sexta-feira, 22 de julho de 2016

Um dicionário ideológico para ler os jornais


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

Para que um leitor adquira condições de interpretrar devidamente noticiários e comentários procedentes de fontes comunistas, é mister que possua um glossário de palavras e locuções, acompanhadas do novo sentido que adquiriram em sua emigração, onde sofreram uma lavagem semântica antes de serem postas a serviço dos meios de divulgação falada e escrita, destinados ao consumo interno e externo.

Dessa forma foi criado, com o decorrer do tempo, um vocabulário paralelo de palavras que, embora conservando a forma primitiva, adquiriram significado diverso e, em certos casos, totalmente diverso do original. São as homógrafas-antônimas, como é o caso de “democracia”, curioso fenômeno semântico, surgido mais em função do deslocamento do vocábulo no espaço do que de seu distanciamento no tempo.

Após a dita peregrinação pelas mecas do marxismo, aquelas palavras, já revestidas do seu travesti revolucionário, chegaram de regresso ao Ocidente, reexportadas, para uso de suas filiais ideológicas e operacionais, instaladas no mundo iivre. 

Para isso, a leitura de um editorial do Pravda, de um noticiário da Tass ou de um discurso de algum líder soviético, transcritos na imprensa, engajada ou não, deste pecaminoso mundo capitalista e burguês, requer a assistência daquela muleta toxicológica, para ser apreciada em sua plenitude.

A palavra democracia, desde os tempos clássicos vem servindo para designar os governos fundados na soberania do povo, na liberdade do ato eleitoral, mas hoje serve de rótulo também às chamadas repúblicas populares.
Essa palavra, aliás, foi expropriada do léxico ocidental para o uso exclusivo do mundo comunista, pois designa uma mercadoria que hoje só pode ser encontrada do lado de dentro daquilo que um dia foi chamado Cortina de Ferro.

A seguir, algumas homógrafas-antônimas colhidas aleatoriamente:

AMADOR – Atleta comunista, que vive exclusivamente para o esporte à custa do Estado;

ASSISTÊNCIA DESINTERESSADA – Cooperação econômica, política ou militar, que somente os governos comunistas podem dispensar aos países do Terceiro Mundo;

ATITUDE INCORRETA – A do comunista estrangeiro que não observa a linha justapreconizada pela respectiva metrópole ideológica;

ATITUDE POSITIVA – Diz-se de toda aquela que, de algum modo, pode favorecer a revolução comunista.

CAPITALISMO – Regime que consiste na exploração do homem pelo homem. O comunismo é o contrário.

COLONIALISMO – Sujeição política ou econômica imposta sobre populações não-nacionais, desde que por ação de uma potência capitalista.

COMUNISMO – O mesmo que colonialismo, quando a ação é exercida por potência comunista sobre populações nacionais. Colonialismo interno.

CONTRA-REVOLUCIONÁRIO – Revolucionário com veleidades de melhorar a revolução.

DIREITO DE GREVE – Aquele a que assiste a todo proletário fora das fronteiras do mundo comunista.

DITADURA DO PROLETARIADO – Ditadura exercida em seu nome e da qual é objeto.

ESPORTE – Prática sistemática dos exercícios físicos competitivos, com finalidade de exportação.

FASCISTA – Sinônimo de não-comunista ou de anticomunista. Diz-se, por extensão, e todo agressor da Mãe-Pátria.

GUERRA DE CONQUISTA – Agressão militar contra país mais fraco, quando executada por um país não-comunista.

GUERRA DE LIBERTAÇÃO – O mesmo que guerra de conquista, quando executada por um país comunista.

IMPERIALISMO – Nome dado à política exterior dos países não-comunistas.

JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA – Punição aplicada a todo ato capaz de causar prejuízo à causa revolucionária.

LUTA DE CLASSES- Luta da NOVA CLASSE contra as demais, para manter-se no Poder.

MAIORIA – Minoria revolucionária.

OPORTUNISTA – Todo comunista, quando a oportunidade se apresenta.

PROGRESSISTA – Diz-se da pessoa ou regime que, não tendo ascendido ainda à dignidade comunista, encontra-se, no entanto, no bom caminho. Aspirante; seminarista do comunismo.

PROLETÁRIO – Membro da sociedade comunista que ainda não ascendeu à

NOVA CLASSE.

PROVOCAÇÃO – Todo gesto de defesa contra a agressão comunista.


Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

Um comentário:

erreve disse...

Parabéns por sua disposição e luta no sentido de esclarecer a população brasileira sobre o veneno mortal representado pelo comunismo (parece que as desgraças pelas quais estão passando os venezuelanos, justamente decorrentes de uma nova ditadura comunista que está se enraizando no país, não estão sendo muito entendidas pelo povo brasileiro, que só obtém informações do que ali ocorre através da Internet).

Sou um apreciador das matérias que você produz, as quais, na visão explicitamente centradas no Comunismo e nos seus males historicamente embasados, são praticamente únicas em nossa internet.