terça-feira, 8 de março de 2016

Monopolizadores da mentira


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Hélio Duque

“Mentira nas promessas. Mentira nos programas. Mentira nos projetos. Mentira nos progressos. Mentira nas soluções. Mentira no rosto, na voz, na postura, nos gestos, nas palavras, na escrita. O monopólio da mentira. Mentira nos desmentidos. Uma impregnação tal das consciências pela mentira que se acaba por não discernir a mentira da verdade.” O notável Rui Barbosa, no início do século passado, já antevia a realidade política brasileira nesse início do século 21. Ela vai além dos governos de plantão, o tiro de largada começa nas campanhas eleitorais, onde os marqueteiros transformaram a maioria dos candidatos em “robots” políticos. Com mentiras, mais efeitos especiais e truques em linguagem primária, o candidato é vendido como sabonete ou refrigerador.
                  
O debate público fica banalizado e medíocre, com os candidatos, situação e oposição, temendo debater a realidade com medo da opinião pública. Os marqueteiros vendem o paraíso, iludindo a boa fé da sociedade, se ancorando em dizer fatos que sabem ser contrário à verdade. No Brasil, a despolitização da política, aliado ao baixo nível de informação da sociedade, transformou as eleições em verdadeira geleia geral. O resultado é imbecilizar o povo votante, fazendo do conformismo alienado projeto de poder. O marqueteiro oficial do PT, João Santana, com incrível ousadia, defendia que as campanhas políticas não trabalham com a realidade e a verdade, mas com símbolos, com a emoção e o imaginário coletivo.
                  
Antevendo premonitoriamente um tempo de eliminação da consciência crítica dos brasileiros, o saudoso senador Mario Covas, há três décadas, apresentava ao Congresso Nacional importante projeto de lei, defendendo que os programas eleitorais, obrigatoriamente, deveriam ser transmitidos ao vivo. Na sua justificativa fundamentava: “O objetivo é acabar com a maquiagem eletrônica e restaurar o sentido verdadeiro do horário político gratuito, que é de igualdade de oportunidades diante do poderio econômico. Certas companhas eleitorais recebem o mesmo tratamento de que os mais caros comerciais. Com a trágica diferença de que não se está vendendo um sabonete ou um automóvel de luxo, mas sim um mandato popular. Para que os eleitores possam, cotejar propostas, promessas ou o ponto de vista dos candidatos. Basta um debate franco, olho no olho, diante de todos.”
                  
Infelizmente, hoje, o debate sério foi banido das eleições. Predomina os bonecos falantes diante das câmaras lendo no “teleprompter” os textos escritos pelos marqueteiros. A autocrítica de um dos responsáveis pela pasteurização da política, o marqueteiro Duda Mendonça vem em boa hora. Ele defende a extinção do horário eletrônico no formato atual. Afirmando: “A produção de programas eleitorais para a TV, com alta dosagem de sofisticação e falsificação é responsável pelos milhões de reais, que elevam a cifras extravagantes e suspeitas, o custo das campanhas políticas. Teríamos duas vantagens. A primeira é que para ir a um debate o candidato só precisa de um paletó e, se não tiver, pode pegar emprestado. A segunda é que em debates o candidato teria de conhecer de fato os temas, já que ninguém transforma uma pessoa que não sabe nada em expert em três meses.”
                  
Na última eleição presidencial, o estelionato político, alimentado pelo projeto do poder estatal, vendeu que tudo corria às mil maravilhas e o povo se sentia feliz e satisfeito. Depois a realidade, inédita na vida republicana, aflorou na política, na economia com a sociedade prostrada no vulcão da crise social frequentando o seu cotidiano. Demonstrando faticamente que as mentiras marqueteira não podem continuar livre, leve e solta. O CONAR (Conselho Nacional de Autoregulamentação Publicitária), organização da sociedade civil, fundada em 1950, define a ética da publicidade: “Evitar a veiculação de anúncios e campanhas de conteúdo enganoso.” Tem punido as propagandas que afrontam o seu o Conselho de Ética.
                  
E na política, não deveria o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e os TREs estaduais atuarem com rigor e punição dos autores de estelionatos eleitorais? É o que o Brasil espera dos integrantes dessas cortes judiciais, que não podem continuar assistindo as fraudes e mentiras marqueteiras determinando os rumos das eleições nacionais.

Helio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira.

2 comentários:

Martim Berto Fuchs disse...

"E na política, não deveria o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e os TREs estaduais atuarem com rigor e punição dos autores de estelionatos eleitorais?"

Deveria , deveria, mas não vai acontecer enquanto os membros dos TREs forem indicados pelos próprios políticos. Indicar raposa para cuidar de galinheiro dá nisso.
Toda nosso sistema político tem que ser modificado. Do que está sendo praticado, pouco ou nada se aproveita.
Se os atores indicados e encarregados de reescrever nossas regras - numa eventual Intervenção Constitucional - não tratarem prioritariamente desses temas, é melhor que nem comecem. Se forem apenas fazer alguns remendos, com medo de mexer em privilégios, repensem a estratégia.
Nossas elites são compostas por três grupos: a antiga "nobreza", toda encastelada no funcionalismo público; os antigos escravagistas transformados em burgueses que só investem com dinheiro público, ficando com o lucro e socializando o prejuízo; e os novos mamadores, os sindicalistas pelegos comandados pelo mamador-mor, também conhecido como lularápio. Os três grupos SUGAM igualmente o erário.
A única diferença é que o grupo do lularápio além de ladrão é burro, sem contar que são umas amebas ideológicas.
Eis a questão: uma Intervenção Constitucional vai encarar esses desafios, ou vai apenas mudar as moscas ?
http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2016/02/61-passos-para-implantacao-do-ante.html

JORGE JERONIMO PINHA COSTA disse...

O que vou comentar aparentemente não tem relação com o assunto tratado no artigo, mas tem similaridade.
Conforme comentado pelo articulista a solicitação de apurações e controle pelo CONAR deveriam fazer parte do rito das propagandas eleitorais.
Como profissional de Engenharia, afirmo que o mesmo deveria ter sido feito pelos Órgão de controle de Engenharia, quanto a atuação corrupta, cínica e cleptomaníaca das Empresas de Engenharia envolvidas nas roubalheiras governamentais divulgadas pelas operações da Justiça, do Ministério Público e Policia Federal.
Até agora ainda não vi nenhuma manifestação do CONFEA ou CREAs sobre a conduta dessas empresas que mancham a história da Engenharia Nacional. Talvez muitas já deveriam ter tido seus registros de exercício de atividades cassados!