terça-feira, 1 de março de 2016

O marketeiro e a bala de ouro


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Hélio Duque

Bendengó é um aerólito caído no sertão da Bahia, no final do século XIX e pode ser visto no Museu Nacional do Rio de Janeiro. Muito grande e de enorme beleza, em tupi-guarani significa “caído do céu”. É também o nome de LP (disco fonográfico), lançado em 1973, em Salvador, por dois jovens talentosos do município de Tucano, onde caiu a rocha gigantesca.

Universitários dotados de formação cultural sólida na cantoria das belezas sertânicas, na música e na poesia: Gereba e Patinhas. As doze faixas do LP Bendengó foram compostas pela dupla com enorme criatividade.
                  
Gereba preferiu o caminho musical. Mora em Salvador e continua compondo coisas maravilhosas, a exemplo do CD que me presenteou na residência do saudoso amigo Guilherme Simões. Poeta, no disco Bendengó, Patinhas compôs todas as musicas e uma delas iria marcar-lhe no futuro: “Bala de Ouro”. Preferiu trilhar o caminho do jornalismo e mais à frente tornou-se marqueteiro. Ganhador de eleições presidenciais no Brasil e no exterior. Ficou milionário e poderoso no marketing político. Patinhas é João Santana, agora alvejado na Operação Lava Jato por uma “bala de ouro”.
                  
Como diria o velho poeta, são insondáveis os mistérios da vida. Na velha Grécia, Aristóteles ensinava que a política tem por objetivo a felicidade humana, construindo instituições capazes de garantir vida feliz ao cidadão. Os marqueteiros transformaram a visão aristotélica em antítese. A demagogia, o populismo, a incompetência e o dinheiro corruptor na escala de dezenas de milhões de reais, passaram a ser o verdadeiro retrato da política brasileira e o objetivo é esconder a realidade.

São políticos pasteurizados, escravos dos consultores de imagem, nas companhas e nos governos, fazem discursos que não dizem nada, mas falando sempre o que o povo quer ouvir. Na ditadura dos marqueteiros, com a eliminação do debate político, banindo a discussão dos problemas concretos que afetam o cotidiano na vida do cidadão e das famílias (a exemplo da última eleição e o estelionato político), João Santana é figura maior.
                  
O antigo mago da ficção marqueteira Duda Mendonça, com quem trabalhou, foi abatido no Mensalão, em 2005, na CPI dos Correios ao declarar ter recebido US$ 5 milhões do PT, através caixa 2 no exterior. O fato ocorrera na campanha presidencial de 2002 que elegeu Lula da Silva. Em 2006, na reeleição, emerge o ex-auxiliar de Duda, João Santana, conduzindo a campanha presidencial. Em 2010 e 2014, foi o grande comandante das campanhas presidenciais de Dilma Rousseff. Sobre os dois, criatura e criador, ele tem definição: “Lula é vulcão e Dilma é raio laser.”
                  
Autoritário, transformou-se no grande conselheiro da presidente da República, consta ser das raríssimas pessoas que ela ouve sem despejar impropérios. A dependência é tanta que ele afirma ser consultado até no uso da indumentária: “Vou com roupa de que cor”. Sobre o fraco desempenho no primeiro programa presidencial de TV, de 2014, ele disse: “Tive de ser duro com ela”.

Suas raízes sertânicas de autoritarismo ficam bem claras na filosofia que utiliza na desconstrução dos adversários: 1) “Os candidatos são humanos e muitas vezes mais frágeis do que o eleitor. Ninguém gosta de levar bordoada. Ou se enfurece e reage, ou se quebranta”. 2) “A política é, ao mesmo tempo, a sublimação e o exercício da violência”. Aliou o marketing selvagem com a força do poder econômico.
                  
Transcendeu as fronteiras brasileiras, fazendo campanhas políticas no exterior. Angola, Panamá, Venezuela ou República Dominicana, por mera coincidência da baianidade, são países onde o grupo Odebrecht tem grandes negócios. Vai daí, a 23ª fase da operação ser intitulada Acarajé. Igualmente pela razão de ser designada como unidade de moeda de corrupção nas obscuras transações comerciais dos envolvidos nos desvios dos recursos da Petrobrás.

O que vem motivando protestos das baianas do acarajé, a exemplo de Rita dos Santos, presidente da Associação Nacional das Baianas de Acarajé: “Isso vai correr o mundo. E sempre que as pessoas lembrarem do acarajé vão associar à corrupção.” A última campanha presidencial registrou que a empresa do publicitário recebeu R$ 88,9 milhões.
                  
Por tudo isso e muito mais, o jornalista Mario Sergio Conti sentencia: “A decretação da prisão de João Santana é sinal de que o cuco do marketing não serve mais para marcar a hora da política.”


Helio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira.

Nenhum comentário: