sábado, 16 de abril de 2016

Sorumbática & Macambúzio


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A dupla cai. Pira ! Tem piti!

Nada como uma troca de moscas.

Veremos se partem calados ou empalados.

Sabemos que é difícil descalçar a bota. Melhor se livrar do caldoso e do janota. Este é fã do livro infantil “Reinações de Narizinho”. Talvez escreva um outro: “Onde enfiaram o pequeno polegar ?”

Na hora “H” até a capa preta se caga.

Enquanto o barco naufraga haverá luta de punhal e adaga.

É arcanjo que há muito tempo manjo.

Legiões de serafins e querubins, todos de um carguinho afins.

Acho que o cara é de uma antiga dinastia sueca: Vasa.

Melhor que ter dolar na cueca.

Esperemos o domingo. Pra Anta de esperança, nem um pingo.

A política de um arrogante se vinga. Só lhe sobra a companhia da pinga.

Hoje está que dá dó. Não lhe obedece nem o Rabicó.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

4 comentários:

Maria Beatriz Ceravolo disse...

kkkkkkk ÓTIMO,QUASE ROMÂNTICO!

Loumari disse...

As Verdadeiras Qualidades ao Alcance de qualquer Ser Humano

Ao avaliar o nosso progresso como indivíduos, tendemos a concentrar-nos nos factores externos como a nossa posição social, a influência e a popularidade, a riqueza e o nível de instrução. Como é evidente, são importantes para medir o nosso sucesso nas questões materiais, e é bem compreensível que muitas pessoas se esforcem principalmente por alcançar todos eles. Mas os factores internos podem ser ainda mais cruciais para determinar o nosso desenvolvimento como seres humanos. A honestidade, a sinceridade, a simplicidade, a humildade, a pura generosidade, a ausência de vaidade, a prontidão para servir os outros - qualidades que estão facilmente ao alcance de qualquer criatura -, formam a base da nossa vida espiritual.

"Nelson Mandela, Carta a Winnie Mandela, 1 Fevereiro 1975
África do Sul 18 Jul 1918 // 5 Dez 2013
Estadista, Nobel da Paz

Loumari disse...

O espírito não envelhece com as primeiras rugas nem se cansa de sonhar. Aliás, é no dia em que se cansa de sonhar que começa a envelhecer. O espírito prevalece.
(Margarida Rebelo Pinto)


A dimensão espiritual é essencial para dar a volta à vida, partir da verdade, assumir a responsabilidade do mal, readquirir confiança, reorganizar-se, criar autonomia e independência, gerar esperança.
(Dom Carlos Azevedo)


O fruto mais excelente do Espírito é o amor unido à benignidade, à bondade, à fidelidade e à mansidão - "Na tarde da vida seremos julgados pelo amor", escreveu São João da Cruz. Com o amor vem a alegria. A paz é a tranquilidade na ordem: há paz quando há justiça e tudo vai bem dentro de nós, com os outros, com Deus e a criação. A paz interior dá força à paciência, que não é resignação. O autodomínio mantém a pessoa íntegra para si e na sua entrega aos outros.
(Anselmo Borges)


Há alturas em que algo de novo parece ter despertado em nós. Pode, no entanto, demorar até podermos ter consciência do que isso significa.
(Maria José Costa Félix)


Quanto mais elevado é o espírito mais ele sofre.
(Arthur Schopenhauer)


Não basta termos um bom espírito, o mais importante é aplicá-lo bem.
(René Descartes)


Assim como pomos de lado uma roupa usada e vestimos uma nova, assim o espírito se desfaz da sua indumentária de carne e se reveste de uma nova. (Texto Hindu)


Onde o espírito não teme, a fronte não se curva.
(Rabindranath Tagore)

Loumari disse...

A Arte e a Vida

Todos nós sabemos, quando fazemos algo, o quanto deixámos de fora, o quão grandemente falhámos, e carregamos dentro de nós uma imagem da coisa perfeita que falhou na materialização, e isso nós encaramos como o poema, isso é o que pedimos que nos reconheçam. Isso é o nosso orgulho, o nosso ego, exigindo completo reconhecimento.

E é difícil separar a obra de arte do homem ou da mulher que a produziu. Tendemos a confundir os dois. No fim de contas, suponho, a história da luta que o artista atravessou para dar à luz a sua ideia é tão patente, tão intensa, que mesmo que queiramos permanecer críticos — às vezes — vemos que é quase impossível fazê-lo. Mas só porque a arte não é vida, só porque a arte é uma criação tão inextrincavelmente ligada à vida, precisamos de fazer grandes esforços para isolar o elemento da arte em vez do elemento da vida. Por vezes, parece-me quase ridículo dizermos que este homem é mais humano do que aquele, que revela mais da vida, etc., no seu trabalho.

Como pode alguém realmente dizer isso... se levarmos isto ao limite? Porque o último movimento da caneta é revelador... Tudo é revelação. É tudo um registo claro — para aquele que consegue ler — da luta entre o indivíduo e a vida. Exactidão e autenticidade... Estas são palavras que exprimem o grau da relação vital entre as duas, arte e vida, o grau de medida da luta.

"Henry Miller, in "Carta de Henry Miller a Anais Nin, 1933"
Estados Unidos 26 Dez 1891 // 7 Jun 1980
Escritor