segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Ajudando a consertar o Brasil


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio Tupinambá

Esta semana voltei à minha Loja Maçônica. Estava afastado há bom tempo, razão dos meus afazeres do mundo profano impossibilitarem minha presença em Manaus nas noites de quinta-feira, quando ocorrem as Sessões.

Foi muito gratificante receber reconhecimento e carinho dos Irmãos, especialmente Irmãos de outras Lojas, em visita de agradecimento.

Dos trabalhos, dois assuntos chamaram minha atenção:  algumas pequenas mudanças na liturgia e doutrina ritualística, e a iniciativa do Grande Oriente do Brasil no Estado do Amazonas  em constituir um Grupo Estadual de Ação Política – GEAP com o objetivo de implantar o Programa de Ação Política da Maçonaria Amazonense  idealizado sob o Malho do Grão-Mestre Armando Corrêa Júnior. 

O primeiro assunto é de difícil abordagem porque envolve pretendido esoterismo por alguns Irmãos que ainda estão começando na senda da Iniciação, e podem ser influenciados por pensamentos mais liberais sobre o assunto. Quanto ao outro assunto, tenho algo a dizer além dos parabéns à ideia e à ação para pô-la em prática, e vou dizer aos poucos.

Há algum tempo escrevi um texto expressando minha opinião de que a Maçonaria Brasileira dos dias atuais perdeu sua identidade depois de promover os acontecimentos políticos que culminaram com a independência do Brasil, a libertação dos escravos e a proclamação da República. Acreditando nisso, e observando a evolução da política brasileira a partir dos atos de corrupção nos mais altos escalões do governo, fartamente noticiado nos meios de comunição e nas redes sociais, cheguei a outra conclusão:  nossa nação está órfã e muito doente.
 

A literatura maçônica assegura que a nação norte americana teve “pais”:  George Washington, Benjamin Franklin e Pierre L´Enfant, todos maçons, e os demais que assinaram a Declaração de Independência dos Estados Unidos da América.  Esses “pais” fundadores criaram leis, desde a Constituição, escoradas em princípios maçônicos por eles defendidos, e transmitidos à posteridade segundo a ética rígida alegoricamente estabelecida nos Rituais.  Esses princípios, que são os mesmos em que se escoara a maçonaria brasileira, ultrapassaram as fronteiras das Lojas, contaminaram a novel Nação e constituíram uma cultura em forma de dossel protetor do povo norte americano, no âmbito do sentimento cívico, engrandecendo e fortalecendo a nação em todos os sentidos.

Eles, os “pais” da nação norte americana, não morreram:  continuam vivendo no espírito e na mente de cada um dos norte americanos, vigiando para que aquela nação continue cada vez mais forte e feliz.  Nós, brasileiros, com nossa história mais ou menos parecida, “matamos” nossos pais e decepcionamos aqueles que os sucederam, permitindo que a cultura do “jeitinho” aos poucos fosse ganhando espaço nos nossos costumes, nossa política, no nosso governo, caracterizando nosso povo como corrupto e corruptor.  O Resultado está aí, a nos envergonhar.

É mais que hora da Maçonaria assumir a responsabilidade de reconduzir nossa nação para o caminho da ética, da moralidade, da “vergonha na cara”, na condição de “pai” adotivo.

O primeiro passo foi dado. Cabe, agora, ombrear esforços para que os princípios basilares do Programa de Ação Política da Maçonaria Amazonense sejam a ferramenta  reformuladora da nossa cultura, onde possa prevalecer os princípios fundamentais que devem nortear um povo: que todos os homens são criados iguais, dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, entre estes a vida, a liberdade e a procura da felicidade; que a fim de assegurar esses direitos, governos são instituídos entre os homens, derivando seus justos poderes do consentimento dos governados; que, sempre que qualquer forma de governo se torne destrutiva de tais fins, cabe ao povo o direito de alterá-la ou aboli-la e instituir novo governo, baseando-o em tais princípios e organizando-lhe os poderes pela forma que lhe pareça mais conveniente para realizar-lhe a segurança e a felicidade.


Antonio Tupinambá Melo Nogueira é Auditor Fiscal Aposentado, membro da Academia Amazonense de Letras.

2 comentários:

Augusto SP disse...

Oh! Quão bom e qao suave e que os irmãos vivam em união.,. (133.1)
Enquanto a Maçonaria não for uma única Instituicao, continuar fragmentada em potências, o sonho e os desejos do estimado Tupinambá continuarao a ser apenas sonhos e desejos... Utopias!
Antes de almejar a construção social,urge que a Maçonaria brasileira seja construtora de si mesma.
Do contrário, não passará de mais um discurso bonito a se perder no vazio.
Tenho dito

bell disse...

Bom Dia!Na qualidade de neta de José Joaquim Medrado,(hoje em outra dimensão),sendo orador da Grande Loja Luz do Oriente-Bahia,recebendo orientação com base nos princípios Universais do Absoluto,tendo vivência da Doutrina Espírita não imposta mas reencarnei mas aqui também não poderei comentar,apenas a informar que como Cidadã fui buscar amparo em Junho de 2011,ao "Sereníssimo "Itamar Assis,na época "Grão Mestre"das Lojas da Bahia.
Quanta decepção,estive in loco por diversas vezes e mesmo me identificando,recebi dois meses depois após estar com a Secretária do mesmo,que o Brasil precisava que todas as Lojas ficassem em comunhão pois estava no Movimento contra a Construção da Usina de Belo Monte-Pará-Almadina-Xingu.
Quando recebi um e-mail do "Sereníssimo"me informando que estava para projetos Macros e não Micros.Quanto fiquei infundada!como se pode colocar com palavras tão chulas em algo sério.Ainda se colocou a disposição para outras ações!!!com n°de celular.
Meus Irmãos(sei que sou mulher que não poderia assim chamá-los,mas partindo da primícia que estou mulher e Espírito não há diferença de sexo!"Somos todos Irmãos",tenho e venho a informar das infiltrações que há na Maçonaria.Mesmo sendo convidada a pertencer ao Salão de Ísis,neguei.Sou pela Justiça e não tenho está evolução para ser alvo de delinquentes que se dizem "Maçons"!Precisamos rever com Urgência quem realmente está para servir ou ser "olheiro".
Sei que comentei "cruamente"a realidade que não está apenas no Brasil,extrapola com seres que atrapalham ou barram uma Fraternidade,que O Cristo aqui começou!
Façamos Justiça!
Tenho tios que são Maçons Dignos,nossa Família Terrena cumpre com lealdade a Lei Maior!
Respeitosamente,
Grata.
Berenice Medrado Seixas
OAB-BA7538.