domingo, 15 de maio de 2016

Finalmente, o impeachment


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Márcio Matos Viana Pereira

Da série de Artigos que escrevi, criticando a atuação do Governo Dilma, o último data de 10/03/16.    A partir do momento em que se me afigurou que a Presidente Dilma sofreria Impeachment, resolvi apenas acompanhar a evolução dos fatos.

Diante das graves ocorrências difundidas hoje, 09/05/16, quando atitude rasteira, facciosa, imoral e aparentemente absurda tomada pelo Deputado Valdir Maranhão que, assessorado e segundo comentário circulante, aconselhado e orientado pelo Governador do Maranhão e pelo Chefe da AGU, resolveu anular em decisão monocrática a decisão tomada por 367 membros da Câmara, que aprovaram a admissibilidade da Denúncia a ser enviada ao Senado para prosseguimento do rito do Impeachment, resolvi, como vinha fazendo, prosseguir analisando a evolução da conjuntura nacional.

Acompanhando na televisão as sessões do Senado, chegava a sorrir ante a debilidade dos mentirosos e inadequados argumentos dos defensores da denunciada, os quais, não tendo como defendê-la, apelavam, alternativamente, para chavões típicos da mentalidade retrógada petista, ora acusando a existência de GOLPE, ora enaltecendo a figura presidencial com elogios indevidos, posto que mentirosos, ao classificá-la como mulher honesta, honrada, séria e democrata, qualificativos  não adequados a sua biografia, ao seu presente e ao seu passado, afrontando assim a verdade e o dicionário  ao escolherem mal os qualificativos utilizados.

Como posso estar errado, para responder à minha consciência, pergunto: é honrada quem mente descaradamente para a Nação, apresentando-se como DEMOCRATA, quando com arma na mão fazia panfletagem pró COMUNISMO?;  é honesta quem por conivência, incompetência ou omissão permitiu, compactuou ou se omitiu, quando da negociata da compra da Refinaria de Pasadena?;  é séria quem pela mentira e pela utilização de dinheiro roubado da Petrobrás e não declarado como utilizado na campanha, venceu a eleição não por 54.000 votos, mas, por menos de 4.000 , mesmo tendo sido beneficiada por um vergonhoso estelionato eleitoral?

Ainda que haja sido poupada no Processo do Impeachment de responder sobre os fatos da Lava-Jato, bem como às denúncias do Senador Delcídio do Amaral, acredito, como a maioria dos brasileiros conscientes, que o Brasil ficará livre da teleguiada do Apedeuta Lula, fundador do Foro de São Paulo, que dita os rumos da política petista, e responsável pela inflexão da política externa brasileira no sentido de apoiar a falida e retrógada política bolivariana.

Surpreendeu-me ver e ouvir o Governador do Maranhão, o comunista Flávio Dino, formado em Direito e ex-juiz federal, olvidando a liturgia do cargo de Governador, ausentar-se do Estado, aparecendo na TV misturado a uma claque petista, repetindo como se ignorante fosse palavras de ordens de pelegos e sindicalistas integrantes do cerne da petralhada.   

Afirmar que Impeachment é golpe e, posteriormente, que Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe, apesar das expressivas e cabais provas em contrário expostas na mídia, somente por ignorância, normal na petralhada, mas inadmíssivel, mesmo como hipótese, em se tratando do Governador maranhense. O Governador Flávio Dino, provavelmente agiu por interesse político, objetivando se servir da mídia para se fazer conhecido e se projetar nacionalmente, antevendo a possibilidade ainda que mínima de disputar em 2018 a vice - presidência da República, além de agir induzido por fanatismo ideológico.

A sua atitude demagógica, incompatível com a sua postura pessoal séria, serve para exemplificar que os interesses pessoais e políticos momentâneos suplantam o senso de patriotismo, de responsabilidade e de dignidade funcional, subordinando até os mais legítimos interesses nacionais à oportunidade de, através de uma chicana, obter algo que lhe assegure um compromisso de futuro lucro ou vantagem, num amanhã já próximo. É o que como hipótese pode explicar a ligação do Governador com as trapalhadas mal engendradas pelo Deputado Valdir Maranhão.

Aliás, quem é integrante do PCdoB, Partido cuja História é um somatório de traições ao Brasil, objetivando implantar o COMUNISMO e cuja última tentativa fracassada foi a Guerrilha do Araguaia, não tem respaldo cívico e moral para falar em DEMOCRACIA.

Sou impulsionado a escrever,por considerar a Presidente Dilma manifestamente incompetente e suficientemente desonesta para administrar o Brasil. Vejo-a como uma criatura vingativa e despida de qualquer valor ético.  Entretanto, acolho o Impeachment sem euforia, por julgar o PMDB tão corrupto quanto o PT  e considerar  Miguel Temer, apesar de preparado, um aproveitador, e sem perfil de seriedade para comandar as prementes reformas imprescindíveis para o soerguimento nacional.

Sem rancor, mas sem pena, aguardo o momento de assistir a Presidente Dilma descer a rampa do Planalto, que jamais deveria ter ocupado por absoluta falta de méritos, rumo ao Alvorada, onde isolada e sentindo a falta dos bajuladores, como uma fracassada que o é sofrerá o vazio proporcionado pelos seus recalques.


Márcio Matos Viana Pereira é Coronel reformado do EB.

3 comentários:

Martim Berto Fuchs disse...

http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2016/05/para-quem-entregaremos-as-chaves-da.html

Anônimo disse...

Ela tem etica revolucionaria que subordina tudo aa causa.

Anônimo disse...

Foi feita sua vontade...

rsrs...