sábado, 28 de maio de 2016

Prelúdio



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

Na Rússia, “pato”, além de seu significado normal, é um termo para DESINFORMAÇÃO. “Quando os patos estão voando” significa que a imprensa está publicando DESINFORMAÇÃO.
                                             ______________________

O texto abaixo – Prelúdio – é o capítulo inicial do livro “Desinformação”, escrito por ION MIHAI PACEPA - Tenente-General, que foi chefe do serviço de espionagem do regime comunista da Romênia e que desertou para os EUA em julho de 1978, onde vive até hoje com uma nova identidade mantida em sigilo em função dos segredos de Estado revelados em seus livros -, e RONALD J. RICHLAK, advogado, jurista, professor de Direito Constitucional da Universidade de Mississipi, e consultor da delegação permanente da Santa Sé na ONU.

Era após era, aquele que sentou no trono do Kremlin – czar autocrata, líder comunista ou presidente democraticamente eleito – preocupou-se em transformar o país num monumento a si próprio e com controlar todas as expressões de religião que pudessem de algum modo ir de encontro às suas ambições políticas.

Mais ainda: os governantes russos tradicionalmente se valeram de sua polícia política como meio para realizar em segredo os seus planos imponentes. O czarismo, o comunismo e a Guerra-Fria podem ter sido engolidos pelas areias do tempo, mas o Kremlin dá continuidade a essas tradições.

Vez ou outra, a mão do Kremlin alcança também os Estados Unidos.
Em março de 1996, uma notícia impressionante sobressaltou a consciência americana. O Conselho Nacional de Igrejas (NCC, em inglês) e o Centro para Renovação Democrática (CDR, em inglês), duas organizações sigilosamente comunistas sediadas nos EUA, fizeram uma coletiva de imprensa para anunciar “um imenso crescimento”de casos de igrejas de negros incendiadas nos EUA.

No dia 8 de junho, o presidente Bill Clinton denunciou esses incêndios em um discurso de rádio e propôs uma força-tarefa federal para investigá-los. O presidente falou, emocionado, sobre as suas próprias “recordações vividas e dolorosas de igrejas de negros sendo queimadas em meu próprio Estado (Arkansas) quando eu era criança”. Acusando a “hostilidade racial” de ser a força motriz por trás dos incêndios, ele se comprometeu a empregar toda força do governo federal na investigação. Em 15 de junho, o FBI e a Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF, em inglês) designaram 200 agentes federais para uma força-tarefa a fim de investigar os incêndios em igrejas de negros. Em julho, os incêndios praticados essas igrejas cresceram exponencialmente, tendo aparecido mais de 2.200 artigos a condenar o que o Centro para Renovação Democrática chamou “um movimento supremacista branco bem articulado”.  

A história se espalhou como fogo no mato, em toda parte inflamando pessoas honestas contra os supostos americanos racistas responsáveis por crimes tão terríveis. De Genebra, na Suíça, o Conselho Mundial de Igrejas (WCC, em inglês) enviou 38 pastores a Washington para dar ao governo e povo americano mais informações sobre essa tragédia racista sem precedentes.

Em 13 de julho de 1996, o presidente Clinton assinou o Ato de Prevenção de Incêndios em Igrejas, o qual tornou crime federal o ato de incendiar igrejas, Em 7 de agosto, ele também assinou um orçamento d 12 milhões de dólares para combater incêndios de congregação negra. Poucos dias depois, o Conselho Nacional de Igrejas publicou anúncios de página inteira no New York Times, no Washington Post e inúmeros outros jornais pedindo doações para o seu novo “Fundo para Igrejas Incendiadas”. Em 9 de agosto, o Wall Street Journal noticiou que o Conselho levantara “quase 9 milhões de dólares”, e que “as doações prosseguiam ao ritmo de quase 100 mil dólares por dia”.

Até que a casa caiu! Por fim, foi revelado por um grupo privado – a Associação de Proteção Nacional Contra Incêndios – que em anos recentes houvebem menos casos de igrejas incendiadas, e funcionários de órgãos de polícia do Sul não conseguiram confirmar que sequer um deles tivesse sido por motivação racial. Nenhuma igreja foi queimada no Arkansas durante a infância de Clinton apesar se suas “recordações vividas e dolorosas” e o Conselho Nacional de Igrejas foi acusado de fabricar “uma imensa notícia falsa de incêndios de igrejas”.

