quinta-feira, 31 de março de 2016

Lição Pós-1964: Jura que aprendemos?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

31 de março de 2016 é uma data justa e perfeita para discutir "golpe". Em ritmo de impasse institucional, rumo a uma ruptura (que pode ser violenta), novamente o empobrecido debate político brasileiro não aborda a Democracia como um princípio imprescindível. Assim, o País não sai do estágio antidemocrático. Por ironia da história, a petelândia sai às ruas para defender a Presidente Dilma contra o que chamam de "golpe" no País onde só a corrupção consegue ser "democrática".

O julgamento histórico costuma ser muito simplório, quando é feito na base da “torcida” ideológica. A visão comuno-socialista – que opera segundo cartilhas autoritárias - os rotula de ditadores e torturadores. A visão do outro extremo – mesmo sem entender direito como a banda da História toca – os conclama como heróis que precisam sempre estar prontos a intervir para salvar o Brasil.
Por falta de uma análise historicamente equilibrada - sem rótulos de mocinhos, monstros e bandidos -, continuamos sem gerar aprendizado de tudo que aconteceu antes, durante e depois dos 50 anos do movimento civil-militar – que tem a data simbólica de 31 de março de 1964 como marco histórico – que acaba celebrado ou odiado, sem jamais ser corretamente entendido.

O Brasil é uma rica colônia de exploração que se deixa manter subdesenvolvida e submetida aos interesses de uma Oligarquia Financeira Transnacional. Sempre fomos periferia e não demonstramos vocação para metrópole. Não conseguimos formular um Projeto para o Brasil se tornar, de fato, um País Civilizado, Desenvolvido, Justo, Ordeiro Progressista e comprometido com valores humanos e democráticos.

O Brasil é um País tão sem soberania e independência que não tem Forças Armadas em condições reais de cumprir seu papel fundamental: ter poder de dissuasão. O globalitarismo, que usa e abusa do extremismo ideológico para impedir a união nacional, aposta na desmoralização da expressão nacional do Poder Militar. A sociedade brasileira – formada majoritariamente por ignorantes – não entende a verdadeira importância essencial das Forças Armadas.

O Brasil é Capimunista. Misturamos práticas do capitalismo com ações socialistas ou comunistas. Somos submetidos a um regime de Estado de Direito, cinicamente democrático, que tenta intervir em tudo e em todos, através de um confuso aparato pseudolegal, que varia entre o autoritarismo e o totalitarismo, dependendo das conveniências dos grupos políticos que detêm a hegemonia dos conflituosos e desequilibrados poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Os desgovernos dos últimos 100 anos não avançam. Especializaram-se em repetir erros históricos primários. Por isso, sempre variamos entre pouco ou mais autoritarismo, mas sempre com o discurso de uma democracia (segurança do Direito, com exercício da razão pública) – que nunca existiu. Aliás, nossa República (obra dos militares) ainda não foi implantada... E, para piorar, estamos submetidos ao “império” da desgovernança do crime organizado...

O desgoverno brasileiro é uma carranca do caos institucional. O grupo hegemônico é o mesmo de sempre. A variação é apenas na rotulagem ideologia do purgante. Os políticos, sempre os mesmos, trabalham para seus interesses pessoais ou cumprem a função de agentes conscientes do poderio econômico transnacional que sempre nos governou de fato. Não conseguem e nem querem ter uma visão nacional para desenvolver, de fato, o Brasil. Preferem apenas usar e abusar do Estado Capimunista a seu bel prazer e deleite.

Tudo ficou ainda pior porque os militares (garantidores da soberania) foram transformados em uma “guarda nacional”, com verbas contidas, escalados para ações humanitárias de emergência ou para agirem como “força policial auxiliar” na tal GLO (Garantia da Lei e da Ordem). Aqueles que foram “interventores” em 1964 e em outras datas atrás agora operam como “guardas de esquina” - PMs de um falido Capimunismo gerador de desigualdade, vagabundagem, ignorância, extremismos e violência.

A farda se transformou em fardo. Alguns, ainda milagrosamente idealistas, acreditam e entendem o verdadeiro papel das forças armadas. Outros preferem se comportar como meros funcionários públicos fardados, seguindo uma carreira pública com salário e promoções que parecem seguras, até se transformarem em aposentados guerreiros da reserva – ou da reforma, por tempo ou invalidez. Na ativa, uns ainda tem a coragem e honra de um samurai. Outros preferem o pragmatismo das gueixas.

