terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

A sedução do Mal


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arnaldo Jabor

O povo brasileiro está aparvalhado diante da gigantesca roubalheira no país. Mas, para além do escândalo da opinião pública, precisamos entender por que nossos políticos ladrões são tão vorazes e boçais. Como se formaram, em que escola de picaretagens estudaram, o que os move com tanta gula assaltando a Petrobras e fundos de pensão, roubando merendas escolares e remédios contra o câncer? Por que tanta sordidez? Há muitas razões socioeconômicas para explicar sua formação, sua evolução, mas há neles a prevalência da volúpia do Mal. A sedução do Mal.

Sinto nesses parlamentares o prazer de ir contra o senso comum, contra o que a maioria pensa. Há uma ética sádica, de contrariar a população, de proteger uma obscuridade secreta, de defender o direito ao roubo, o direito à mentira como um bem precioso, um direito natural. Eles mentem com gargalhadas cínicas ou arranjam razões que os explicam: se vingam e roubam por uma infância humilhante, com mães lavadeiras ou prostitutas que trabalharam duro para eles subirem na vida.

Eles se banham na beleza de um “baixo maquiavelismo”, na lábia dos conchavos e atribuem uma destreza de esgrima às chantagens e manipulações. “Esperteza” é um elogio muito mais doce do que “dignidade”. Eles curtem o “frisson” de se sentirem superiores aos medíocres honestos que se sentem “dignos”; eles acham que a mentira é um dom de seres superiores e a honestidade, uma fraqueza de servos.

A resistência espantosa de Eduardo Cunha em enfrentar o óbvio de queixo erguido se explica como um “bastião quase heroico” em defesa do personalismo colonial mais sujo. Cunha retrata em nível violento e quase épico as práticas tradicionais que eram mais matreiras, cheias de vaselina, comandadas por homens como o Sarney e seus seguidores das hostes oligárquicas que desejam a continuidade do atraso brasileiro, para manter nossa paralisia no pântano colonial.

Eles sabem, como ninguém, como é doce uma quadrilha, como é bela a confiança no fio do bigode, o trânsito cordial entre a lei e o crime. Eles se refazem como rabo de lagarto; vejam Renan, Collor, Roriz, Lobões, Maluf. São hábeis em criar um labirinto de “falsas verdades”, formando uma rede de desmentidos, protelações que desqualificam investigações. Por isso, descobrir a verdade hoje em dia é simples: a verdade está sempre no avesso do que eles negam.

A estupidez lhes fornece uma estranha forma de inteligência, uma rara esperteza para golpes sujos e sacos puxados. Eles foram fabricados entre angus e feijoadas do interior, em pequenos furtos municipais, em conluios perdidos nas veredas dos grandes sertões. Vivem de sobras de campanha, de canjica de aniversários e água benta de batismos. E comemoram o maná que lhes caiu do céu: a milagrosa multiplicação de propinas em todos os entes do Estado. A tempestade de gorjetas que o lulopetismo nos doou.

Para eles, “interesse nacional” não existe. Quase todos vieram para lucrar; se não, qual a vantagem da política? Eles têm um tempo diferente do nosso. Eles são contra qualquer urgência, emergência, pois isso os faria servidores da sociedade, tudo que eles não querem ser. Para eles a sociedade é muito apressadinha, por isso come cru. Detestam “governar”. Não é apenas preguiça — é por amor ao fixo, ao eterno.

É doce morar lentamente dentro daquelas cúpulas redondas verdes e azuis; eles querem viver seus mandatos com mansidão, pastoreando eleitores, sentindo a delícia dos ternos novos, dos bigodes pintados, das amantes nos contracheques, das imunidades para humilhar garçons e policiais.

Para eles, a única “democracia” é a poética camaradagem congressual, a troca de favores, sempre com gestos risonhos, abraçando-se pela barriga, na doce pederastia de uma sociedade secreta. A amizade é mais importante que esta bobagem de interesse nacional! A democracia é para eles apenas um pretexto para a zorra absoluta.

Para explicar suas mentes brasílicas, precisamos entender que em nossa história o atraso sempre foi um desejo, uma torta ideologia. Se a democracia se impusesse, se a transparência prevalecesse, como iriam ser felizes as famílias oligárquicas, com suas fazendas imaginárias, os rituais das defraudações, as escrituras e contratos superfaturados? Que seria da indústria da seca, não só da seca do solo, mas a seca mental, onde a estupidez e a miséria são cultivadas para o conforto da burguesia política?

O que seria dos almoços gordurosos, das cervejadas de bermudão e gargalhadas? Que seria do “sistema” cafajeste e careta que rege o país?
Eles pouco se lixam ao serem chamados de “canalhas”, pois adoram o orgasmo de se sentirem “superiores” a xingamentos, superiores à ridícula moralidade de classe média. Sua única moralidade é vingar-se de inimigos, cobrar lealdade dos corruptores ativos, exigir pagamentos de propina em dia. Eles cultivam a secular beleza do clientelismo, onde um amigo vale mais que a dura impessoalidade dos cruéis saxões.

Por vezes, alguns fracotes têm uns “frissons” de honestidade, de responsabilidade política e berram discursos mais acesos no Congresso, mas tudo se dilui na molenga rotina dos quóruns, nas piadas dos cafezinhos, nas coxas de uma secretária que passa. Parecem defender conscientemente uma cultura e preservam 400 anos de patrimonialismo.

Para eles, país não se governa apenas por novos slogans da moda; são séculos de hábitos e cacoetes sagrados onde vicejam as cópulas entre o público e o privado, desde as capitanias hereditárias que existem até hoje — vejam o Maranhão ou Alagoas.

Na calada das noites de Brasília, nos goles de uísque do Piantella, eles sussurram euforicamente entre si: “Grande Lula! Que bem que ele nos fez! Nunca fomos tão sólidos e cínicos nesse país, desde Cabral!”


Arnaldo Jabor é Cineasta e Jornalista. Originalmente publicado em O Globo em 23 de fevereiro de 2016.

2 comentários:

Anônimo disse...

Essa impugnação dos mandatos de Dilma e Temer,no TSE,não passa de uma grande palhaçada. Dos três motivos que autorizam a cassação dos mandatos,somente DOIS deles foram invocados,pelo PSDB e pelos outros. Fico então me perguntando porque não invocaram o terceiro,o mais grave deles,que é justamente a "fraude" (nas eleições),o que já está mais que provado ter ocorrido nas eleições de 2014,com aquelas "urninhas" manipuladas ? Só a "cara-de-bunda" do Bonner, quando anunciou o primeiro resultado parcial do 2º turno,quando Dilma já tinha ultrapassado Aécio,no finalzinho da apuração,já seria prova suficiente. Seria pelo fato de ter que haver a substituição de réus,pois foi sob a patrocínio exclusivo do TSE que aconteceu toda essa lambança? Compreende-se que nenhum político teria coragem de colocar o "sagrado" TSE em risco . Mas e essa mídia que anda por aí só "garganteando",como faz agora o autor do texto,por
que não abre a boca e suscita essa fraude escancarada?-Sérgio A.Oliveira.


esse problema ?

Anônimo disse...

E conseguiram, agora a classe média que eles odeiam é totalmente escrava e trabalha só pra pagar imposto, ninguém mais lucra, nós pagando e o pobra na rede balançando e barriga cheia, pais das maravilhas!