A pista para compreender a significância da mentira sobre incêndios a igrejas de negros está no fato documentado de que o Conselho Mundial de Igrejas, que lançou e promoveu a notícia, foi infiltrado e por fim controlado pelo Serviço de Inteligência russo desde 1961. O Arquivo Mitrokhin, uma coleção volumosa do Serviço de Inteligência estrangeiro soviético, que foi contrabandeado para fora da União Soviética em 1992, dá as identidades e os codinomes da Inteligência soviética de muitos padres ortodoxos russos despachados, ao longo dos anos, para o Conselho Mundial de Igrejas com o objetivo específico de influenciar a política e as decisões desse órgão. De fato, em 1972, a Inteligência soviética conseguiu ter o Metropolita Nikodin (agente “Adamant”) eleito presidente do WCC. Um documento da KGB, de 1989, se vangloria: “Agora a agenda do WCC é também a nossa agenda”.  Mais recentemente, o Metropolita Kirill (agente “Mikhaylov”), que fora um representante influente no Conselho Mundial de Igrejas desde 1971 e, após 1975, um membro do Comitê Central do WCC, foi, em 2009, eleito patriarca da Igreja Ortodoxa Russa.

O citado ataque infamante aos EUA e às suas igrejas não tinha, de fato, nada de surpreendente. Reflete como o Kremlin tem, a longo de séculos, preferido alcançar suas políticas internas e externas por meio de logros complexos. Religião freqüentemente comparece nas operações de líderes russos, tradicionalmente cínicos, os quais têm se considerado o único Deus que a humanidade precisa.

Historicamente, a manipulação da religião realizada pelo Kremlin com vista a seus próprios objetivos políticos, data do Século XVI. Quando Ivan IV, o Terrível, coroou-se a si próprio, em 1547, como primeiro czar russo, também fez de si próprio o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, como foi reconhecido pelo patriarca de Constantinopla em 1591. O Principado de Moscou só recentemente foi libertado pela destruição do Império Bizantino pelos turcos, e foi deste último que Ivan herdou a idéia de uma “sinfonia da Igreja e do Estado”. A diferença era que, em vez de ter um Imperador e um Patriarca – como em Bizâncio – o próprio Ivan assumiu os dois títulos. Essa fusão de funções persistiu com todos Czares, até Nicolau II; com todos os líderes soviéticos, de Lenin a Boris Yeltsin; e ainda vige na Rússia atual, de Vladimir Putin.

Ivan IV também foi o primeiro líder da Rússia a estabelecer a sua própria polícia política, aOprichinina. Criada em 1654 sob a direção pessoal de Ivan, foi usada principalmente para controlar os aristocratas que ameaçavam o seu reino. Essa tradição também prosseguiu, mudando muitas vezes de nome, até à ameaçadoramente familiar KGB (Komitet Gosudarstvennoy Bezapasnost ou Serviço Federal de Segurança). A polícia política da Rússia sempre foi responsável por manter a ordem na Igreja e no Estado, de acordo com os comandos do homem sentado no trono do Kremlin.

Foi durante o período que precedeu a II Guerra Mundial que os líderes do Kremlin começaram a pensar seriamente em dominação mundial e em melhorar a organização e encargos de seu Serviço de Inteligência Estrangeiro. Em qualquer outro lugar do mundo, Serviços de Inteligência Estrangeiros estavam em primeiro lugar destinados a coletar dados para ajudar seus chefes de Estado a conduzir as relaçõ4sexrteriores. Mas na Rússia, e depois por toda a esfera de influência russa, essa atividade sempre foi mais ou menos irrelevante.

O seu real objetivo era manipular o futuro e não apenas aprender sobre o passado. Especificamente, a idéia foi a de fabricar um novo passado para alvos inimigos, de forma a alterar o modo com que o mundo o percebe. Além de mirar governantes ocidentais – em particular, hoje em dia, dos EUA -, o Kremlin veio a compreender as religiões ocidentais como ameaças perigosamente hostís.

Isso nos traz ao título deste livro – DESINFORMAÇÃO -. Desde a II Guerra Mundial, DESINFORMAÇÃO tem sido a arma mais eficiente do Kremlin em sua guerra contra o Ocidente, especialmente contra a religião ocidental. Josef Stalin inventou essa “ciência” secreta, dando-lhe seu nome à francesa e fingindo que era uma prática imoral do Ocidente. Como ficará demonstrado ao longo destas páginas, o Kremlin caluniou em segredo, e com sucesso, prelados católicos de destaque, culminando no Papa Pio XII; quase conseguiu assassinar João Paulo II; inventou a Teologia da Libertação, uma doutrina marxista que voltou muitos católicos europeus e latino-americanos contra o Vaticano e os EUA; promoveu o anti-semitismo e o terrorismo internacional; e inspirou rebeliões anti-americanas no mundo islâmico.