O Brasil vive o momento mais ridículo e vergonhoso de sua história republicana. Antes e após 1964, os militares, em parceria com civis, cometeram grandes erros e acertos. Seu grande pecado foi não terem entendido como os verdadeiros inimigos do Brasil operam. As legiões se focaram no combate aos agentes conscientes e ideológicos do inimigo, mas não perceberam que o inimigo lhes destruía e desgastava pelas beiradas, investindo no autoritarismo e na corrupção institucional. Os generais-presidentes foram saídos do poder pela garagem do Palácio do Planalto.

Curiosamente, como último ato, os militares tiveram de garantir a posse da vanguarda do atraso na Presidência da República. Ela continua no poder, com variações ainda mais dantescas. Basta olhar para o legítimo filhote da tal ditadura capimunista. O monstrinho concebido pelo padrastro-general Golbery do Couto e Silva no meio sindical foi alçado ao poder e, desde então, tenta comandar, por trás, as ações daquela que posou, um dia, de guerrilheira para implantar o comunismo no Brasil, mas foi parcialmente derrotada pelos militares. Agora, posando de vencedora, sacaneia os milicos sempre que pode.

O Brasil tem solução. Basta tirarmos, primeiro, os lixos do poder. A vassoura precisa ter Legitimidade e Ordem, para viabilizar a Paz Social, o Progresso e a Democracia – utopias a serem perseguidas. O problema começa a ser resolvido por cada cidadão – a partir dos próprios indivíduos e de seu lar. Só o amor à família, instituição onde começa a Pátria, permitirá que avancemos. Sem ordem e legitimidade não há progresso – só desrespeito, violência e barbárie. Sem a valorização da base familiar não teremos Pátria.

Por isso, o grande investimento que cada um precisa fazer, de imediato, é na Educação. Sem ela, não há civismo possível e nem patriotismo viável. O esforço educacional, a partir do ambiente familiar, vai nos devolver a auto-estima, a vontade de produzir e a força para empreender. O capital necessário para isto o Brasil tem de sobra. Basta ser canalizado para a solução correta.

O projeto urgente é derrotar o PT e seus aliados na vanguarda do atraso. Este esforço começa em cada cidadão de bem e sua família para ter hegemonia na sociedade. Que cada um faça sua parte, do jeito que puder e com as ferramentas que tiver. Temos de superar o Capimunismo até aboli-lo no Brasil. Vamos estudar, trabalhar, gerar renda, investir, fazer parcerias com outras pessoas de Bem e progredir.

Governar (algo ou a si mesmo) é uma arte. A governança (pessoal ou corporativa) depende de alguns princípios fundamentais: Vontade Política, Visão Humanista, Ética, Transparência, Equidade, Justiça, Legalidade, Responsabilidade, Prestação de Contas, Qualidade e Verdade. A obra não é fácil. Mas precisa ser tocada com competência, eficiência e senso prático de realidade.

Vale repetir por 13 x 13 o que precisamos efetivamente no Brasil: Ordem Pública e Legitimidade, Constituição legítima. Federalismo de verdade. Democracia vigilante. Fim do voto obrigatório. Implantação do Voto distrital e distrital misto. Eleição com fiscalização pública (e não meramente informatizada) na recontagem. Aplicação severa da Lei da Ficha Limpa (permitindo candidaturas comprovadamente idôneas). Possibilidade de candidaturas independentes dos Partidos. Emprego da tecnologia para livres consultas populares. Transparência total na arrecadação e gastos públicos. Simplificação tributária, com regras claras e estáveis. Implantação do "Imposto Justo" (na venda, na importação e na exportação). Fim do "Imposto sobre salário" (nome real do "Imposto de Renda das Pessoas Físicas). Extinção do imposto sindical obrigatório. Enfim, racionalização da máquina estatal nos municípios, nos Estados e no governo da União. Só assim o Brasil se tornará um País de verdade. Abuso de poder e ditadura do crime organizado escravizam os brasileiros. Basta!

1964 ensinou direitinho. Não precisamos de déspotas – fardados ou travestidos de pretensos democratas civis. É preciso que cada um cumpra o seu dever, e pare de se acomodar, jogando apenas a culpa nos outros.

Acredite em você, na sua família, nos seus amigos, nos seus parceiros e vá em frente. Faça. Acerte. Se errar, tente de novo, até acertar. Nossa contrarrevolução para tirar do poder as vanguardas do atraso precisa começar imediatamente. Cumpra o seu dever!

Viva a Liberdade. Não às censuras, repressões e totalitarismos políticos, econômicos e psicossociais. Superemos as ilusões ideológicas de torcida organizada, e vamos cuidar da organização pessoal. Se cada um não cuidar de si e da família, o Brasil não evolui para melhor. Mude e melhore você, primeiro. Depois, cobre isto dos ignorantes. O seu sucesso é a derrota dos idiotas, canalhas e ladrões.

Seja seu herói. Tenha fibra e vença!

Indefensável Dilma


Atribuir tudo a "golpe" virou obsessão da caída Dilma Rousseff - com 69% de rejeição e apenas 10% de aprovação popular, segundo recente pesquisa do Ibope.

Ontem, a indefensável Dilma atacou novamente, com a mesma picaretagem marketeira de sempre:

"Que processo é esse? É um processo golpistaNão existe essa conversa: Não gosto do governo, então ele cai. Não existe isso. Existe no parlamentarismo. Não gosto do primeiro-ministro, derruba o gabinete. Está previsto... Impeachment sem crime de responsabilidade é o quê? É golpe".

Lado bom


Quem complô?


Impressões


Sem festejar


Chamem o Coringa


Vigilantes da Justiça


O ato de terror contra juíza Tatiane Moreira Lima, mantida como refém ontem por um homem acusado de agredir a própria companheira, no Fórum do Butantã, na zona Oeste de São Paulo, tem gravidade institucional e cultural em um País ignorante, intolerante e violento.

Em vez de apenas verificar se houve falha na segurança, é preciso que o judiciário reflita sobre um fator psicossocial gravíssimo: a população começa a se rebelar (até de forma absurda e violenta, o que é intolerável) contra o clima de injustiça e impunidade.

O judiciário continua implacável contra quem não tem grande capacidade de defesa, enquanto não consegue punir, efetivamente, quem tem poder e dinheiro de sobra para ter os melhores advogados.

Sem justiça de fato - e judiciário eficiente -, vamos ser destruídos pela barbárie no Brasil sem segurança do Direito, sob desgovernança do crime institucionalmente organizado.

Só o exemplo bom, justo e perfeito conseguirá impedir a barbarie...

Colabore com o Alerta Total
Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil. Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

II) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

III) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 31 de Março de 2016.

17 comentários:

Jayme Guedes disse...

Serrão, das estruturas de controle que compõem o estado moderno o Brasil só tem o custo - elevadíssimo - jamais o resultado. O certo seria demitir todos, do boy ao maior responsável, e preencher o organograma com novos nomes e de novo e de novo até que o resultado esperado se faça presente. É assim na empresa privada. Assistimos ao desvio de recursos provocada pela corrupção mas essa nem é a causa maior das nossas perdas. O desperdício provocado pela incompetência é muitas vezes superior ao que se perde com a corrupção e é invisível. Aquele que é pago para saber e que, portanto, tem a obrigação de saber, não pode alegar que não sabia. Ineficiência e corrupção precisam ter o mesmo tratamento. O padrão da gestão pública tem que ser superior ao da gestão privada.

Antonio Roberto Petali disse...

Caro senhor, meu respeito, já lhe acompanho ha algum tempo nesse seu síti. Tenho lido muitas opiniões e colocações bem feitas e corretas sobre o desgoverno que nos assola temporariamente, espero. Mas nesse de hoje você se superou, foi o mais bem colocado e escrito que li nesse tempo em que o acompanho.
Parabéns.

Antonio Roberto Petali disse...

Caro senhor, meu respeito, já lhe acompanho ha algum tempo nesse seu sítio. Tenho lido muitas opiniões e colocações bem feitas e corretas sobre o desgoverno que nos assola temporariamente, espero. Mas nesse de hoje você se superou, foi o mais bem colocado e escrito que li nesse tempo em que o acompanho.
Parabéns.

Jayme Guedes disse...

Serrão, a menos que se trate de uma piada de 1.o de abril, os responsáveis pela convocação para o maior protesto do mundo deveriam pensar melhor. Um minuto de silêncio seria o bastante. Como vou cantar que "sou brasileiro com muito orgulho" se não tenho um motivo sequer para ter esse sentimento. Se alguém ler esse meu comentário e tiver conhecimento de algo de que eu posso me orgulhar como brasileiro, por favor, me informe.
A própria letra do hino nacional não nos descreve como o povo que somos hoje. Quanto ao protesto, tudo bem, eu adiro mas me declarar orgulhoso de ser brasileiro é querer que eu minta e isso não farei.

Anônimo disse...

"O Brasil é um País tão sem soberania e independência que não tem Forças Armadas em condições reais de cumprir seu papel fundamental: ter poder de dissuasão". De quem é a culpa? De quem não reage à altura.

Disse TIADILMINHA: Não vai ter GOLPE.Não vai ter GOLPE.Não vai ter GOLPE.Não vai ter GOLPE.
Vai ter IMPEACHMENT.Vai ter IMPEACHMENT.Vai ter IMPEACHMENT.Vai ter IMPEACHMENT.

Loumari disse...

Guedes, orgulho ou não orgulho isto é já sem grande importância; o essencial agora é não permitir jamais que alguém lhe roube a sua liberdade de pensar.
E sobretudo, continuar a entoar bem alto o que muitos pensam bem baixinho por falta de coragem e valor. Faz a diferença.
O mal prospera devido a inacção dos bons. Gentes que preferem fazer-se de mortos e deixar-se devorar pelo mal que cada dia ganha terreno e vai aumentando inexoravelmente a sua potência.
Não adianta queixar-se sem mover-se. Há que agir.
O orgulho se conquista.

fonseca disse...



Salve 31 de Março. Save a contra revolução de 64.!!!.T.'.F.'.A.'.fonseca.

Anônimo disse...

Cleonice I ferreira disse:
Excelente artigo Sr.Jornalista Jorge Serrão. Muito realista.

Anônimo disse...

J.Serrão: Magníficas e totamente procedentes as abordagens desse escrito.A situação do Brasil, como "periferia" do mundo mais adiantado, vai se agravar enormemente em vista do desinteresse governamental em aderir ao TTP -Tratado Trans Pacífico,recém pactuado.Os países membros desse tratado,inclusive os da Costa do Pacífico das Américas que aderiram ,vão sofrer grande impacto rumo aos seus desenvolvimentos. O Brasil está fora. Apesar de estar um pouco distante do Oceano Pacífico ,um bom trabalho diplomático poderia ter contornado esse inconveniente . Mas os governos do PT sempre preferiram ficar do lado dos pobres,inclusive países. Sabem que assim podem dominar e roubar mais.Preferem ficar com as organizações internacionais de "fundo de quintal",como os tais Mercosul e Unasul. Se olharmos pelas lentes do futuro,não vai demorar 10 anos para vermos a Austrália e a Nova Zelândia,que aderiram ao pacto,e que já são nações ricas,ficarem ainda mais ricas,devido ao TTP. Tudo isso são escolhas,apesar de indiretas,do próprio povo,condenado à marginalidade do mundo.Sérgio A.Oliveira.

Loumari disse...

Mensagem dos ***Guardiões da Justiça***

O Brasil Precisa Ver Isso ! É MUITO SÉRIO...

https://youtu.be/TZNVuurpZug

Anônimo disse...

Barroso sobre PMDB: “Meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder”.
AQUI:
http://jota.uol.com.br/barroso-questiona-pmdb-essa-e-nossa-alternativa-de-poder

Anônimo disse...

Afinal de contas, quem manda neste pais???

megabr disse...

mais um recolhendo dinheiro dos incautos psdbistas

Anônimo disse...

Acredito que, se oito Ministros do STF manteram foro privilegiado para as gravações envolvendo Lula, é porque teve muita autoridade ligando para o boca suja e se entregando.Vou torcer que a "ripa" nos couros deles vai descer a qualquer momento.

marcos disse...

Nessa hora, devemos manter a serenidade, a clareza de idéias.
Já tivemos duas ditaduras ( não deu certo ), tivemos um vice assumindo a vaga de um presidente eleito e morto antes da posse, tivemos um aventureiro, temos atualmente o governo bolivariano, seja lá o que signifique.
Todos esses governos foram desastrosos.
Precisamos dar um jeito de aprendermos a votar.
Isso significa, acima de tudo, termos direito ao voto livre.
As forças armadas estão ensaiando um golpe, colocando um militar como candidato.
Mas, sabendo como os militares pensam, vou logo avisando, eles não sabem administrar um país.

formiga disse...

UM CAMBIO DE PAJERO AGUENTA O PARIS DAKAR E QUEBRA EM SANTO ANDRÉ . ALGUÉM INVESTIGOU ISSO?

Agnaldo Matos disse...

Concordo. Temos um serviço público totalmente inchado oferecendo serviços de baixa qualidade. O grande responsável por isso é o tal concurso público com garantia de emprego.
Os caras fazem concurso (muitos entram pela janela) e obtêm garantia de emprego. São indispensáveis.
O Brasil parou de formar acadêmicos; a maioria vira concurseiro, depois que se forma. O Estado e as empresas estatais cada vez contraram mais. Um exemplo: Correios. Vivem pedindo mais e mais pessoal. Enquanto nos EUA dispensaram vários, porque a comunicação mudou, se tornou mais rápida e eficiente.
No Brasil, todo que o ESTADO quer é contratar funcionários para se manter no poder.