quinta-feira, 21 de julho de 2016

Vagabundagem rentista, novos gastos públicos e inflação persistente fazem BC do B não baixar os juros


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A economia de Bruzundanga segue no mais do mesmo, com alto risco de piora nos quesitos inadimplência e desemprego. Mesmo assim, para assegurar o lucro fabuloso dos bancos - que faturam alto cuidando da providencial rolagem da dívida pública -, o famoso Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil resolveu deixar a usura altíssima como de costume. Além de manter a taxa básica em 14,25%, os nove do Copom sinalizaram que não há previsão de cortes de juros no curto prazo.

Na véspera da Olim-piada, a economia brasileira continua batendo o recorde da usura. Na Rússia, os juros básicos estão em 10,5%, enquanto que na Colômbia e na Turquia, a taxa é de 7,5%. E, na África do Sul, de 7%. Terça-feira que vem, o BC do B divulga a ata da reunião que justifica a continuidade da usura altíssima. Os semideuses do mercado especulam sobre uma Selic em 13,25% no final do ano... Os banqueiros agradecem... Os endividados que se danem mais ainda...

Ontem, quem fez a festa foi o ex-economista-chefe do Banco Itaú. A mídia econômica comemorou que o presidente do BC do B, Ilan Goldfajn, estreou mudando o formato do comunicado sobre a decisão do Copom. Divulgar tudo em tempo real, via internet, tornou tudo parecido, no tamanho e no conteúdo, com o que é divulgado após decisões de política monetária pelo Fed (o banco central privado norte-americano). A única diferença é que, por aqui no Brasil, as coisas continuam "fedendo" na economia e na politicagem...

O BC do B avalia que o nível de ociosidade na economia pode produzir desinflação mais rápida do que a refletida nas projeções do Copom. Os temerosos e temerários gênios do Copom temem a persistência da inflação no curto prazo. Alegam que isso pode reforçar mecanismos inerciais e retardar o processo de desinflação. Assim, apostam que, dificilmente, será cumprida a meta inflacionária. Também reclamam das incertezas sobre aprovação e implementação de ajustes fiscais pelo Congresso Nacional.

A tese foi reforçada pelo aumento que Michel Temer sancionou para o Judiciário - que terá efeito direto sobre a folha do funcionalismo... O governo também desistiu de cortar R$ 20 bilhões em despesas no orçamento deste ano. A junta orçamentária, composta pelos ministérios da Fazenda, Planejamento e Casa Civil, resolveu que não seriam necessárias contenções de gastos para assegurar o cumprimento da meta fiscal do ano...

Por isso, malandramente, sem escrever isso claramente em seu comunicado, o Copom jogou a culpa no Temer, nos deputados e senadores que não demonstram vontade de reduzir os gastos públicos. Por tudo isso, a tendência é que se mantenha o ciclo de aperto monetário iniciado em abril de 2013, quando a taxa selic estava em 7,25%, chegando aos estratosféricos 14,25% de agora.

A turma do Copom encontra sempre explicações para o inexplicável. Será que eles vão manter a mesma conversinha fiada quando os preços dos alimentos deixarem de subir tanto, e caírem forçados pela demanda (sem grana e devendo a deus e ao mundo, os reles mortais param de comprar ou compram apenas o mínimo essencial). Uma previsão otimista enxerga que, a partir de outubro, os preços da cesta básica alimentar vão cair, porque as condições climáticas já deixam de atrapalhar a normalidade da produção dos principais alimentos.

Novamente, os previsores econômicos, de modo extremamente sacana, jogam a culpa dos juros altíssimos em "São Pedro". Mentirinhas normais para um País que não tem coragem, nem vontade, nem competência, para promover mudanças estruturais. O Estado berne, Capimunista, só sabe sugar recursos da sociedade, sem as devidas contrapartidas. Os "sócios" banqueiros agradecem... Os gastadores da máquina pública, também...

Por isso, prossegue a fúria arrecadatória. A Receita Federal vai apartar o cerco sobre pelo menos 8 mil contribuintes que remeteram dinheiro ilegalmente para o exterior e não aderirem ao programa de repatriação de recursos - cujo prazo termina em 31 de outubro. A pressa do fisco é cobrar os impostos não pagos nos últimos cinco anos. O bicho vai pegar a partir do ano que vem, quando a Receita terá acesso a informações de movimentações bancárias de brasileiros em 96 países...

Grande parte da grana de brasileiros no exterior pode retornar para cá camuflada nos futuros megasuperhiperinvestimentos prometidos pelo governo, em privatizações, infraestrutura e na legalização dos jogos de azar. No entanto, a Receita força a barra para que aumentem as adesões ao programa de repatriação de grana. A anistia vale para patrimônio declarável até 31 de dezembro de 2014. Assim, auditores podem cobrar o que deixou de ser declarado a partir de 2012. Quem não aderir fica enquadrável em crimes de evasão de divisas (que prescreve em 16 anos) e lavagem de dinheiro (que prescreve em 12 anos).  

Mudar a economia brasileira é possível. Só não existe vontade dos rentistas do mercado - que lucram vagabundamente com os juros altos... Assim, vigora a briga de gatuno e rato entre o Fisco e os "contribuintes" (termo canalha para designar quem é obrigado a pagar 93 impostos, taxas, contribuições e infindáveis multas)...

