quinta-feira, 19 de maio de 2016

Lugar de Ladrão é na cadeia


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Vamos repetir à náusea o óbvio ululante:

Nenhum imposto até a quadrilha toda estar na cadeia.

Redução drástica de gastos. Fim das “boquinhas”, dos cartões corporativos e outros meios de achaque mais inventivos.

Fim de patrocínio com dinheiro público de artistas mequetrefes, que não passam de blefes.

Cortar relações diplomáticas com países que mamaram o dinheiro do contrbuinte brasileiro.

Sair de “organismos internacionais” supérfluos. Bando de vagabundos que atentam contra nossa soberania.

Reforçar, sim, alianças com países de verdade e não com nanicos de opereta.

Como no Facebook, vamos deletar os merdas. Se preciso deletemos o próprio, cujo chefe parece ter feito acordo espúrio com a Anta para nos censurar, violando nossa Constituição.

Enfim! Tiremos da tuba da banda do Serafim, gato e chupim de Jó, que no passado jogava caxangá, com seus pseudo subordinados (que na verdade se divertiam com sua empáfia e vaidade). Codinome: genérico.

O bocó se acha grande articulador. Foi da capa preta mas já conhecemos sua mutreta.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

8 comentários:

Anônimo disse...

E ainda falta a "Rose", cheia de segredos.

Loumari disse...

Portugal sendo um país pequeno, praticamente uma pigmeia entre as suas irmãs, mas Portugal gerou grandes conquistadores. E Brasil o que gerou?
Portugal sempre foi modestamente humilde, e graças a Deus tem dois dos seus concidadãos enobrecidos pelo Prix Nobel.
José de Sousa Saramago, Literatura, 1998
António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz, Fisiologia ou Medicina, 1949
E o gigante Brasil com o seu povo que se estima raça superior, o deus do mundo o que trouxeram ao mundo que tem o mérito de ser enobrecido?
No ranking Internacional numa lista que inclui 70 países não nativos inglês do 'EF English Proficiency Index Portugal figura no 13ª lugar com a classificação da nota: Very High! Alto nível de inglês têm os Tugas.
Brasil foi ao mesmo exame e saiu classificado no 41ª posição.
E vão ver que a maioria de portugueses falam fluentemente bem o francês e o inglês Ha gente pobre mais honrada.

E querem saber em que lugar vem classificada Argentina nos países que falam inglês? 15ª Os Argentinos são bons em inglês.
E nunca ouvimos os argentinos passarem a vida a resmungar e culpar os outros povos de seus problemas. Tocam o fundo e acabam por de eles mesmos subir a superfície sozinhos.
Brasileiros só sabem criar problemas e nunca sabem resolvê-los. E passam a vida a procurar por um culpado ideal a quem vão imputar a culpa de sua falta de inteligência e competência. São vítimas de todos e de tudo. Eles nunca são responsàveis de nada. Senhores, as verdadeiras conquistas são conquistadas com coragem, inteligência, com tenacidade e honradez. Não se conquista o mundo com dinheiro. Agora que o vosso dinheiro esgotou, inteligência zero, estratégia zero, é a casa que desmorona.
Realmente esta gente não sabe que coisa é envergonhar-se.


Direis: Envergonhados estamos, porque ouvimos opróbrio; vergonha cobriu o nosso rosto, porque vieram estrangeiros sobre os santuários da casa do Senhor.
(JEREMIAS 51:51)

ALMANAKUT BRASIL disse...

LULA Ladrão

Rachel Sheherazade

https://www.youtube.com/watch?v=crfWYNiQ52c

Loumari disse...

Hoje Tomei a Decisão de Ser Eu

Hoje, ao tomar de vez a decisão de ser Eu, de viver à altura do meu mister, e, por isso, de desprezar a ideia do reclame, e plebeia sociabilizacão de mim, do Interseccionismo, reentrei de vez, de volta da minha viagem de impressões pelos outros, na posse plena do meu Génio e na divina consciência da minha Missão. Hoje só me quero tal qual meu carácter nato quer que eu seja; e meu Génio, com ele nascido, me impõe que eu não deixe de ser.
Atitude por atitude, melhor a mais nobre, a mais alta e a mais calma. Pose por pose, a pose de ser o que sou.
Nada de desafios à plebe, nada de girândolas para o riso ou a raiva dos inferiores. A superioridade não se mascara de palhaço; é de renúncia e de silêncio que se veste.
O último rasto de influência dos outros no meu carácter cessou com isto. Reconheci — ao sentir que podia e ia dominar o desejo intenso e infantil de « lançar o Interseccionismo» — a tranquila posse de mim.
Um raio hoje deslumbrou-me de lucidez. Nasci.

"Fernando Pessoa, 'Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação'
Portugal 13 Jun 1888 // 30 Nov 1935
Poeta


Loumari disse...

