sexta-feira, 1 de julho de 2016

Suprema Impunidade


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laercio Laurelli

Somos todos réus, é a impressão que fica hoje no Brasil de inverno e na quantidade de escândalos, corrupção e desvio de dinheiro público. O Estado macro deu lugar para o Estado mico, e com isso ninguém tem dinheiro para pagar a folha, as próprias contas e estica o chapéu para e em União geral visando a reduzir o problema do colapso e seu calote.

O que mais preocupa no momento é a falta de mobilização da sociedade civil e da paralisação das atividades no mês de julho. O que assistimos hoje sucede em razão máxima do foro privilegiado e da falta de arranjo do STF de tramitar em tempo real o devido processo legal. Essa ambivalência faz com que o espírito de corpo político tome jeito e as decisões judiciais assim se encaminhem na melhor forma de se evitar qualquer tipo de abuso ou arbitrariedade, seja do ministério público ou da justiça.

Querem calar a boca da Lava Jato, fato inconteste, e de sabença notória.  Um projeto que tramita a jato poderá impor uma séria derrota aos investigadores e à função nobre da justiça em termos de colocar atrás das grades e faze prevalecer a delação premiada. A pressão da sociedade organizada não pode permitir que isso aconteça.

Em relação à recuperação de valores, temos que é importante uma medida provisória ou projeto de lei, como existe nos EUA a fim de que um percentual se destine aos custos das investigações realizadas pela polícia federal e o próprio ministério público.

Não fossem a ousadia e a intrepidez de ambos,  nada seria possível. São coroados de êxito pelo invencível mister desempenhado pela impoluta República de Curitiba a qual, tal como o joio se separa do trigo para mostrar a cara e demonstrar que o Brasil não tem mais viabilidade, exceto por meio da conduta moral e ética de nossos governantes.

Disseram à exaustão que estão querendo criminalizar a política e com isso viria a destruição da democracia. No entanto, são aqueles que chafurdam nas trevas que assim estilizam suas condutas e inexoráveis comportamentos comprometedores, já que pensam, na calada da noite, aprovar projetos de lei para silenciar a delação e impor penalidade aos que agem e o fazem em nome da Lei.

São os algozes que coagem as autoridades para que consigam demover de qualquer incursão pelos bens e patrimônio dos que surrupiaram a Nação. E a operação Lava Jato não tem data para terminar, na medida em que todo o Brasil e a própria Republica estão contaminados pela poluição das mãos sujas de todos que somente quiseram levar vantagens nos desvios das verbas públicas.

Resultado, Estados e Municípios quebrados, União dando moratória e uma dívida pública que chegam a trilhões, com um sistema tributário que deixaria o mais pobre estado milionário,mas não é o que acontece pois a gastança é essencial para manter no cargo os fraudadores dos valores da Republica.

E querem se perpetuar no poder a custa da legalidade e da legitimidade, mediante arremedos legais ou o chamado companheirismo que enfrenta reclamação e a transforma em habeas corpus de ofício, tripudiando  sobre as instâncias inferiores, e sobre o próprio magistrado, autoridade em primeiro lugar para analisar a prova seus indícios e decretar as prisões cautelar,provisória e de ordem preventiva.

No mundo da impunidade criado na semeadura do foro privilegiado somos todos réus,aqueles que tomaram o dinheiro público e os outros que se fazem reféns desse golpe, verdadeiro crime continuado que se perpetua há mais de meio século sem tréguas, já que eles montam estruturas dinâmicas para grandes obras e consequentes assaltos aos cofres públicos.

Fiquemos atentos e vigilantes em relação aos três poderes da República para qualquer desvio de curso ou anomalia,notadamente no mês de julho, já que o descanso escolar não nos oportuniza acompanhamento dos desígnios de uma Nação carcomida pela corrupção e debilitada pela falta de ética nos seus negócios sempre com a interface destrutiva de um Estado incapaz de se autopoliciar e fazer sua função constitucionalmente assegurada no texto de 1988.

Carlos Henrique Abrão, na ativa, e Laercio Laurelli, aposentado, são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo e autores de obras jurídicas.

3 comentários:

Loumari disse...

Quem consente com corruptos é corrupto;
Quem consente com ladrão é ladrão;
Quem consente com assassino é assassino;
Quem consente com malfeitores é malfeitor;
Todos nós seremos vítimas do nosso imobilismo e vítimas do nosso laxismo se continuamos neste estado de inércia.
E terminaremos cúmplices de corrupção, de crimes, de assassinatos e cúmplices na destruição da nossa sociedade. Somos primeiramente responsáveis da nossa própria vida como o dever absoluto, mas também somos entes responsáveis da nossa comunidade e guardiões da sociedade.
A inacção, a conivência, a inércia face aos males, nos condenará a sermos vítimas das nossas inacções. O mal sempre prospera num terreno fértil e favorável ao seu desenvolvimento.
SOMOS TODOS PASSAGEIROS NESTE BARCO QUE SE CHAMA MUNDO. E CADA UM DE NÓS PODE FAZER A DIFERENÇA.



As palavras dos sábios são como aguilhões, e como pregos bem fixados pelos mestres das congregações, que nos foram dados pelo único PASTOR.
(ECLESIASTES 12:11)


LEMBRA-TE do teu CRIADOR, nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos, dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento:
Antes que se escureçam o sol, e a luz, e a lua, e as estrelas, e tornem a vir as nuvens depois da chuva:
No dia em que tremem os guardas da casa, e se curvarem os homens fortes, e cessarem os moedores, por já serem poucos, e se escurecerem os que olham pelas janelas;
(ECLESIASTES 12)


De tudo o que se tem ouvido, o fim é: TEME A DEUS, e guarda os seus mandamentos; porque este é o DEVER DE TODO O HOMEM.
Porque Deus há-de trazer juízo a toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.
(ECLESIASTES 12:13)

Anônimo disse...

Apenas para não esquecer, o judiciário está sem ser investigado... Mas nas vistas de todos essa máfia está enterrando o Brasil, pior que um politico ladrão é um juiz ladrão, a certeza que no judiciário existe mais bandido do que na politica é o que desanima, enquanto não criarem uma policia especializada e não realizarem a modificação na lei da magistratura teremos que conviver com a tirania desses mafiosos...

Loumari disse...

Contudo, diz a casa de Israel: O caminho do Senhor não é direito. Não são os meus caminhos direitos, ó casa de Israel? e não são os vossos caminhos torcidos?
Portanto, EU VOS JULGAREI, a cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o SENHOR JEOVÁ: vinde, e convertei-vos de todas a vossas transgressões, e a iniquidade não vos servirá de tropeço.
(EZEQUIEL 18:29)


Desviando-se o justo da sua justiça e cometendo iniquidade, morrerá por ela: na sua iniquidade que cometeu, morrerá.
Mas, convertendo-se o ímpio da sua impiedade que cometeu, e praticando o juízo e a justiça, conservará a sua alma em vida.
Pois que considera, e se converte de todas as suas transgressões que cometeu, certamente viverá, não morrerá.
(EZEQUIEL 18:26)