Multa olímpica

A juíza Cristiana Aparecida de Souza Santos, da 1ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro, negou pedido do Ministério Público estadual para impedir que a prefeitura possa aplicar multas de R$ 1.500 a motoristas que trafeguem em faixas exclusivas destinadas a veículos da Olimpíada e da Paralimpíada entre os dias 25 de julho e 18 de setembro.

A magistrada justificou porque continua valendo o Decreto Municipal 41.867/2016:

“Em razão da excepcionalidade e da grandiosidade do evento a ser realizado, o valor previsto no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não traria o caráter coercitivo necessário, razão pela qual a fixação do valor de R$ 1.500,00. Na situação em tela, não é possível imaginar o descumprimento das medidas restritivas, e das penalidades impostas pelo Decreto, sob pena de inviabilizar a própria realização dos jogos, razão pela qual a excepcionalidade da medida aplicada, apenas, durante o período de realização dos jogos. Por tudo quanto exposto, no entender deste Juízo o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela na forma pretendida traria prejuízos irreversíveis, razão pela qual o indeferimento se impõe”.

Fala sério: somos ou não somos o Brasil da Olim-piada?

Noçço Campião

Aliás, no Dia do Amigo, além do telefonema do meu fotógrafo oficial Jorge Frutuoso de Britto e seus 20 cachorros do Jardim Gramacho, recebi a mensagem canalha do Negão da Chatuba:

"Se você tem um amigo que vale ouro, vende ele bem depressa. Se você tem um amigo que vale nada, doe para o seu pior inimigo".
Deputados têm muito a ouvir

Indiferença alagoana


Ameaça Maia


Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 21 de Julho de 2016.

4 comentários:

Loumari disse...

Senhor Serrão, como você acha que os bancos podem baixar a sua taxa de juros?
Leia por favor este artigo de Moçambique acho que este relato lhe ajudará a melhor compreender até onde os bancos estão enredados com a dívida publica!


Por Marcelo Mosse

BCI, BIM e Moza também “comeram” na dívida oculta
Afinal a nossa banca comercial também comprou as obrigações da Ematum e deu crédito para a Proindicus a juros comerciais, com garantia soberana. Um bom negócio! Porque o dinheiro será sempre pago. E a que preços. De acordo com o nem sempre correcto Africa Confidential, o BCI comprou mais de 30 milhões de USD em obrigações da EMATUM, e o BIM concedeu uma “significativa” porção do crédito para a Proindicus. O Moza também ficou com parte da dívida da Proindicus.
Os bancos que intermediaram o negócio da dívida oculta fora de Moçambique, o Credit Suisse e o russo VTB, tem sido acusados de terem agido de forma imoral, embora eles, esses bancos, tentem sacudir o capote sugerindo que foram induzidos em erro e que a imoralidade tem sangue nacional moçambicano. O que é uma aberração!
O facto de banco comerciais locais também se terem envolvido num negócio “ilegal” o que é que significa? Era interessante ouvir um comentário dos bancos visados à-propósito desta revelação. Há quem pense que o seu envolvimento pode ter consequências negativas no caso de o Governo se mostrar incapaz de cumprir as obrigaçoes. Não creio que o fim seja o de um mau negócio de todos. Na verdade, foi um jackpot para eles. O crédito tem garantias soberanas e foi a taxas de juro comerciais. Isto significa que o Estado estará amarrado às vontades desses bancos em contexto de novas operações.
Coisas estranhas de Moçambique. Geralmente, a banca comercial tem criticado nosso Estado apelando para uma melhoria na gestão transparente das finanças públicas mas ela não se coibiu de se envolver nestas operações. Isso signfica que os bancos tinham fé de que se tratava de operações de bom senso? Porque é que os bancos se envolveram sem garantir que as operações recebessem todos os selos de legalidade? E os seus princípios de corporate governance?
Estranho? Parece-me, embora se possa também sugerir que suas decisões tivessem sido tomadas dentro de um viés político altamente incontornável (o que justifica a ausência do Barclays e do Standard Bank). Depois temos o facto menos relevante de o Ministro Celso Correia ter sido o PCA do BCI na altura destas operações. Ou seja, parece que elas não foram de todo ocultas. Há muito conhecimento interno sobre os seus contornos.

Anônimo disse...

Michel Temer sancionou para o Judiciário, tudo bem, mas vamos acelerar mais os processos, não é possível um simples Mandado de Segurança levar mais de 16 anos principalmente quando envolve pessoas idosas e doentes.

HELENO PINTO NOBRE disse...


PELO QUE EU SEI ; A PALAVRA PARA+LIM+PIADA É INVENÇÃO DA REDE ESGOTO . A PALAVRA CORRETA É PARA+OLÍMPIADA PELO QUE EU SEI .!! ME DESCULPE SEU JORGE FERRÃO .!!!

Anônimo disse...

Esses "terroristas de meia tigela" tupiniquins, estão pensando que ao morrerem praticando terror no Brasil vão encontrar 70 virgens e mais a bebida dos allás, vão encontrar é com nossas policias bem treinadas, para recebe-los e ainda 70 KIDS BENGALA pra enfiar no rabo deles. Por que não enfrentam o crime organizado?