dificuldades de visão e/ou coordenação motora.

O objetivo dos bancos é obrigar os clientes a aderir ao débito automático, fonte de obtenção de informações valiosas para o negócio do BigData.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Que venham mais Moros!


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Esmeralda Fernandes

Embora meu marido já me tenha pedido para deixar de protestar pelos jornais e revistas, ao receber VEJA da semana passada, enviei a carta publicada na página em  comento para minha lista sobre um juiz paranaense .

Para os que aqui não moram, foi o JUIZ MORO quem enfrentou as hostes e hordas, descobrindo para o Mundo a simulada propaganda governamental que, desde 2002, vem ENGANANDO um povo,  desqualificado de instrução e sem condições de refletir sobre a própria espoliação, continuava a acreditar que "O MESSIAS - DEUS ME PERDOE A BLASFÊMIA - estava entre nós.

Demonstrando CORAGEM, resgatou também a imagem do JUDICIÁRIO, completando a obra magnífica de JOAQUIM BARBOSA no qual o povo de que faço parte já estava desacreditando.

Que venham mais MOROS. 
O Brasil merece.
O Brasil pensante e discernido agradece.


Esmeralda Fernandes é Professora aposentada.

Imprensa Livre


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão

Final de ano e se questiona muito sobre o papel da imprensa no Brasil, o quarto poder e seu desempenho perante a opinião pública e sociedade civil. De um modo geral, embora possa ser considerada livre, a imprensa não o é, já que a maioria depende de concessão, favores do governo e de publicidade nos seus periódicos para sobreviverem. As televisões e as rádios não fogem à regra e já é tarde a mudança do mecanismo de concessão, favorecendo políticos e amigos do rei ou da própria rainha, o que não se admite numa plena democracia.

O ano de 2015 caminhou para trás e agora a revista inglesa The Economist já adianta que teremos um desastre na economia brasileira em 2015. As notícias desencontras e o aparelhamento feito pelo Estado junto aos
diversos instrumentos de imprensa causam revolta, rebeldia e criam verdadeiras células que defendem seus próprios interesses e não da coletividade.

O governo é um transgressor primeiro da lei e sempre se acumplicia com órgãos da imprensa para que as notícias sejam brandas e não apareçam na dimensão que se exige. Não é crível que programas de televisão ainda permaneçam com concessões de meio século e nada seja alterado. Ao ligar a televisão, por espanto, e desconforto, mesmo na tv chamada a cabo o que olhamos são programas pseudo religiosos e o envolvimento de muitos com a enganação e o fator corrupção. A igreja no Brasil, inclusive a Católica, de acordo com dados levantados, fatura quase trezentos milhões por ano e esse valor fonte não passa sequer por qualquer tributação. Muitos ganham às custas da evangelização e mentiras que fraudam aos incautos e incultos.

E a nossa imprensa continua dividida. Uma parte apostando no quanto pior melhor e a outra, menos intensa e provocativa, no desaguar de uma forte crise deflagrada pelas esmolas do Estado e o descalabro das contas públicas. O nosso déficit aumenta em progressão geométrica e hoje supera 2,5 trilhões, e já está quase superando o pífio produto interno bruto e uma recessão a qual se reporta à crise da bolsa de valores do ano de 29 ou 73, como observa o sofrido contribuinte.

Aliás, no Brasil o cidadão é assim chamado por pagar e recolher impostos. Os Países que enfrentaram graves crises ousaram na redução dos tributos e
alívio para os empresários. No Brasil temos um governo que arrecada e é perdulário favorecendo ao sistema financeiro. Resultado disso a penúria da população e um endividamento que supera a casa de 60 bilhões de reais. Pudera: juros no cartão de crédito chegam a 500% ano e no cheque especial 400% ano, nenhum país, mesmo o Butão, seria capaz de esfolar tanto o consumidor em troca de empréstimos por valores de juros absurdos e astronômicos.

