sábado, 23 de janeiro de 2016

Dilmamente: não tem como tranquilizar o Brasil


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Enquanto Lula da Silva continua jurando aos blogueiros amestrados e à Polícia Federal que nunca sabe de nada sobre coisas criminosas que acontecem à sua volta ou no entorno de amigos e aliados, no momento em que corre de risco de ser enquadrado por crime de lavagem de dinheiro com o famoso apartamento triplex do Guarujá (que ele também nega ser dele), a Presidenta Dilma Rousseff volta a dar provas de que continua mais perdida que freira em prostíbulo, completamente sem noção da realidade de crise estrutural que a cerca. Dilma aproveitou ontem um encontro do PDT (partido do coração dela, que lançará Ciro Gomes à Presidência em 2018), para fazer uma promessa politicamente impossível, em longa fala reproduzida pelo Jornal Nacional da Rede Globo, que às vezes mais parece o "diário oficial" do governo (qualquer que seja).

Com a voz rouca, indicando tensão e desgaste, Dilma proclamou: "Eu fiquei recentemente estarrecida com uma frase que eu li no relatório do Fundo Monetário Internacional. Ele diz que três fatores são muito, muito relevantes no atual cenário e explicam as dificuldades que o mundo enfrenta. Primeiro é a diminuição do crescimento da China, o segundo é a instabilidade no Oriente Médio. E o terceiro era a continuidade da situação crítica no Brasil. O primeiro fator que ele atribuía era a instabilidade política. A duração da instabilidade política. E o segundo fator que ele atribuía era o fato das investigações contra a Petrobras terem um prazo de duração maior e mais profundo do que eles esperavam. Por que que eu estou falando isso pra vocês? Porque eu tenho certeza que nós vamos estabilizar politicamente o país. Nós vamos assegurar ao país a tranquilidade pra voltar a crescer”.

Fala sério, Dilma, você é uma mera refém! Uma brizolista no cativeiro da petelândia! Tudo mal que tentar enganar o povão faz parte do receituário oficial de qualquer governante incompetente. Só não dá para enganar a si mesma, prezada discípula de Leonel Brizola, que deve estar dando 13 voltas, todo dia, no túmulo, por causa de você. A tal "tranquilidade" que a Presidenta promete está longe de se tornar real e viável com a sequência prevista do samba-da-economista-doida programada para os próximos meses. A recente confusão gerada pela submissão do presidente do Banco Central do Brasil ao Bando Central do Brasil escancarou que é uma questão em aberto o curso da política monetária no Brasil. Dilma tende a seguir com seu falido discurso nacional-desenvolvimentista, enquanto nem chega perto de mexer na gastança sem limites ou controles da máquina estatal Capimunista Rentista Corrupta - a causa real de todas as crises na economia combalida e subdesenvolvida do Brasil.

Não adiantam palavras bonitas reproduzidas pela Rede Globo para tentar manter o ânimo do setor produtivo, em época de recessão. O mercado não avalia que venha coisa boa no dia 28 de janeiro, data da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o Conselhão. Dilma deve encerrar o "encontrão", que começa às 14h 30min, no Palácio do Planalto. Dilma implora que os convidados apresentem propostas estratégicas para enfrentar a crise. O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, ameaça divulgar duas ideias mágicas. Usar os bancos públicos para abrir linhas de crédito para a construção civil e pequenas/médias empresas (o que soa como deboche inviável com os juros altíssimos) e liberar o uso da grana do FGTS como garantia para os empréstimos supostamente produtivos (na verdade focados em viabilizar algum consumo que alivie a pressão política do comércio e da indústria contra o desgoverno).

Em contraponto a mais uma mentira e promessa irrealizável de Dilma, vale analisar o conteúdo de uma recente entrevista à revista Época do professor de Harvard Roberto Mangabeira Unger. Ex-ministro de Assuntos Estratégicos de Dilma Rousseff e um ideólogo e idealista filiado ao PDT, prontinho para embarcar em mais uma aventura presidencial do amigo Ciro Gomes, Mangabeira decreta o esgotamento do ciclo "nacional-consumista" lançado na Era Luiz Inácio Lula da Silva e mete o pau no rentismo e no fiscalismo financista:

"Estamos vindo de um período histórico em que as bases de desenvolvimento do Brasil foram a popularização do consumo de um lado – uma espécie de nacional-¬consumismo – e a produção e exportação de commodities, de produtos primários pouco transformados, de outro lado.  A agropecuária e a mineração pagaram a conta do consumo. Nesse período do nacional-consumismo, construímos no Brasil uma espécie de condomínio de rentismos. A massa pobre embaixo recebe o dinheiro das transferências sociais – essas, sim, justificadas, porque resgatam as pessoas da pobreza extrema. No meio, as corporações da classe média recebem suas prebendas. Em cima, os ricaços são beneficiários dos juros da dívida pública e do crédito subsidiado dos bancos públicos. E todo mundo fica satisfeito, aplacado, cooptado. As circunstâncias do mundo viraram e inviabilizaram a continuação desse modelo. Nós precisamos agora de outra estratégia".

Mangabeira Unger indica um caminho estratégico político-econômico, a partir da crítica:

"Essa lógica de cooptação, paga pela riqueza natural, mata o país e não faz o essencial, que é providenciar instrumentos para o dinamismo brasileiro. Agora, precisamos de uma lógica de empoderamento. O grande atributo do nosso país é sua extraordinária resiliência, uma vitalidade assombrosa. E nossa tragédia histórica é negar instrumentos à maioria dos brasileiros para transformar essa vitalidade em ação construtiva. Qual é o ator mais importante no Brasil hoje? É uma pequena burguesia empreendedora mestiça que está surgindo no Brasil profundo. Andei o país todo, Estado por Estado, e essa pequena burguesia empreendedora, que nós chamamos de emergentes, é apenas a linha de frente. Atrás dela, vem uma multidão de trabalhadores ainda pobres, porém já convertidos a uma cultura de autoajuda e iniciativa. Chamamos de batalhadores, porque são pessoas que trabalham dia e noite. Às vezes, têm dois ou três empregos. Não acreditam em política e em partidos políticos, não têm instrumento político. Mas eles, os emergentes, já estão no comando do imaginário popular e são a vanguarda do povo brasileiro. O projeto que eu estou defendendo é um projeto para eles, baseado em oportunidades econômicas e capacitações educacionais e que não pode ser operado dentro dos limites de nosso nacional-consumismo. Exige algo diferente: a democratização do lado da oferta, e não apenas da demanda. Uma grande diferença entre democratizar a oferta e democratizar a demanda é que a democratização da demanda se pode fazer só com dinheiro, enquanto a democratização da oferta exige reorganização, inovação institucional".

Mangabeira indica qual seria o contraponto correto ao mero rentismo:

"O objetivo não é ganhar a confiança financeira, submeter a definição de nosso rumo aos interesses e aos preconceitos do rentismo financeiro. O objetivo é o oposto. O objetivo é assegurar que o governo e o país não dependam da confiança financeira para avançar. E a realização desse objetivo é mais importante que a gastança pública como meio de recuperar a economia, esse keynesianismo vulgar que praticamos no Brasil. O segundo princípio é que o realismo fiscal não se pode efetivar apenas focando os 10% do Orçamento que são gastos discricionários. Esse é o debate que temos tido no Brasil. Aí não há ajuste. O ajuste só pode ser realizado se tratarmos dos mais de 90% do Orçamento do Estado que são gastos obrigatórios".

