domingo, 3 de abril de 2016

O Magistério de Barroso


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant'Ana

"Quem desconfia, fica sábio." (Guimarães Rosa)

Na quinta-feira (31/03), Luís Roberto Barroso (ministro do Supremo Tribunal Federal, STF) falou a alunos da Fundação Lemann. A palestra foi transmitida pelo sistema interno do STF, tornando público o que ele pensa não do PMDB (como pode parecer), mas do impeachment de Dilma Rousseff. Curioso foi ele dizer que não sabia estar sendo filmado.

Pois bem. Fazendo referência à foto que registra o rito de desembarque do PMDB do governo, na qual se destacam o deputado Eduardo Cunha, o ex-ministro Eliseu Padilha e o senador Romero Jucá, Barroso disse: "Quando, anteontem, o jornal exibia que o PMDB desembarcou do governo e mostrava as pessoas que erguiam as mãos, eu olhei e: Meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder. (...) O problema da política neste momento, eu diria, é a falta de alternativa. Não tem para onde correr. Isso é um desastre." Belo estímulo à inércia...

Barroso foi além, mas me deterei nessa fala, expondo o que considero sua
completa falta de sabedoria.

1. Não conheço bem as circunstâncias em que ele se manifestou. Será que ele não sabia mesmo que estava sendo captado pelas câmeras? Aqui, fico com Guimarães Rosa (em epígrafe).

2. As opiniões pessoais do cidadão Luís Roberto Barroso devem ser manifestas exclusivamente em círculos pessoais. O decoro exige que ele, em qualquer outro ambiente, se comporte como estadista, como magistrado, como membro do STF. Haver ele emitido seu julgamento pessoal de figuras públicas (as da foto) é, pois, um grande erro.

3. Fica evidente, portanto, que Barroso longe está de ser um estadista, o que seria exigível de um ministro do STF.

4. Aqui está a sua malícia: "Meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder." Traduzindo: "Querem impichar a Dilma e colocar gente pior..." Pois que pense assim! Mas cabe um ministro do STF fazer essa propaganda? É claro que não!

5. Argumento de emboscada: beneficiado pela aura do cargo de ministro da Suprema Corte, Barroso cria uma crença altamente negativa em torno das figuras políticas apontadas para, por indução, levar o interlocutor a concluir que os três da foto representam uma ameaça ao nosso futuro se ocuparem o poder no caso de Dilma ser apeada do governo. Aliás, provavelmente Cunha estará, em poucos meses, fora de tudo.

6. Mas cabe perguntar: em que serão, os três da foto (até ontem colaboradores deste governo carunchado), piores do que a quadrilha ora no Planalto? Cunha, Padilha e Jucá serão piores do que Lula, Jaques Wagner e Mercadante, por exemplo? A propósito, quem já contou quantos ministros deste governo estão sendo investigados pela polícia?

7. Aqui, o mais importante: Barroso ainda faz uma assertiva que quase todos aceitam e que, no entanto, é falsa: "O problema da política neste momento, eu diria, é a falta de alternativa. Não tem para onde correr." Se ele dissesse que não existe, hoje, um líder, uma figura pública modelar, um político capaz de galvanizar a confiança do brasileiro, eu concordaria. Porém, dizer que não existe "alternativa na política" já é outra coisa; e é falso! Ele tem o direito de não gostar, mas não pode negar a existência de agendas fora do PT e com outras ideias. Assim, não deveria ele tentar meter na cabeça dos alunos da Fundação Lemann (jovens, provavelmente) a falsa noção de que estamos condenados e de que não adianta mudar.

8. Definitivamente, Barroso não tem talhe de estadista. Será que ele tem mesmo uma visão pessimista do futuro, ou se ocupa de suscitar o desânimo para um fim determinado?[*]

9. Diferente do que diz Barroso, há muito que se pode fazer pelo Brasil na hipótese da mudança. Ele terá razão quanto á baixa qualidade da maioria dos que estão em Brasília hoje, a começar pelo governo com o qual (para dizer o mínimo) ele simpatiza. Entretanto, é inegável haver propostas que podem entrar numa agenda de construção do país. A isso some-se uma inquietação de parte da maioria dos brasileiros, o que carrega certa "prontidão" para aderir a um esforço de reconstrução nacional.

O que faz barroso é, pois, imensamente destrutivo: planta o desânimo, a descrença, o pessimismo, sentimentos que levam a paralisar. Mas, paralisar quem? Ora, os insatisfeitos, porque os governistas não param de se mexer com muita energia e nenhum escrúpulo para manter tudo igual.

[*] Leia a fábula dos sapinhos em:

http://www.alertatotal.net/2016/04/cronica-da-coragem.html


Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

6 comentários:

Anônimo disse...

Até porque, Barroso não é nenhuma figura que pode se olhar no espelho e perguntar em que sou melhor do que Temer, Jucá, Cunha e Calheiros? Eu digo: MEU DEUS, O STF NUNCA FOI TÃO RUIM. A começar pelo deturpador Barroso que mentiu, ludibriou, leu pela metade um artigo do Regimento da Câmara sobre a Comissão do Impeachment e deturpou o que se encontra nos anais da Câmara dos Deputados Federais sobre o impeachment de Collor. E Marco Aurélio que está vendido desde a nomeação da filha pela Dilma? E Teori? E Rosa Weber tratada somenos pelo Lula? E até mesmo a Min.Carmem Lúcia com a história da compra da Casa? E Levandowski, essa vergonha nacional cujo dedo da Marisa Muda da Silva (muda, mas gananciosa e cornuda) tem no currículo? E o ex-advogado do PT DIAS TOFFOLI? E o FACHIN?

Anônimo disse...

Barrosinho está perdendo tempo como advogado...ele dá é para um bom decorador...tem talento...

CaioB disse...

É uma desgraça!
A figura mencionada no artigo não passa de um ideologizado pela "nova ordem mundial", ou por seus tentáculos.
Tal ideologização carrega a vítima para as profundezas do "lado escuro da força", de tal forma que só visualiza mais e mais escuridão e quanto mais adora os seres das trevas, cada vez mais por crescentes necessidades, mais escravo fica.
Os acólitos da sua ideologia matam no nascedouro toda e qualquer liderança que não seja a dos liminarmente afinados com as trevas.
O que a criatura falou significa ou a ignorância sobre as ações dele e dos seus pares que habitam o mundo em se meteu, por já estar em estágio de deslumbramento, ou então, atiçado pelos seus superiores, desdenha os potenciais concorrentes.
Infelizmente é a nossa realidade! Lutemos pela LUZ, depende de cada um de nós, as pessoas normais.

Roseane Gobbi disse...

E o fato de menos de dois meses após assumir o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso teve seu antigo escritório contratado – com dispensa de licitação – pela estatal Eletronorte para a prestação de serviços técnicos especializados em arbitragem. O valor do contrato é de R$ 2 milhões?

Anônimo disse...

E o fato de menos de dois meses após assumir o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso teve seu antigo escritório contratado – com dispensa de licitação – pela estatal Eletronorte para a prestação de serviços técnicos especializados em arbitragem. O valor do contrato é de R$ 2 milhões?

Anônimo disse...

O Ministro Marco Aurélio Mello fez a contracapa de um livro escrito pelo "jornalista" Paulo Moreira Leita (conhecido por defender o governo e escrever para site chapa=branca).
O livro é sobre a lava-jato e diz, na capa, que a operação vai contra a democracia.

http://geracaoeditorial.com.br/a-outra-historia-da-lava-jato/