sexta-feira, 3 de junho de 2016

Lava Jato tem provas que propinas pagaram cabeleireiro e até teleprompter para Dilma, a "Rainha da Sucata"


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Sempre pintada em prosa e verso como "mulher honesta", Dilma Rousseff fica cada vez mais próxima do impedimento final, que terá como consequência a fatal inclusão de seu nome no processo movido por investidores, nos Estados Unidos, contra a Petrobras. Assim que perder o trono no Palácio do Planalto, Dilma vai se transformar na "Rainha da Sucata". Desde quanto era presidente do Conselho de Administração da Petrobras, Dilma tinha pleno domínio de todos os fatos que aconteciam na estatal. Tal tese não será usada em seu impeachment, mas em futuras ações judiciais, no Brasil e no exterior. Será o "Passadilma"...

Não só por culpa da delação premiada do ex-diretor Internacional da Petrobras. A Procuradoria Geral da República já teria informações - obtidas no sistema armazenamento de dados do Palácio do Planalto - de que os esquemas de corrupção na Petrobras fizeram pagamentos de itens pessoais para a Dilma. Até as viagens a Brasília do cabeleireiro paulista Celso Kamura eram bancados pelas gestores das falcatruas. Até um teleprompter foi adquirido, sem necessidade de licitação, com as "verbas obtidas por fora" na Petrobras.

O ministro Teori Zavascki ampliou a megadestruição na imagem de Dilma, ao tornar públicas as inconfidências de Cerveró, que até então eram guardados em inexplicável caráter sigiloso. Nestor Cerveró garantiu que Dilma tinha todos os detalhes sobre a compra da sucateada refinaria norte-americana de Pasadena. Para piorar, Ceveró defendeu que Dilma sabia que políticos do PT e aliados recebiam propinas em negócios com a petrolífera brasileira. O delator citou até uma informação obtida junto ao senador cassado Delcídio Amaral, que teria ouvido de Dilma a promessa de "cuidar dos meninos" (referindo-se ao próprio Cerveró e a Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras.  

No depoimento prestado em 7 de dezembro de 2015, Cerveró só deu uma aliviada na conduta pessoal de Dilma: “Que o declarante supõe que Dilma Rousseff sabia que políticos do Partido dos Trabalhadores recebiam propina oriunda da Petrobras; que, no entanto, o declarante nunca tratou diretamente com Dilma Rousseff sobre o repasse de propina, seja para ela, seja para políticos, seja para o Partido dos Trabalhadores. Que o declarante não tem conhecimento de que Dilma Rousseff tenha solicitado, na Petrobras, recursos para ela, para políticos ou para o Partido dos Trabalhadores”.

Cerveró garantiu que: “Dilma Rousseff tinha todas as informações sobre a Refinaria de Pasadena; que Dilma Rousseff acompanhava de perto os assuntos referentes à Petrobras; que Dilma Rousseff, inclusive, tinha uma sala na sede da Petrobras no Rio de Janeiro; que Dilma Rousseff frequentava constantemente a Petrobras, usando essa sala, no Rio de Janeiro; que Dilma Rousseff conhecia com detalhes os negócios da Petrobras”.

Além das revelações de Cerveró, outra "colaboração" com a Lava Jato podem comprometer e permitir a anulação da chapa presidencial dela com Michel Temer. O lobista Benedito Oliveira Neto, o Bené, afirmou que Giles Azevedo, um dos mais próximos assessores da presidente afastada, Dilma Rousseff, usou um contrato da Secretaria de Comunicação da Presidência, de R$ 44,7 milhões, para pagar dívidas da campanha de Dilma com a agência Pepper. Segundo Bené, o contrato foi firmado entre a Secretaria de Comunicação e a agência Click, que teria sociedade com a Pepper.

Resumindo: Pimenta na delação premiada contra Dilma não é refresco...

Sobrou até para FHC

O delator Cerveró revelou que a presidência da Petrobras, durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, lhe orientou que fechasse contrato com a empresa PRS Participações - ligada ao filho de FHC, Paulo Henrique Cardoso.
Cerveró contou que fez o favor, entre os anos de 1999 e 2000, quando era subordinado ao ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) na diretoria de Gás e Energia da Petrobras.
Cerveró assegurou que obedeceu às orientações do então presidente da Petrobras, Philippe Reichstul...

Também sobrou para Collor

O inconfidente Nestor Cerveró acusou o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) de receber entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões da UTC para que a empresa construísse as bases de distribuição de combustíveis da BR Distribuidora, subsidiária da estatal.

Cerveró garantiu que a empresa ganhou todas as licitações da BR desde que ele assumiu sua diretoria, em 2008.

Cerveró relatou que o pagamento da propina ao senador era feito por intermédio de Pedro Paulo de Leoni Ramos, ex-ministro da gestão de Collor e apontado como o seu representante no esquema de corrupção na Petrobras.

Mais bronca contra Renan

Outro alagoano ilustre, que já é alvo de 12 inquéritos no STF, também foi alvo das revelações de Cerveró.

O delator assegurou que, em 2012, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o chamou em seu gabinete para reclamar da “falta de propina”.

