domingo, 24 de abril de 2016

Padre Nosso do Imposto


Poesia Política no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Leandro Gomes de Barros 

Nunca se viu tanto imposto
Num país como esse nosso
Cobra-se até de quem reza
Padre Nosso.

Nos falta calçado e roupa
Quem compra mais um chapéu?
Acode-nos, pai da pobreza
Que estás no céu.

Olhe que o pobre matuto
Que vê o milho encostado,
Não pode guardar nem um dia
Santificado.

Carne fresca e toucinho
O pobre matuto não come,
Ainda que, o que ele implore
Seja o vosso nome.

Meu Deus! Temos esperança
Só no socorro de vós,
Fazei que um bom inverno
Venha a nós.

De rato, lagarta e formiga
Vos pedimos, defendei-nos
Imploramos todos os dias
Ao vosso reino.

Livrai-nos que contra nós
Caia a ira do prefeito
E o mercado da cidade
Seja feito.

Fazei que caia o imposto
Da municipalidade
Mas, queira Deus eles façam
A vossa vontade.

O estado nos oprime,
O município faz guerra,
Nunca se viu tanto imposto
Assim na terra.

Queixa-se o povo em geral
Que vive como tetéu
E o governo vive aqui
Como no céu…

Os deputados da Câmara
Conservam-se com grande roço”
Por terem por honorários
O pão nosso.

Quando querem nossos votos
Nos tratam com cortesia
Os impostos aumentando
De cada dia.

O dinheiro do tesouro
Some-se como quem foge,
A fortuna dos prefeitos
Nos dai hoje!

Destes impostos d’agora
Por caridade livrai-nos
As censuras que fizemos
Perdoai-nos.

Não temos mais o que fazer
As cousas vão tão insípidas!
Que não podemos pagar
As nossas dívidas.

Impostos por toda forma
O governo nos traz atroz
Deus queira que ele fique
Assim como nós.

O procurador nos cobra
Nós tão pobres nos vexamos
Mas quando ele nos deve
O perdoamos.

Os do governo se unem
Fazem como vós, com os vossos.
É preciso que vós auxilies
Aos nossos.

O governo nunca deu
Ouvido aos nossos clamores
Aceita queixas dos nossos
Devedores.

Por qualquer coisa nos multam
Só para nos perseguir
Nas unhas desses tiranos
Não nos deixeis cair.

O preço baixo da farinha
Nos faz grande confusão
Faz o agricultor cair
Em tentação.

Escutai nossos clamores
Nas aflições amparai-nos
E desses fiscais carniceiros
Livrai-nos.

Seja vós o protetor
Que nos sirva de fanal
Defendei-nos dos impostos
E do mal.

Permiti que o inverno
Venha cedo e chova bem
Livrai-nos de todas as multas
Amém.

Ofereço esse Padre-Nosso
Aos prefeitos do Estado,
Para que nas eleições
Cada um seja votado,
Adiante o município
E cada qual fique arrumado.


Cordel de Leandro Gomes de Barros, em 1915

Nenhum comentário: