sexta-feira, 29 de julho de 2016

Direito da Expectativa


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laercio Laurelli

Não basta a expansibilidade do direito da posse, do alimento, do trabalho, das profissões, da educação, da liberdade, da independência e demais direitos; todos podem ser violados; por exemplo, os direitos dentro das profissões se caracterizam pela expectativa de se amealhar melhores condições no exercício de seu desenvolvimento; no entanto, pode ser corrompido pela rotina e pela deterioração do relacionamento social, que não oferece a estrutura adequada, visualizada na escolha de procedimentos ou por motivos cuja evidência, criada através do tempo, que somente é revelada em determinada ocasião.

A expectativa é um movimento de espera, observação, esperança, probabilidade. A expectação sugere momentos de grande felicidade ou de enorme desgosto; esta dependência ornada pelo comportamento individual ou coletivo, regrado por princípios organizados por normas de procedimento, resultam compendiar a atração positiva pela prudência ou negativa pela não observação de cautela.

Quando se coloca em pauta a atração positiva, não se quer dizer que a conduta deve molestar o caráter de modo a degenerar suas convicções e defende-las nos moldes da ingratidão ou injustiça. A expectativa deve compor o ambiente de partilha “em que todos se sintam igualmente responsáveis pelo resultado final e se sintam gratificados por participar dessa notável experiência humana” (José Renato Nalini – Ética para um judiciário transformador), lembrando que a humidade faz parte integrante deste raciocínio, “Venho da humildade e fui educado em uma pobreza contente e bendita, que tem poucas exigências, protege o florescer das virtudes nobres e elevadas e prepara às elevadas ascensões da vida” (Ângelo José Roncalli – Papa João XXIII). A eficiência da produtividade do Templo Interior de qualquer ser humano pode ser atendida, acalentadapelo justo concreto, diante da exemplificação acima mencionada.

No entanto, a atração negativa, produz sintomas restritivos, inibitivos, tornandocontraproducente sua atividade, dadaà inferência incorrigível desta indução constrangedora pela ativação da força reativa à ordenação regular e sistemática disseminada pelo caráter,que oscila entre o desprezo e o vício, envoltos pela instrução da teimosia, alimentada e conservada pelo desenvolvimento do “mal”, qualquer que seja sangrando a independência da consciência no reconhecimento essencial à realização do “bem”.

Enfim, resta-nos a expectativa do envaidecimento que se permite almejar à sobrevivência deste mundo cruel e desvendar os segredos da realização do justo; tentar corrigir os extremos, transformando as vibrações de Ódio em vibrações de Amor, mudando o desigual para o igual do modelo antagônico à atração positiva no intuito de se adotar, por este contraste, uma nova direção, colocando-se freios nos extremos, porém, sedimentando a solidariedade enfeitada de abundância, fartura, esplendor à realização de uma consciência agregado a moralidade, dignidade, cujos sentimentos fortes, assinalam a construção de uma sociedade melhor e mais justa. A ilustração desta elevada estrutura, representa o expectável direito da expectativa.


Laercio Laurelli – Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ( art. 59 do RITJESP) – Professor de Direito Penal e Processo Penal – Jurista – Articulista – Idealizador, diretor e apresentador do programa de T.V. “Direito e Justiça em Foco” - Patriota.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olavo de Carvalho diz que restringir o debate público ao combate à ineficiência administrativa e à corrupção é uma vitória da esquerda em desviar o foco do processo de busca da hegemonia ideológica visando fazer dela o novo senso comum. Nesse sentido, os adversários são motivo de chacota para os esquerdistas, pois sempre estão combatendo a causa errada do problema.

Anônimo disse...

O comentário anterior era para ter sido postado para o texto "As ruas contra a impunidade".