A deformação do Estado Brasileiro gera uma multisequencial crise e nossas autoridades sequer enxergam o País como deveriam. No ano de 2016 pelo menos uma eleição marcada para prefeitos, e as prefeituras estão sucateadas, com problemas de repasse da UNIÃO E DOS ESTADOS. Nada obstante vemos uma arraigada disputa principalmente nas capitais, sinal que o negócio compensa. Começam agora a sangrar ao servidor retirando-lhe benefícios, reajustes, licença prêmio, e tudo mais, ou seja, tudo se transforma em castigo,em linhas gerais, pagamos tudo e nossos políticos surrupiam de uma vez o suor da população desavergonhada e despudoradamente.

A imprensa silencia, fica calada, não denuncia e fica sempre em sintonia com o poder. O fisiologismo que a nutre causa espécie e desaloja
o cidadão de bem de assistir qualquer programação. Infestados pela peste do desgoverno, corroídos pela corrupção, destruídos pelo vírus da Zika, o que pode o cidadão aguardar para 2016? Nada deve esperar, apenas uma luta sem tréguas e incessante para a mudança desse quadro tenebroso e sombrio, no qual a inflação mata poder aquisitivo e muitas empresas vão fechando, inclusive estrangeiras, ao fundamento de que as condições econômicas adversas são perversas ao modelo estrutural da globalização.

O primeiro trimestre será decisivo em todos os sentidos, desde o impedimento presidencial, passando pelas votações do parlamento e as alianças que serão desenhadas. Contudo, temos que ficar de olho na imprensa e exigir uma mudança na concessão de canais de tv, radio e quaisquer serviços delegados, pois que esses empresários não visam ao bem comum, mas manter status quo e aumentar seus lucros e ganhos com a ignorância ampla, geral e irrestrita da população.

Sem uma imprensa verdadeiramente livre e séria, que trabalhe com transparência e a visão do bem comum a reconstrução da democracia brasileira passa por sérios e graves problemas que solapam o funcionamento das próprias instituições. Que acordemos em 2016 do pesadelo que imperou todo ano de 2015 e tenhamos coragem de não só pedir mudanças, porém de concretizá-las por meio de pressão e gritos de indignação, com ou sem a imprensa.


Carlos Henrique Abrão, Doutor em Direito pela USP com Especialização em Paris, é Desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Discurso de Steve Jobs na Universidade de Stanford


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S Azambuja

É histórico o discurso de Steven Paul Jobs (São FranciscoCalifórnia24 de fevereiro de 1955 — Palo Alto, Califórnia, 5 de outubro de 2011)

Tenha coragem de seguir o que seu coração e sua intuição dizem. Eles já sabem o que você realmente deseja. Todo resto é secundário.

Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo - expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar - caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração.

Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.

Foi péssimo o gosto do remédio, mas o paciente precisava disso. Algumas vezes a vida pode te atingir na cabeça com um tijolo. Não perca a fé. Me convenci que a única coisa que me fez seguir em frente é que eu amava o que fazia. Você tem que achar o que ama. E isso é tão verdade para o trabalho, quanto é para as pessoas que ama. Seu trabalho vai preencher boa parte da sua vida. E é a única maneira de ser verdadeiramente satisfeito. É fazer o que acredita ser um ótimo trabalho, e a única maneira de fazer um ótimo trabalho, é amar o que você faz. Se você não achou isso ainda, continue procurando, e não desista.

Como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. (...) 
Não desista.

Não desista.

Você tem que encontrar o que você ama. Estou honrado de estar aqui, na formatura de uma das melhores universidades do mundo. Eu nunca me formei na universidade. Que a verdade seja dita, isso é o mais perto que eu já cheguei de uma cerimônia de formatura. Hoje, eu gostaria de contar a vocês três histórias da minha vida. E é isso. Nada demais. Apenas três histórias.

A primeira história é sobre ligar os pontos.

Eu abandonei o Reed College depois de seis meses, mas fiquei enrolando por mais 18 meses antes de realmente abandonar a escola. E por que eu a abandonei? Tudo começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era uma jovem universitária solteira que decidiu me dar para a adoção. Ela queria muito que eu fosse adotado por pessoas com curso superior. Tudo estava armado para que eu fosse adotado no nascimento por um advogado e sua esposa. Mas, quando eu apareci, eles decidiram que queriam mesmo uma menina.

Então meus pais, que estavam em uma lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite com uma pergunta: "Apareceu um garoto. Vocês o querem?" Eles disseram: "É claro."

Minha mãe biológica descobriu mais tarde que a minha mãe nunca tinha se formado na faculdade e que o meu pai nunca tinha completado o ensino médio. Ela se recusou a assinar os papéis da adoção. Ela só aceitou meses mais tarde quando os meus pais prometeram que algum dia eu iria para a faculdade. E, 17 anos mais tarde, eu fui para a faculdade. Mas, inocentemente escolhi uma faculdade que era quase tão cara quanto Stanford. E todas as economias dos meus pais, que eram da classe trabalhadora, estavam sendo usados para pagar as mensalidades. Depois de seis meses, eu não podia ver valor naquilo.

Eu não tinha idéia do que queria fazer na minha vida e menos idéia ainda de como a universidade poderia me ajudar naquela escolha. E lá estava eu, gastando todo o dinheiro que meus pais tinham juntado durante toda a vida. E então decidi largar e acreditar que tudo ficaria ok.

Foi muito assustador naquela época, mas olhando para trás foi uma das melhores decisões que já fiz. No minuto em que larguei, eu pude parar de assistir às matérias obrigatórias que não me interessavam e comecei a freqüentar aquelas que pareciam interessantes. 
Não foi tudo assim romântico. Eu não tinha um quarto no dormitório e por isso eu dormia no chão do quarto de amigos. Eu recolhia garrafas de Coca-Cola para ganhar 5 centavos, com os quais eu comprava comida. Eu andava 11 quilômetros pela cidade todo domingo à noite para ter uma boa refeição no templo hare-krishna. Eu amava aquilo.

Muito do que descobri naquela época, guiado pela minha curiosidade e intuição, mostrou-se mais tarde ser de uma importância sem preço. Vou dar um exemplo: o Reed College oferecia naquela época a melhor formação de caligrafia do país. Em todo o campus, cada poster e cada etiqueta de gaveta eram escritas com uma bela letra de mão. Como eu tinha largado o curso e não precisava freqüentar as aulas normais, decidi assistir as aulas de caligrafia. Aprendi sobre fontes com serifa e sem serifa, sobre variar a quantidade de espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que torna uma tipografia boa. Aquilo era bonito, histórico e artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não pode entender. E eu achei aquilo tudo fascinante.

Nada daquilo tinha qualquer aplicação prática para a minha vida. Mas 10 anos mais tarde, quando estávamos criando o primeiro computador Macintosh, tudo voltou. E nós colocamos tudo aquilo no Mac. Foi o primeiro computador com tipografia bonita. Se eu nunca tivesse deixado aquele curso na faculdade, o Mac nunca teria tido as fontes múltiplas ou proporcionalmente espaçadas. E considerando que o Windows simplesmente copiou o Mac, é bem provável que nenhum computador as tivesse.

Se eu nunca tivesse largado o curso, nunca teria freqüentado essas aulas de caligrafia e os computadores poderiam não ter a maravilhosa caligrafia que eles têm. É claro que era impossível conectar esses fatos olhando para frente quando eu estava na faculdade. Mas aquilo ficou muito, muito claro olhando para trás 10 anos depois.

De novo, você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só os conecta quando olha para trás. Então tem que acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem que acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, karma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim.

Minha segunda história é sobre amor e perda.
Eu tive sorte porque descobri bem cedo o que queria fazer na minha vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Trabalhamos duro e, em 10 anos, a Apple se transformou em uma empresa de 2 bilhões de dólares e mais de 4 mil empregados. Um ano antes, tínhamos acabado de lançar nossa maior criação — o Macintosh — e eu tinha 30 anos.