Ao Lado do Ofício de Mandar Deve Andar o de Sugerir

Ninguém pode mandar só, se houver de mandar como convém. Ao lado do ofício de mandar, deve andar sempre o ofício de sugerir, ou como companheiro, ou como instrumento inseparável. A obrigação e exercício deste segundo e tão importante ofício, é o que significa a mesma palavra sugerir; que vem a ser, lembrar, advertir, inspirar, aconselhar, conferir, persuadir, despertar, instar. Os talentos que para o mesmo ofício se requerem, são maiores e mais relevantes: grande entendimento, grande compreensão, grande juízo, grande conselho, grande zelo, grande fidelidade, grande vigilância, grande cuidado, grande valor. As disposições e os meios com que se exercita, ainda são de mais altas e mais interiores prerrogativas: suma comunicação, suma confiança, íntima amizade, íntima familiaridade, íntimo amor; e não só perfeita união, senão ainda unidade. De sorte que os dous sujeitos em que concorrerem estes dous ofícios, de tal maneira hão-de ser dous, que verdadeiramente sejam um: de tal maneira hão-de ser diversos, que verdadeiramente sejam o mesmo. Há-se de multiplicar neles o número, mas não se há-de dividir a unidade.

"Padre António Vieira, in "Sermões"
Portugal 6 Fev 1608 // 18 Jul 1697
Padre/Escritor

Loumari disse...

A Cegueira da Governação

Príncipes, Reis, Imperadores, Monarcas do Mundo: vedes a ruína dos vossos Reinos, vedes as aflições e misérias dos vossos vassalos, vedes as violências, vedes as opressões, vedes os tributos, vedes as pobrezas, vedes as fomes, vedes as guerras, vedes as mortes, vedes os cativeiros, vedes a assolação de tudo? Ou o vedes ou o não vedes. Se o vedes como o não remediais? E se o não remediais, como o vedes? Estais cegos. Príncipes, Eclesiásticos, grandes, maiores, supremos, e vós, ó Prelados, que estais em seu lugar: vedes as calamidades universais e particulares da Igreja, vedes os destroços da Fé, vedes o descaimento da Religião, vedes o desprezo das Leis Divinas, vedes o abuso do costumes, vedes os pecados públicos, vedes os escândalos, vedes as simonias, vedes os sacrilégios, vedes a falta da doutrina sã, vedes a condenação e perda de tantas almas, dentro e fora da Cristandade? Ou o vedes ou não o vedes. Se o vedes, como não o remediais, e se o não remediais, como o vedes? Estais cegos. Ministros da República, da Justiça, da Guerra, do Estado, do Mar, da Terra: vedes as obrigações que se descarregam sobre vosso cuidado, vedes o peso que carrega sobre vossas consciências, vedes as desatenções do governo, vedes as injustças, vedes os roubos, vedes os descaminhos, vedes os enredos, vedes as dilações, vedes os subornos, vedes as potências dos grandes e as vexações dos pequenos, vedes as lágrimas dos pobres, os clamores e gemidos de todos? Ou o vedes ou o não vedes. Se o vedes, como o não remediais? E se o não remediais, como o vedes? Estais cegos.

"Padre António Vieira, in "Sermões"
Portugal 6 Fev 1608 // 18 Jul 1697
Padre/Escritor

Loumari disse...

A qualidade de um Governo afere-se pelo grau de comunicabilidade que estabelece com os outros, e pelo sentido ascensional que possui do tempo e do espaço para elevar a vida colectiva.
(Baptista-Bastos)

Loumari disse...

Um Governo que recusa, constantemente, a obrigação de ouvir o outro, admite a possibilidade do direito à desobediência.
(Baptista-Bastos)


Um governo que não remodela reduz a sua capacidade de recuperar popularidade, mas evita enviar sinais de crise interna.
(Pedro Magalhães)


Um dos dramas dos Governos modernos é que dominam bem os números e as estatísticas, mas com frequência nada sabem sobre a vida comum dos seus concidadãos.
(José Manuel Fernandes)


Governar é decidir em tempo justo as soluções para os diversos problemas, considerando a oportunidade, a correcção das soluções encontradas e a divergência dos interesses que se cruzam nos problemas em estudo.
(Nuno Grande)



Um bom Governo é aquele cujas decisões servem a maioria.
(Baptista-Bastos)


Quando os cidadãos não confiam no poder, este deixa de o ser. Transforma-se num fantasma irritante que só traz pesadelos à sociedade.
(Fernando Sobral)



Os governos apodrecem porque não precisam de fazer ginástica para se manter. O poder é-lhes entregue de bandeja e depois basta ficar a gozar o espectáculo da auto-destruição da oposição, num estertor patético de desnorte completo.
(João Vieira de Almeida)