sábado, 9 de abril de 2016

A anta estática


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Agindo de forma errática, cometendo erros de gramática, a Anta não mais viaja; não foi aWashington, nem a Ática, buscar a tocha e dela todo mundo já debocha.

Enquanto do molusco o prestígio brocha, a Anta vai tomando nota dos nomes dos brutos. Quem planta colhe os frutos.

Computa, da vida parlamentar, os votos de que vai precisar para não se empichar.

Alguém precisa lhe soprar que “ O tempora, O mores” não é o tempo das amoras.

Meus senhores, minhas senhoras, lhes pergunto: Isto são horas?

Salvar desgoverno defunto, sem perigo de melhoras, ou esperar que dona Onça acabe com os sem vergonças?

A felina não se ilude; conhece bem o talude por onde desce a avalanche.

Diante do popular clamor não adianta gritar:”Devagar com o andor!

Por falta de ética, tornou-se Anta patética.

Nem mesmo reforminha eleitoral cosmética salvará a política morfética.

“Fero, fers, tuli, latum, ferre”

Mais um pouco de latim pros que vão comer capim.

Tradução tabajara: Quero que você se ferre no Tulip.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

2 comentários:

Loumari disse...

O Grito

Corria pela rua acima quando a súbita explosão dum grito o fez parar instantaneamente. Todo o seu corpo estremeceu. O que ele desde sempre receara acabara de ocorrer: algures, nesse momento, uma caneta começara a deslizar sobre uma folha de papel, dando assim corpo àquele grito que de há muito, como as esculturas no interior da pedra, se mantinha na expectativa desse simples gesto dum escritor para atingir a realidade. Tapou os ouvidos com as mãos. O grito mais não era que um sinal, mas o que esse sinal lhe transmitia deixava-o aterrado. Acabara de ser posta a funcionar uma engrenagem que a partir de agora nada nem ninguém, e muito menos ele, iria alguma vez poder travar, um mecanismo de que ele próprio iria inapelavelmente ser a maior vítima. Mais tarde ou mais cedo isso teria de se dar, mas agora que, sem qualquer aviso prévio, se soubera propulsado para outra dimensão da sua vida, como se os fios que a governavam tivessem repentinamente mudado de mãos, o facto de há longo tempo o pressentir não o impediu de olhar à sua volta com estranheza, uma estranheza que antes de mais nascia de tudo à primeira vista ter ficado como estava, desafiadoramente incólume, intacto, familiar. A linha do seu destino confundir-se-ia doravante com a que, sabe-se lá onde, uma caneta ia traçando no papel, página após página, mas nada na expressão dos prédios ou nos carros que indiferentemente continuavam a sulcar as ruas parecia indiciar que, dentro ou fora dele, algo se houvesse transformado ao ponto de o seu quotidiano disso se vir a ressentir. Após alguns segundos, retomou a direcção em que seguia, já não correndo mas imprimindo, ainda assim, um certo à-vontade à sua marcha, muito embora desde logo lhe fosse mais ou menos evidente que, a cada um dos seus passos subsequentes à audição do grito, qualquer coisa se inscrevia dentro de si mesmo, um número, uma cifra, uma palavra susceptível de um dia se vir a converter num utensílio graças ao qual também aquele que bem no fundo de si próprio se esforçava por chegar à realidade poderia finalmente abrir caminho, rompendo através da massa do seu sangue e dos seus músculos do mesmo modo que ele através da multidão que o fim da tarde ia entretanto aglomerando nos passeios. Mas em que língua isso seria?

"Luís Miguel Nava, in 'Vulcão'
Portugal 29 Set 1957 // 10 Mai 1995
Escritor

Loumari disse...

PERECE o justo, e não há quem considere isso em seu coração, e os homens compassivos são retirados, sem que alguém considere que o JUSTO É LEVADO ANTES DO MAL.
Entrará em paz: descansarão nas suas camas os que houverem andado na sua rectidão.
Mas chegai-vos aqui, vós, os filhos da agureira, semente adulterina e da prostituição.
De quem fazeis o vosso passatempo? Contra quem escancarais a boca, e deitais para fora a língua? Porventura não sois filhos da TRANSGRESSÃO, SEMENTE DA FALSIDADE,
Que vos esquentais com os ídolos, debaixo de toda a árvore verde, e sacrificais os filhos nos ribeiros, nas aberturas dos penhascos?
Nas pedras lisas dos ribeiros está a tua sorte; estas, estas são a tua sorte; sobre elas, também, derramas a tua libação, e lhes ofereces ofertas: CONTENTAR-ME-IA EU DESTAS COISAS?
Sobre os montes altos e levantados pões a tua cama; e a eles sobes para oferecer sacrifícios.
E detrás das portas e das ombreiras, pões os teus memoriais; porque a outros, mais do que a MIM, te descobres, e sobes, alargas a tua cama, e fazes concerto com eles; amas a sua cama, onde quer que a vês.
(ISAÍAS 57)