E aí fui demitido. Como é possível ser demitido da empresa que você criou? Bem, quando a Apple cresceu, contratamos alguém para dirigir a companhia. No primeiro ano, tudo deu certo, mas com o tempo nossas visões de futuro começaram a divergir. Quando isso aconteceu, o conselho de diretores ficou do lado dele. O que tinha sido o foco de toda a minha vida adulta tinha ido embora e isso foi devastador. Fiquei sem saber o que fazer por alguns meses.

Senti que tinha decepcionado a geração anterior de empreendedores. Que tinha deixado cair o bastão no momento em que ele estava sendo passado para mim. Eu encontrei David Peckard e Bob Noyce e tentei me desculpar por ter estragado tudo daquela maneira. Foi um fracasso público e eu até mesmo pensei em deixar o Vale do Silício.

Mas, lentamente, eu comecei a me dar conta de que eu ainda amava o que fazia. Foi quando decidi começar de novo. Não enxerguei isso na época, mas ser demitido da Apple foi a melhor coisa que podia ter acontecido para mim. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser de novo um iniciante, com menos certezas sobre tudo. Isso me deu liberdade para começar um dos períodos mais criativos da minha vida. Durante os cinco anos seguintes, criei uma companhia chamada NeXT, outra companhia chamada Pixar e me apaixonei por uma mulher maravilhosa que se tornou minha esposa.

A Pixar fez o primeiro filme animado por computador, Toy Story, e é o estúdio de animação mais bem sucedido do mundo. Em uma inacreditável guinada de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu voltei para a empresa e a tecnologia que desenvolvemos nela está no coração do atual renascimento da Apple.

E Lorene e eu temos uma família maravilhosa. Tenho certeza de que nada disso teria acontecido se eu não tivesse sido demitido da Apple.
Foi um remédio horrível, mas eu entendo que o paciente precisava. Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama.

Seu trabalho vai preencher uma parte grande da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz.

Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. E, como em qualquer grande relacionamento, só fica melhor e melhor à medida que os anos passam. Então continue procurando até você achar. Não sossegue.

Minha terceira história é sobre morte.

Quando eu tinha 17 anos, li uma frase que era algo assim: "Se você viver cada dia como se fosse o último, um dia ele realmente será o último." Aquilo me impressionou, e desde então, nos últimos 33 anos, eu olho para mim mesmo no espelho toda manhã e pergunto: "Se hoje fosse o meu último dia, eu gostaria de fazer o que farei hoje?" E se a resposta é "não" por muitos dias seguidos, sei que preciso mudar alguma coisa. Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo — expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar — caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração.

Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.

Há um ano, eu fui diagnosticado com câncer. Era 7h30 da manhã e eu tinha uma imagem que mostrava claramente um tumor no pâncreas. Eu nem sabia o que era um pâncreas.

Os médicos me disseram que aquilo era certamente um tipo de câncer incurável, e que eu não deveria esperar viver mais de três a seis semanas. Meu médico me aconselhou a ir para casa e arrumar minhas coisas - que é o código dos médicos para "preparar para morrer". Significa tentar dizer às suas crianças em alguns meses tudo aquilo que você pensou ter os próximos 10 anos para dizer. Significa dizer seu adeus.

Eu vivi com aquele diagnóstico o dia inteiro. Depois, à tarde, eu fiz uma biópsia, em que eles enfiaram um endoscópio pela minha garganta abaixo, através do meu estômago e pelos intestinos. Colocaram uma agulha no meu pâncreas e tiraram algumas células do tumor. Eu estava sedado, mas minha mulher, que estava lá, contou que quando os médicos viram as células em um microscópio, começaram a chorar. Era uma forma muito rara de câncer pancreático que podia ser curada com cirurgia. Eu operei e estou bem.

Isso foi o mais perto que eu estive de encarar a morte e eu espero que seja o mais perto que vou ficar pelas próximas décadas. Tendo passado por isso, posso agora dizer a vocês, com um pouco mais de certeza do que quando a morte era um conceito apenas abstrato: ninguém quer morrer. Até mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá.

