sexta-feira, 4 de março de 2016

"Minha corrupção, Minha Vida"


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão

O abatimento do desgoverno brasileiro é de solar clareza e enorme profundidade,a cada dia que tenta se manter no poder mais chances fogem de sair e dar por encerrado um dos tempos mais macabros de toda economia.

Diariamente pipocam acusações e o discurso único das autoridades de plantão é tentar debelar o fogo que já invadiu todos os cômodos e os que ali permanecerem serão cremados vivos, tamanha a eloquencia dos fatos, das provas e do manancial que deixa evidente todas as mentiras, trapaças e farsas de marqueteiros de plantão.

O deboche do sorriso maroto e a falta de respeito para com a Justiça são inadmissíveis. Isso porque tanto dinheiro nas contas no Brasil e no exterior precisa ser explicado e contabilizado, sem a falsa impressão de caixa de campanha ou caixa dois. O atormentado País aguarda o desfecho de todos os fatos e as circunstâncias,não podendo as instituições ficarem caladas ou se manterem distantes da realidade.

A blindagem de um ou de poucos não pode servir de mote ou pretexto para segregar o País do crescimento e do desenvolvimento. Não há agenda de consenso, de trabalho comum,e mesmo de planos futuros, já que abraçamos a ideologia dos Brics, e se um País mais forte, no caso a China, vier a ter uma gripe mais forte o Brasil sofrerá de dupla pneumonia, pois não investe nada se incrementa em termos de mercados externos e nos limitamos ao pobre Mercosul.

A visão que muitos extraem do contexto de pura lama mais negra do  que aquela despejada pela Samarco é que o lema mais adequado seria minha corrupção minha vida, todos praticamente se aboletaram e aproveitaram para tirar lascas do dinheiro publico e desviar para campanhas,partidos ou colocar no exterior. As sérias consequencias descortinam total falta de confiança e credibilidade na economia do País,com o desaparecimento dos estrangeiros e trôpegas grandes empresas sem capital ou caixa para pagar dívidas e seus funcionários.

A justiça trabalhista experimenta um substancial aumento de demandas, as recuperações recrudescem e as falências sobem espantosamente. Enquanto isso o governo parodia, diz que não tem qualquer crise e a presunção de inocência acompanha a todos por ser preceito fundamental da ordem democrática. O que assistimos e notamos mostra justamente ao contrário,essas pessoas que desfalcaram empresas e montaram perversos esquemas de corrupção são sim presumidas culpadas até que demonstrem a inocência.

A impunidade está com os dias contados e também o cinismo de alguns réus ou indiciados que passam e zombam da justiça e verificam que o dinheiro roubado poderá ser a tabua de salvação. Nada mais enganoso e lúdico,com o bloqueio desse dinheiro sujo e seu repatriamento,aqueles ricos da noite para o dia, se transformarão em pedidentes do dia para a noite, de clemência, indulto, ou de perdão, como sustenta o nosso mais fervoroso defensor dos princípios, o Procurador da República Rodrigo Janot.

Não poderá haver discriminação perante a lei e todos devem ser julgados com a mesma efetividade atribuída seletivamente para apenas alguns. O Brasil começa a despertar de sua letargia e já está ciente ou se liberta de uma vez por todas da canalhice de suas agremiações ou estará fadado a ser defenestrado do mapa do mundo, não só na economia, mas na educação, saúde e tantas arestas de nosso subdesenvolvimento.


Carlos Henrique Abrão, Doutor em Direito pela USP, é Desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Serrão seu vagabundo safado, publica os comentários contra a hipocrisia desse lixo da toga do tribunal mais bandido e corrupto do Brasil.

Anônimo disse...

Nossa, estou estupefato! O jornalistazinho Jorge Enrica Com Doação decidiu publicar a verdade.