Na época, quem presidia o Senado era o imortal José Sarney...

Propina confirmada

Cerveró confirmou que recebeu propina no valor de US$ 1,5 milhão.

Ressalvou que parte desse dinheiro teria sido repassada ao ex-senador petista Delcídio Amaral.

Cerveró agora se compromete a devolver R$ 18,37 milhões à Petrobrás.

Também terá de entregar um lote de 10.266 ações da Petrobras que estão em seu poder, numa venda que gerou prejuízo de US$ 792 milhões à estatal.

Releia a segunda edição de quinta-feira: Por que o Brasil tem o Judiciário mais caro do mundo?

Devolvendo o poder aos militares

O presidente argentino Mauricio Macri cumpriu a promessa de "deixar para trás enfrentamentos e divisões" da sociedade civil argentina com os militares.

Macri surpreendeu com um decreto que restitui aos militares a autonomia perdida em 1984, para tomar decisões sobre pessoal.

Embora o titular do Ministério da Defesa continue sendo um civil, são os estados maiores das forças armadas quem definem promoção e aposentadorias de seus oficiais.

Leia o artigo do General Rocha Paiva: Acabou o fosso ideológico que separava governo e Forças Armadas


Igualdade de Tratamento


Tratamento isonômico


Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 3 de Junho de 2016.

7 comentários:

Loumari disse...

Conto Africano

Era uma vez numa aldeia de macacos. O conjunto deles tinha uma reserva comum de mel. Um dia desses os macacos que tinham a gestão da reserva de mel se aperceberam que o nível de mel no pote era mais baixo comparado a última vez que vieram buscar o mel. E cada vez encontravam a reserva no nível mais baixo ainda. Começou a desconfiança entre eles julgando que havia algum de entre eles que vinha as escondidas roubar o mel da reserva comum. Mas cada um dos macacos responsáveis da reserva clamava ser inocente ao acto de bandidismo. Então, houve dos macacos o mais idoso dentre eles que fez uma sugestão: montar uma guarda escondida para descobrir quem era o malfeitor que vinha roubar o mel. Todos eles concordaram com a ideia. Então, montaram a guarda. Depois de muitos dias de guarda sem notar nada de estranho, exaustos de esperar sem ninguém aparecer, começaram de novo a se acusarem mutuamente, quando de repente eles apercebem uma silhueta a dirigir-se ao pote de mel. Era um coelho. Era o coelho que tinha descoberto o esconderijo onde os macacos guardavam o seu mel e ele vinha là discretamente se servir. Subitamente os macacos guardas, montaram uma emboscada e atraparam o coelho. Os macacos muito furiosos o único que eles queriam era matar o coelho ladrão. Mas antes, deviam apresentar o ladrão de mel a toda gente da aldeia antes de executar o criminoso.
Mas o coelho muito esperto como sempre, este depois de chegar na aldeia preso, prestes a ser executado este exclama por formular um desejo antes de morrer. E a ordem dos macacos aceitaram a petição do coelho.
Qual é o seu desejo antes de morrer? diz o macaco juiz.
O coelho responde: senhor juiz, o meu desejo antes de morrer é dançar. Se a sua senhoria me concede este último desejo, eu dançar até ficar cansado, depois me matam.
Todos os macacos concordaram com conceder ao coelho este último desejo. Mas os macacos também muito espertos tomaram disposições para garantir que o coelho não se lhes escapasse. Então formaram um cerco (montando ao redor tropas) em volta do coelho e o coelho no meio do cerco.
Então o coelho dançou, dançou, dançou tanto que levantou uma grande nuvem de poeira o que fez que já não se podia perceber o coelho. E os macacos todos se viram envolvidos na densa nuvem de poeira e o coelho se escapou. E quando a nuvem de poeira caiu, a visibilidade voltou, os macacos perceberam que o coelho se tinha magistralmente escapado. Desapareceu o coelho deixando todos macacos burros.

A pergunta aqui é: Como toda população de macacos se deixaram atolar por um só coelho?
E o mais espantoso é de ver que até as mais altas patentes militares também foram atolados pelo coelho astuto. Mesmo os mais afeitos à guerra caíram nos artifícios enganosos do coelho astuto, manhoso e maquiavélico.

Loumari disse...

Todos vêem o que pareces, poucos percebem o que és.
(Nicolau Maquiavel)

Anônimo disse...

Que canseira! Que sistema muquirana, de pessoas muquirana. Parece que tudo está acontecendo, mas nada acontece que mude alguma coisa. Esse merda de Brasil eu conheço a 65 anos a continua sem evolução mental. Entra um e sai outro e os cabeças de merda continuam mandando e explorando esse povinho muquirana, sem sangue nas veias. Eu quero que os militares, os juízes, os políticos, eu, o povo em geral, vão tudo para aquele lugar,... aliás já estão lá a muito tempo e nem sabem. Minha parte, bem ou mal, já está feita! Meus filhos nasceram e se criaram onde sofrem a influencia de homens inteligentes, corajosos, sem papa na lingual, destemidos e desbocados,... e foda-se o resto. Aqui nessa joça até militar dá uma de filosofo, escritor, psicólogo, pedagogo, menos de guerreiro. Não é de admirar que ninguém sabe onde é norte... tá tudo desnorteado! VTC

Anônimo disse...