Ainda assim, a morte é o destino que todos nós compartilhamos. Ninguém nunca conseguiu escapar. E assim é como deve ser, porque a morte é muito provavelmente a principal invenção da vida. É o agente de mudança da vida. Ela limpa o velho para abrir caminho para o novo. Nesse momento, o novo é você. Mas algum dia, não muito distante, você gradualmente se tornará um velho e será varrido. Desculpa ser tão dramático, mas isso é a verdade.

O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém.

Não fique preso pelos dogmas, que é viver com os resultados da vida de outras pessoas.

Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior.

E o mais importante: tenha coragem de seguir o seu próprio coração e a sua intuição. Eles de alguma maneira já sabem o que você realmente quer se tornar. Todo o resto é secundário.

Quando eu era pequeno, uma das bíblias da minha geração era o Whole Earth Catalog. Foi criado por um sujeito chamado Stewart Brand em Menlo Park, não muito longe daqui. Ele o trouxe à vida com seu toque poético. Isso foi no final dos anos 60, antes dos computadores e dos programas de paginação. Então tudo era feito com máquinas de escrever, tesouras e câmeras Polaroid.

Era como o Google em forma de livro, 35 anos antes de o Google aparecer. Era idealista e cheio de boas ferramentas e noções. Stewart e sua equipe publicaram várias edições de Whole Earth Catalog e, quando ele já tinha cumprido sua missão, eles lançaram uma edição final. Isso foi em meados de 70 e eu tinha a idade de vocês.

Na contracapa havia uma fotografia de uma estrada de interior ensolarada, daquele tipo onde você poderia se achar pedindo carona se fosse aventureiro. Abaixo, estavam as palavras: "Continue com fome, continue bobo."

Foi a mensagem de despedida deles. Continue com fome. Continue bobo. E eu sempre desejei isso para mim mesmo. E agora, quando vocês se formam e começam de novo, eu desejo isso para vocês. Continuem com fome. Continuem bobos.


Carlos Ilich Santos Azambuja é Historiador.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Jaques Wagner fala como Presidente-paralelo e culpa Dilma por falhas que causam o desastre econômico


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Ao decretar o aumento do salário mínimo para R$ 880, a partir de 1º de janeiro de 2016, Dilma Rousseff tem a pretensão de aquecer a economia e, sobretudo, fazer média com o eleitorado mais pobre, no desespero para esfriar a onda do impeachment e reduzir seus elevados índices de impopularidade. Complicadíssimo será a Presidenta explicar como sua incompetência conseguiu sextuplicar o rombo nas contas públicas - que chega a R$ 549 bilhões ou 10,2% do Produto Interno Bruto (tudo que a economia produz) Só a dívida interna chegará a 70,7% do PIB em 2016.

Só os 11,67% de reajuste no salário mínimo vai custar R$ 30,2 bilhões para as contas de um desgoverno que opera no vermelho (na ideologia e no caixa do tesouro). Diante de contas que não fecham, o Ministério do Planejamento foi forçado a antecipar que tem R$ 27,3 bilhões já estão previstos no Orçamento de 2016. Mas o restante de R$ 2,9 bilhões não estão na peça orçamentária. Logo, o rombo será mais um argumento canalha para criação do 93º imposto, a CPMF.

O rombo no setor público impacta negativamente a atividade econômica. O Estado (mau gastador) só encontra uma "saída" para cobrir a situação deficitária: aumentar a carga tributária, que já é violentíssima, e botar suas "gestapos" fiscais para detonar os contribuintes (pessoas físicas e empresas) que estejam em dívida com a Receita Federal. Um 2016 com desequilíbrio nas contas públicas é um péssimo presságio para o futuro imediato de Dilma - na corda bamba. O empresariado não aguenta mais ser extorquido pela máquina estatal. O cidadão comum já entende o processo de roubalheira e começa a se rebelar.