Apesar do desaparecimento do comunismo soviético, a desinformação e seu aparato internacional camuflado ainda seguem muito bem, obrigado. Continuam a distorcer o modo como milhões de pessoas vivem nos EUA; ainda manipulam a religião – qualquer religião – e desempenham papel importante na promoção do terrorismo internacional de hoje.
Mao-Tse Tung sentiria orgulho. Ele ficou famoso por dizer que uma mentira repetida cem vezes se tornaria uma verdade. 

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

4 comentários:

Loumari disse...

Ao ler este texto fartei-me de rir. Fartei-me de rir por realizar quão idiotas somos nós os seres humanos!
Olhem só pela tanta energia que é desperdiçada para coisas totalmente inúteis?
Como podemos ser idiotas até ao tal ponto?
E o mais estranho é constatar que muitos de entre nós sabemos que o que fazemos não nos leva a nada de bom, mas continuámos a defender os nossos erros como se defendessemos uma herança.
Definitivamente, a estupidez humana não tem limites.



A inovação é o que distingue um líder de um seguidor.
(Steve Jobs)


Continua sempre insatisfeito, continua sempre louco.
(Steve Jobs)


Queres passar o resto do tempo da tua vida a vender água com açucar ou queres ter a oportunidade de mudar o mundo?
(Steve Jobs)


Não me sinto um destruidor; o que quero é que tudo nasça com a força que as cousas verdadeiras e naturais merecem, e que o ranço velho não estrague o azeite novo.
(Miguel Torga)


A personalidade criadora deve pensar e julgar por si mesma, porque o progresso moral da sociedade depende exclusivamente da sua independência.
(Albert Einstein)


"Aqui o Einstein falou bem. Se observamos os povos, vamos ver que o povo de Cristo é que criou e fez progredir o mundo tal o conhecemos devido a independência que Jesus Cristo nos concedeu. A LIBERDADE DE PENSAR. Ser livre que nem uma pomba. Abre as tuas asas e voa. Exprime o teu total potencial intelectual. Mas, não te esqueças de observar as leis de Deus, teu Pai e Criador.

Loumari disse...

Porque sei que são muitas as vossas transgressões, e enormes os vossos pecados: afligis o justo, tomais resgate, e rejeitais os necessitados na porta.
Portanto, o que for prudente guardará silêncio naquele tempo, porque o tempo será MAU.
Buscai o bem e não o mal, para que vivais; e assim o SENHOR, O DEUS DOS EXÉRCITOS, estará convosco, como dizeis.
Aborrecei o mal, e amai o bem, e estabelecei o juízo na porta: talvez o SENHOR, O DEUS DOS EXÉRCITOS, tenha piedade do resto de José.
Portanto, assim diz o SENHOR DEUS DOS EXÉRCITOS: Em todas as ruas haverá pranto, e em todos os bairros dirão: Ai! ai! E ao lavrador chamarão para choro, e para pranto os que souberem prantear.
E em todas as vinhas haverá pranto; porque passarei pelo meio de ti, diz o SENHOR.
Ai daqueles que desejam o dia do Senhor! para que quereis vós este dia do Senhor? TREVAS SERÁ, E NÃO LUZ.
Como se um homem fugisse de diante do leão e se encontrasse com ele o urso, ou como se, entrando numa casa, a sua mão encontrasse à parede e fosse mordido de uma cobra.
Não será, pois, o dia do Senhor trevas e não luz? não será completa escuridade, sem nenhum resplandor?
Aborreço, desprezo as vossas festas, e as vossas assembleias solenes não me dão nenhum prazer.
E, ainda que me ofereçais holocaustos, e ofertas de manjares, não me agradarei delas: nem antentarei para as ofertas pacíficas dos vossos animais gordos. ( o religião islâmica é que tem este costume de sacrificar bodes para as suas festas.)
AFASTA-TE DE MIM o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei melodias dos teus instrumentos.
Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça como o ribeiro impetuoso.
Oferecestes-me vós sacrifícios e oblações, no deserto, por quarenta anos, ó casa de Israel?
Antes, levastes a tenda do vosso Moloch, e o altar da vossas imagens, a estrela do vosso deus, que fizestes para vós mesmos.
Portanto, vos levarei cativos, para além de DAMASCO, DIZ O SENHOR, CUJO NOME É O DEUS DOS EXÉRCITOS.
(AMOS 5:12)


Porque assim diz o SENHOR à casa de Israel: BUSCAI-ME, E VIVEI.
(AMOS 5:4)

Loumari disse...

Vós, que converteis o juízo em alosna, e deitais por terra a justiça,
Procurai o que faz sete-estrelo, e o orion, e torna a sombra da noite em manhã, e oscurece o dia como a noite; o que chama as águas do mar, e as derrama sobre a terra; O SENHOR É O SEU NOME.
Que faz subir súbita destruição sobre o forte, de sorte que vem a assolação contra a fortaleza.
Aborrecem na porta ao que os repreende, e abominam o que fala sinceramente.
Portanto, visto que pisais o pobre, e dele exigis um tributo de trigo, edificareis casas de pedras lavradas, mas nelas não habitareis; vinhas desejáveis plantareis, mas não bebereis do seu vinho.
(AMOS 5:7)

Loumari disse...

ELE é sábio de coração, PODEROSO EM FORÇA; quem se endureceu contra Ele e teve paz?
Ele é o que transporta as montanhas, sem que o sintam, e o que as transtorna no seu furor.
O que remove a terra do seu lugar, e as suas colunas estremecem.
O que fala ao sol, e ele não sai, e sela as estrelas.
O que só estende os céus, e ainda sobre os altos do mar.
O que faz a Urza, o Orion, e o Sete-Estrelo, e as recâmaras do sul.
O que faz coisas grandes, que se não podem esquadrinhar, e maravilhas tais, que se não podem contar.
Eis que passa por diante de mim, e não o vejo; e torna a passar perante mim, e não o sinto.
Eis que arrebata a presa; quem lha fará restituir? Quem lhe dirá: Que fazes?
DEUS não revogará a sua ira; debaixo dele se encurvam os auxiliadores soberbos.
Quanto menos lhe poderei eu responder ou escolher diante dele as minhas palavras!
A Ele, ainda que eu fosse justo, lhe não responderia; antes, ao meu Juiz pediria mesericórdia.
Ainda que chamasse, e Ele me respondesse, nem por isso creria que desse ouvidos à minha voz.
Porque me quebranta com uma tempestade, e multiplica as minhas chagas sem causa.
Nem me permite respirar, antes, me farta de amarguras.
Quanto às forças, eis que Ele é forte; e, quanto ao juízo, quem me citará com Ele?
Se eu me justificar, a minha boca me condenará; se recto me disser, então me declarará perverso.
Ainda que perfeito, não estimo a minha alma; desprezo a minha vida.
A coisa é esta; por isso, eu digo que Ele consome ao recto e ao ímpio.
Matando o açoite, de repente, então se rida prova dos inocentes.
A terra é entregue às mãos do ímpio; Ele cobre o rosto dos juízes; se não é Ele, quem é logo?
E os meus dias são mais velozes do que um correio; fugiram, e nunca viram o bem.
Passam como navios veleiros; como águia que se lança à comida.
Se eu disser: Eu me esquecerei da minha queixa, mudarei o meu rosto e tomarei alento;
Receio todas as minhas dores, porque bem sei que me não terás por inocente.
E, sendo eu ímpio, por que trabalharei em vão?
Ainda que me lave com água de neve, e purifique as minhas mãos com sabão;
Mesmo assim, me submergirás no fosso, e os meus próprios vestido me abominação.
Porque Ele não é homem, como eu, a quem eu responda, vindo juntamente a juízo.
Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos.
Tire Ele a sua vara de cima de mim, e não me amedronte o seu terror.
Então falarei, e não o temerei; porque assim não estou em mim.
(JOB 9:4)


A MINHA alma tem tédio de minha vida; darei livre curso à minha queixa falarei na amargura da minha alma.
Direi a DEUS: Não me condenes; faze-me saber porque contendes comigo.
(JOB 10)


Eu reprendo e castigo a todos quantos amo; sê, pois, zeloso, e ARREPENDE-TE.
Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.
Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo, no meu trono, assim como eu venci, e me assentei com meu Pai, no seu trono.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
(APOCALIPSE 3:19)


Então, disse JESUS aos seus discípulos:
Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;
(MATEUS 16:24)


Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.
(1 PEDRO 1:16)


Portanto Abraão obedeceu à minha voz, e guardou o meu mandado, os meus preceitos, os meus estatutos, e as minhas leis.
(GENESIS 26:5)


Para que vos lembreis de todos os meus mandamentos, e os façais, e santos sejais ao vosso DEUS.
(NÚMEROS 15:40)


Assim diz o Senhor: Quem ouvir, ouça, e quem deixar de ouvir, deixe; porque casa rebelde são eles.
(EZEQUIEL 3:27)