Afinal o "menino bonito Nestorzim", "supunhetava" ou tinha (certeza certa) do conhecimento da TIADILMINHA na compra da Passadinha?

Cerveró (Tá tranquilo tá favorável)contou que fez um favor,fechou o contrato com a empresa PRS Participações - ligada ao filho de FHC, Paulo Henrique Cardoso.

Nestor Cerveró o bello, acusou o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) de receber entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões da UTC.

Disse ainda o TIONENÊ ( Nestor Cerveró) que em 2012, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o chamou em seu gabinete para reclamar da “falta de propina”.

Conclusão, é merdelê puríssimo pra todo lado.

Anônimo disse...

Internauta da Tribuna da Internet :
Eusebio Sant Ana
junho 3, 2016 at 7:32 am
Prezado C. Newton.
Leitor assíduo desde a “Tribuna da Imprensa” de nosso querido jornalista Helio Fernandes e para sua reflexão, ouso enviar-lhe o texto de um amigo e colega.
“Há um golpe em andamento em Brasília, precisamente no Senado Federal. O golpe é o retorno da presidente Dilma ao poder, inviabilizando o processo de impeachment, via compra de votos dos senadores. Fazendo oposição ao governo Dilma desde 15 de fevereiro de 2012, portanto há mais de 4 anos, fui criando fontes de informações seguras, até pelo processo natural. O nosso índice de acerto está em 90%. Preste atenção na denúncia que estou a fazer. O Brasil enfrenta crise de informações. A grande imprensa noticia os fatos já acontecidos. A grande imprensa não emite opinião, pelo contrário, omite. A grande imprensa tem medo do poder constituído. A grande imprensa tem medo de retaliações, numa eventual volta da presidente licenciada Dilma. Foi assim, até o afastamento da Dilma e está sendo assim, pós afastamento da Dilma. A grande imprensa teme a volta da Dilma e sofrer retaliações. Há no Senado Federal o processo de “compra de votos” dos senadores obscuros, muito deles suplentes para votar contra o impeachment da Dilma. Há uma zona cinzenta no Senado Federal composto pelos senadores biônicos ou senadores de plantão, que se vendem por pouco dinheiro. São senadores que não tem compromisso com o eleitorado. Nos últimos dias, ficou intenso o movimento de oferta de compra de votos, com “dinheiro vivo”, com coordenação da ex-ministra de agricultura, hoje senadora. O volume de dinheiro é muito alto, para deixar qualquer suplente de senador resolver a sua vida particular, são R$ milhões em “dinheiro vivo”. Para que a presidente Dilma não seja cassada, basta que 5 ou 6 senadores mudem de posição para “derrubar” a maioria absoluta necessária para o impeachment da Dilma. Para impedir o impeachment basta votos de 28 senadores, sendo que alguns já são da base aliada do PT. Falta muito pouco para conseguir os votos necessários para absolver a Dilma. A ex-ministra da Agricultura sabe disso. Ela tem muitos R$ milhões para comprar meia dúzia de senadores contra o impeachment. O impeachment da Dilma, nunca esteve tão vulnerável como agora! Dilma vai dar golpe!”

Anônimo disse...

Perfeito o raciocínio do Eusébio. Sobre o tema escrevi aqui no Alerta Total o artigo -DILMA SAI À COMPRA DE VOTOS PARA SEU IMPEACHMENT. Ela tinha duas chances. Na primeira (Câmara) não deu . Agora a sua chance está no Senado,onde será mais fácil,tem menos senadores que deputados,com imensa facilidade de comprar meia dúzia,numa população onde alguns se vendem até por qualquer cacho de banana.Não vai ser surpresa a volta de Dilma.Sérgio A.Oliveira.

Robert Rodolfo disse...

A professora de Filosofia da USP Marilena Chauí disse num debate o seguinte: No Brasil as classes médias sempre foram golpistas, reacionárias e conservadoras. Desde a segunda metade do século XX elas apoiaram pautas políticas conservadoras: apoiaram a UDN, apoiaram Carlos Lacerda, foram contra as Reformas de Base de Jango, saíram às ruas na passeatas da TFP e a apoiaram o Golpe Militar de 64. Essas classes médias não podem ser confundidas com a classe trabalhadora, que teve sempre seus direitos políticos e de cidadania roubados e só com muita luta conseguiram conquistar alguma coisa. Pois bem, é por isso que Chauí diz: "Eu odeio a classe média! Ela é uma abominação política, porque é fascista, uma abominação ética, porque é violenta e uma abominação cognitiva, porque é burra". Este Militante Conservador expressa essa classe média, principalmente na burrice. É ainda mais burro quem acredita nesta bosta de reportagem chupada de Merdal Pereira. Ele mesmo disse que não há provas de nada disso. De fato o que existe é o medo de reversão de alguns votos no Senado. Por isso, nesses três dias surgiram tantas reportagens desesperadas contra Dilma.