Mangabeira Unger chama a atenção sobre como se deve resolver o problema fiscal do Estado, ainda que não esponha, claramente, como deveria ocorrer a reforma do sistema atual de 92 tributos, taxas e contribuições (sem contar a CPMF que Dilma deseja criar):

"A repactuação do condomínio de rentismos implica sacrifício para o país. Mas o sacrifício só será legitimado e, portanto, só será aceito e executado se ele for visto como a contraparte de um projeto de democratização de oportunidades. O país não aceitará o sacrifício em troca de nada, só porque é do agrado dos bancos ou do rentismo financeiro disciplinar fiscalmente o Estado. O acerto fiscal tem de ser entendido no bojo de um projeto maior, que interesse à maioria. Na falta disso, esse acerto fiscal necessário será desmoralizado e diminuído como de fato vem acontecendo".

Por fim, Mangabeira Unger decreta o esgotamento total do modelo implantado pelo PSDB e seguido pelo PT, na base da radicalização da incompetência de gestão e da roubalheira sem limites:

"A tendência toda do PT e do ex-presidente Lula (incluindo o PSDB) é, no máximo, buscar o meio-termo. Um ajuste que não implique uma descontinuidade da trajetória que seguiram até agora. Não me parece que eles estejam convencidos da necessidade de passar de maneira decisiva da distribuição de recursos para a distribuição de oportunidades".

Por fim, outras reflexões importantes do Mangabeira Unger merecem reflexão:

"Vejo que a causa produtivista, os interesses do trabalho e da produção, e os emergentes como sua base social mais importante estão há muito tempo órfãos de um agente político. A crise múltipla que vivemos é uma oportunidade extraordinária para o avanço de uma alternativa. O Brasil precisa de outro rumo".

Eis o nosso maior problema brasileiro, que muito atrapalha o essencial do que propõe o professor Mangabeira: a dificuldade em definir os rumos para o País de forma aberta, livre e democrática, com base na segurança do Direito, o império da lei, através do pleno exercício do debate exaustivo, levando mais em conta a razão republicana e o interesse público, em vez de simplesmente ficar refém da mera torcida ideológica.

A insatisfação é gigantesca e generalizada. Quase todos, exceto os que mamam na teta estatal, querem mudanças. O defeito é que, em raras situações, se consegue identificar, propor e priorizar o que precisa ser mudado. Na maioria dos casos, em vez de gerar propostas orgânicas, nas redes sociais, gera muito mais bate-boca, radicalismos infantis, preconceitos absurdos e extremismos que beiram o fascismo escroto - que só contribuem para deixar a situação mais desorganizada e violenta do que está (ou sempre esteve) na ditadura Capimunista Rentista Corrupta do Brasil.

Releia o artigo: Falidos e Viciados no Brasil Capimunista


Inocência refutada

O Historiador Carlos I. S. Azambuja refuta a recente declaração de Dilma Rousseff: "Nunca tive acusação sobre uso indevido de dinheiro público"...

Azamba detona a Dilminha, escancarando o passado dela na luta armada para implantar o comunismo no Brasil:

"Mentira, Dilma! Quando militante da VAR-PALMARES você esteve na Casa de Câmbio que até hoje funciona no térreo do Hotel Copacabana Palace trocando dólares roubados do Cofre do Ademar. Esse era dinheiro público, pois fora roubado da administração de São Paulo pelo então governador Ademar de Barros".

Subidinhas inflacionárias


Direito e Justiça em Foco

Ana Paula Silva Bueno é a convidada do desembargador Laércio Laurelli no programa "Direito e Justiça em Foco", no domingo, às 22 horas, na rede Gospel


Dilma e Lula fora da jogada


Apertamento de Lula


É coisa nossa?


Devolvendo...


Caridade milionária


Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Janeiro de 2016.

6 comentários:

ARS disse...

A omissão da verdade não foi atrás desse crime cometido contra os cofres públicos, tanto pelo adhemar como pelos terroristas que o assaltaram. Para esses casos, a lei de anistia vale...

Anônimo disse...

Dr Eneas o melhor presidente que o Brasil não teve


Mostrou quem assinou o Pacto de Princeton

Lula, FHC e Ciro Gomes a opção do PDT, ou seja dificilmente alguem vai ser presidente do Brasil alem destes três ou quem eles Indicar Vejam:
https://www.youtube.com/watch?v=HgM0Mu0cV88

Só com uma revolução do cidadão de bem podemos mudar este Cenario

Chico trevas

Maria Klyw disse...

"Perplexa", "Estarrecida"! Uai, sô, a "mulé" tá começando a aprender algumas palavras "dificiu"! Cruzes! Só que suas mentiras não colam mais! Acabou, Dilma! Acabou, Lula! Acabou, PT e corja!

Martim Berto Fuchs disse...

Pela primeira leio alguma coisa escrita ou falada pelo Mangabeira, que se aproveite. Beleza. Agora diz prá “nóis”, como você acha que deve ser conseguido, qual o caminho, qual a maneira, qual o projeto para ser posto em prática e se alcançar isto que você sugere ? Você sabe ? Duvido.
E, você realmente espera que o que sobrou dos Grupo dos 11 do Brizola, Lupi, Manoel Dias, a parentela do próprio, ou do Jango, a Dilma, o Ciro Gomes, você realmente espera que essa patota de parasitas dê conta do recado ?
Admiro seu censo de humor, mas não estou com vontade de rir. Não é o momento. Achei que estávamos tratando de coisa séria.

Anônimo disse...

Senhor Serrão: Tem um finalzinho de frase ai no editorial do "Alerta" que por si só já justificaria uma nota "10": o "JORNAL NACIONAL DA REDE GLOBO,QUE À VEZES MAIS PARECE O 'DIÁRIO OFICIAL' DO GOVERNO (QUALQUER QUE SEJA) ". Isso é profundamente verdadeiro. Quem melhor conta essa história é Pedrinho Guareschi,no livro "Comunicação e Poder",onde ele mostra como nasceu a Rede Globo,sob os auspícios do Regime Militar implantado em 1964,e que em agradecimento e por várias outras vantagens,manteve aquele regime durante muito tempo. Mas o Regime Militar esgotou-se após algum tempo e a Globo colocou Collor na presidência,demitindo-o em seguida por "mal-comportado",com um impeachment. Continuou sua trajetória de colocar presidentes até agora,nos últimos 12 anos de PT. Mas ela joga sempre dos dois lados,fazendo de conta que é oposição em um deles. Além do mais,a Globo é um grupo meramente "comercial",vendendo seus serviços a quem melhor lhe pagar. E a gente bem sabe de que lado hoje o dinheiro está e por isso quem pode pagar. Brizola (agora "herói nacional")não era grande coisa,mas sempre denunciou essa situação,por isso a Globo foi o seu "carrasco" e nunca permitiu que ele ganhasse a presidência nas vezes em que concorreu.Sérgio A.Oliveira.

Anônimo disse...

*"As cozinhas dos palácios Tiradentes e da Liberdade, ambos gabinetes do governo estadual, e Mangabeiras, residência oficial do governador Fernando Pimentel (PT), receberão 75 quilos do queijo grana padano, de origem italiana (R$ 193 o quilo), 40 quilos de filé de lagosta (R$ 197 o quilo) e 140 quilos de carré de cordeiro, proveniente do Uruguai (R$ 150 o quilo), entre outros produtos, ao total de apenas R$ 718.000,00".
Os comunistas, além de muito vaidosos e soberbos como são os esquerdinhas-caviar, apreciam eles sentados nos tronos, como reina em Cuba a dinastia de El Rey Fidel Castro e sua Corte e os resto que não associado ao partido, vivendo nas sarjetas, pouco importa; fodam-se, vão pros raios que os partam!
Não estão sempre sorridentes? Claro: esses golpistas vivem de fazer farra com dinheiro alheio e à vontade, isso é mole - só se alimentam de iguarias ou só frequentam hoteis e restaurantes 5 estrelas!
As consciencias dos comunistas se nivelam com as das mesmas das hienas!
A hora desses pilantras ainda chegará!
*Do aluizioamorim