Foram ridículos os argumentos usados ontem pelo presidente-paralelo do Brasil, homem de confiança do Presidentro Lula, o baiano Jaques Wagner. O Ministro da Casa Civil, de forma patética, admitiu que parte dos problemas econômicos enfrentados pelo país foi provocada por medidas adotadas no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. Praticamente, Wagner assinou um atestado de incompetência de Dilma e do ex-ministro da Fazenda dela, Guido Mantega, que coincidentemente também presidiu o Conselho de Administração da Petrobras, sucedendo a Dilma.

Jaques Wagner sentenciou: "Nós (governo) perdemos receitas, além de erros que foram cometidos em 2013, 2014, como desoneração (tributária) exagerada, programas de financiamento que foram feitos num volume muito maior do que a gente aguentava e que, portanto, quando a gente abriu a porta de 2015, você estava com uma situação fiscal... Por isso que o ano foi tão duro".

Wagner quase cometeu um sincericídio: "Tem muita gente refletindo, mas sem maluquice, sem porralouquice de vou gastar. Não posso fazer um negócio de matar de fome todo mundo. Eu acredito que estamos buscando esse ponto de equilíbrio, da rota de retomada do desenvolvimento. Não vai ser um desenvolvimento de crescer muito, mas de voltar a crescer, para ter expectativa, confiança de empresários e trabalhadores. É tentar retomar esse ambiente. Não é simples, não vou vender facilidade, mas estamos trabalhando para isso".

Por fim, Jaques Wagner falou, direitinho, como um Presidente-parelalo, como se a Dilma fosse apenas um detalhe no meio do caos, para tentar tirar o dele da reta: "Não vou ficar me enganando. Tenho consciência de que participo de um governo que não está num bom momento de popularidade. Sei das dificuldades, em consequência da economia, da gestão da política, por que passa o governo. Mas impopularidade não é crime, é problema, é defeito. É algo que pode ser sanado se você tomar as medidas, melhorar a economia e a gestão da política".

Brizolista essencial

A brizolista histórica Dilma Rousseff cumpriu uma missão histórica com seu amado líder.

Decretou que seja inscrito no Livro dos Heróis da Pátria, que se encontra no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília, Distrito Federal, o nome de Leonel de Moura Brizola:

"A distinção será prestada mediante a edição de lei, decorridos 10 (dez) anos da morte ou da presunção de morte do homenageado".

Vale o que for escrito

Dilma publica nesta quinta-feira um artigo de fim de ano na Folha de S. Paulo - veículo ainda com verniz de esquerda.

Resolveu não fazer o tradicional pronunciamento de fim de ano, em rede nacional de rádio e televisão.

Certamente, porque constatou que é melhor ficar caladinha, se fingindo de morta, para ver como sobreviverá, politicamente, às tormentas econômicas de 2016.

Vai dar protesto?

Será que a massa sairá às ruas para protestar contra o novo aumento de tarifas de ônibus, trens e Metrô em São Paulo?

O alcaide petista Fernando "Radard" (o Multador e Pai do Trânsito Lento em São Paulo) conseguiu combinar com o governador tucano Geraldo Alckmin, e demais prefeitos da região metropolitana, que o aumento dos preços nos transportes ocorresse ao mesmo tempo, para diluir o desgaste político.

Em 2013, quando os governos tentaram subir a passagem para R$ 3,20, o movimento do passe livre encheu as ruas de manifestantes.

Será que o mesmo acontecerá a partir de 9 de janeiro, quando as tarifas sobem de R$ 3,50 para R$ 3,80 - reajuste de 8,6% (abaixo do IPCA de 10,72%)?

Quem paga?


Moratoriando que se recebe


Proteção?


Cardozando


Colabore com o Alerta Total

Neste momento em que estruturamos mudanças para melhor no Alerta Total, que coincide com uma brutal crise econômica, reforçamos os pedidos de ajuda financeira para a sobrevivência e avanço do projeto.

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente conosco poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Dezembro de 2015.