sexta-feira, 22 de julho de 2016

Se eu pudesse escrever no céu


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Torres de Melo

“SE EU PUDESSE ESCREVER NO CÉU”

Há uma canção norueguesa que canta “SE EU PUDESSE ESCREVER NO CÉU”, indicando se fosse possível escreveria o nome da pessoa amada.

Quem devemos mais amar dentro do nosso País? Cada um que pense e cada um escreva no céu  o que mais ama. Seu Exército, O Congresso Nacional, O Executivo, A Justiça, A Escola? Amando mais a família e depois?

Eu amo minha família, meu país, meu Exército e a JUSTIÇA. Sou o que sou produto dela. A JUSTIÇA. É TÃO LINDA COMO A LIBERDADE.

Há uma história muito antiga que para mim é fenomenal. Vamos a ela: Frederico II (Berlim, 24 de janeiro de 1712 – Potsdam, 17 de agosto de 1786), chamado , também, O GRANDE ia pelos campos da Prússia quando viu uma bela estância. Apaixonou-se pela mesma e se aproximou e falou com o moleiro, dono da mesma. “Quero comprar sua fazenda”. Majestade, não está a venda. Eu sou FEDERICO,  O GRANDE e desejo comprá-la? Não está a venda? Vou comprar. O moleiro disse esta maravilha: MAGESTADE, AINDA HÁ JUIZ EM BERLIM!

A PRUSSIA se tornou grande por ESCREVER NO CÉU JUSTIÇA.

Estamos no nosso Brasil. Há desconfiança da grandeza da nossa Justiça. Se é lenta é injusta. (Rui). Quando o Presidente do STF (anterior), num julgamento (mensalão), afirmou que um ministro parecia advogado de defesa e não juiz o cristal, que representa justiça, trincou e todo o seu valor desapareceu.

Há na Justiça a figura da suspeição. Diz Aurélio:

“Situação, expressa em lei, que impede os juízes, representantes do Ministério Público, advogados, serventuários ou qualquer outro auxiliar da Justiça de, em certos casos, funcionarem no processo em que ela ocorra, em face da dúvida de que não possam exercer suas funções com a imparcialidade ou independência que lhes competem.”

Esta figura não mais existe, principalmente no STF. Fala-se que há ministro nomeado, não pelo brilhantismo jurídico e sim pelo compadrio.

Como seria grandioso se nossos juízes entendesse a mensagem de PLATÃO: “O juiz não é nomeado para fazer favores com a justiça, mas para julgar segundo as leis. Platão (427 aC)

“SE EU PUDESSE ESCREVER NO CÉU” JUSTIÇA, O MEU PAÍS SERIA MARAVILHOSO. HÁ DÚVIDA. CHOREMOS.

Francisco Torres de Melo, General reformado, é Coordenador do Grupo Guararapes.

Nenhum comentário: