segunda-feira, 16 de maio de 2016

O desmonte do Estado e o Contra Governo


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão

Vivemos uma época de grandes contrastes e período de forte turbulência. As crises que nos ameaçam não são poucas, e a revisão do modelo será dura, lenta e de progressão extremamente desagradável à sociedade civil. Os ricos ficaram mais endinheirados, a classe média empobreceu e a classe pobre respira o ar da miserabilidade.

Foram treze anos com um gosto amargo de um completo desmonte do Estado pela situação do legado deixado. O aumento da dívida pública, falta de governabilidade, excesso de locuções e viagens perdidas, e tudo é culpa da oposição se é que existe e da crise internacional que não poupou os emergentes. Discurso retórico.

Quando se abateu o problema em 2008 nos Estados Unidos pregavam que passaríamos por uma marolinha e tudo seria bem rápido sem necessitarmos de grandes ajustes ou elevação de impostos. No entanto não foi o que observamos. Chegamos a sexta economia do planeta, tivermos grau de investimento, foram feitas aberturas de capital de empresas, mas o
Brasil perdeu o rumo da história, talvez a maior chance e a inestimável oportunidade de entrar para as Nações ricas. Desperdiçamos em vão o que tínhamos de mais importante a confiança e credibilidade.

A reserva do Banco Central de mais de 300 bilhões contrasta com a situação do Estado, dos bancos estatais, dos governos estaduais e da maioria das prefeituras,num calote imenso e no total colapso que atravessam. O desmonte do Estado, é bom que se registre, aconteceu de forma adrede, mediante um aparelhamento de opinião midiática e organizações em prol do governo, mas não demorou muito para que viesse a baila o distanciamento do discurso com a realidade vivenciada.

A reforma do Estado é motivo mais do que urgente, pois o desmonte atingiu todas as políticas públicas demagógicas que ao invés de liberar a escravidão dos menos favorecidos criou ciclo de dependência e conteúdos vazios que ao longo dos anos são interrompidos. O mais agudo problema, o desafortunado movimento da corrupção entrando em todos os níveis e setores da vida pública em conluio com grandes empresas privadas.

Bem finda uma época, ao menos de forta transitória, o que mais deixa evidencia é o contragoverno, ou seja, aqueles depostos do poder, vencidos mas não convencidos pedem espaço para brigar, lutar, e denunciar o golpe no Brasil e no exterior. Essa posição absolutamente infeliz e sem falso moralismo apenas desserve a visão do País lá fora e quebra a rotina da segurança,por tudo isso é fundamental esperar o julgamento a ser processado ,sob a presidência do Ministro do STF, quando então ecoarão sinais de condenação ou absolvição.

Ninguém discute que temos um governo interino, formado de políticos exclusivamente, numa construção de aliança entre os partidos, os maiores responsáveis pela situação e estágios atuais da Nação. Sem dúvida se conseguirão tirar o Brasil do atoleiro não se sabe, mas dias amargos estão previstos,pois que a gastança fora tamanha e o luxo enorme, através de cartões corporativos que sangramos profundamente,os serviços públicos absolutamente esvaziados e os preços das tarifas em alta.

Como resolver o impasse exceto pelo caminho de parcerias e a vinda de recursos estrangeiros no sentido de aumentar a infra estrutura e dar visibilidade daqui pouco tempo com a realização dos jogos olímpicos. Depois de mais de cinco séculos do descobrimento não podemos continuar sendo o País do jeitinho, do atraso, das alianças espúrias, dos crimes violentos, das mortes diárias e de doenças epidêmicas e endêmicas.

A realidade que projetamos é bem mais auspiciosa e fundada no produto interno bruto que jamais poderia ser negativo em dois anos seguidos, impactando fortemente na crise de empresas e no âmbito da volatilidade dos negócios. A questão do BRIC não resolve nosso problema e os contornos das negociações passam por projetos de costura envolvendo a Europa e os EUA, teimamos em nos alijar do progresso, recorrer a desordem e instaurar um contragoverno de legitimidade pelo voto conta a ilegitimidade da interinidade, em nada isso contribui para sairmos do estágio do caos.

O desmonte do Estado seria um delito de lesa pátria, já que afetará gerações, além do que a propositura dogmática do contragoverno significa o maior retrocesso, já que todos devem cooperar e colaborar direta ou indiretamente para sairmos da encruzilhada que estamos enfiados, e a missão entregue aos que assumem não será nada palatável,pois medidas duras desagradarão a muitos ou quase todos, e tudo reflete anos a fio de desgoverno sem a preocupação com as finanças e sim uma política do bem estar social predatória e nefasta à Nação.


Carlos Henrique Abrão, Doutor em Direito pela USP, é Desembargador no Tribunal de Justiça de São Paulo.

3 comentários:

Loumari disse...

Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? (MATEUS 7:15)

Loumari disse...

Ninguém pode servir a dois senhores; porque, ou há-de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamon (dinheiro; fortuna). Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos, quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestido? (MATEUS 6:24)


Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus. ( LUCAS 4:4 )


Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? ( MATEUS 16:26 )


E JESUS disse-lhes: Adverti, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus. ( MATEUS 16:6 )


Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.
(MATEUS 10:16)


Sede sóbrios; vigiai; porque o DIABO, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a que possa tragar.Ao qual resisti, firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo.
(1 PEDRO 5:8)


E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto, sede sóbrios e vigiai em oração. Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros, porque o amor cobrirá uma multitude de pecados; Sendo hospitaleiros uns para com os outros, sem murmurações. Cada um administre aos outros o dom, como o recebeu, como bons dispenseiros da multiforme GRAÇA DE DEUS. (PEDRO 4:7)

Anônimo disse...

O que passou não quero nem lembrar, meninos eu vi, os crimes e as sabotagens praticadas foram todas executadas com o conhecimento e as bênçãos do judiciário e ainda estão aqui para quem quiser ver. Nos município e estados a ordem é fingir que não vê, narcotráfico, contrabando, sonegação, jogos ilegais, danificar equipamentos, jogar materiais e merenda escolares no lixo esconder e jogar remédios e vacina, soltar bandido de alta periculosidade, e não deixar os processos caminhar, essas e outras para atravancar o Brasil. SERRÃO TUDO ISSO JÁ VENHO DENUNCIANDO A MAIS DE ANO, ENTÃO NÃO ME CENSURE, QUE EU NÃO FALEI QUE A MAÇONARIA ESTÁ JUNTO NESSAS SABOTAGENS...