segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Forças Armadas não querem participar da guerra contra o crime organizado

Rio Grande do Norte. Ações de patrulhamento,
fora da função normal, apresentam riscos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mtnos Calil

Existe hoje no Brasil uma guerra civil entre as policias e o crime organizado que tem provocado a morte até de crianças!!! Essa guerra não tem data para terminar porque os criminosos constituem um poder paralelo disseminado em inúmeras cidades do Brasil e que chegam em alguns casos a controlar os presídios como verdadeiras células organzacionais cuja violência já merece o qualificativo de “terrorismo”.

Muitos brasileiros queriam que as FFAA fossem convocadas para entrar nesta guerra, visto que as polícias estão encontrando sérias dificuldades para vencer o inimigo.

Outra parte dos brasileiros é contra a participação das FFAA na guerra contra o crime. Esses brasileiros alegam que os militares são treinados para a guerra, não estando preparados para enfrentar os bandidos. E o que pensam os comandantes das FFAA a respeito?

Como eles não podem falar, até agora não era possível sabermos a se eles são a favor ou contra a sua participação nesta guerra, para a qual os soldados poderiam ser treinados.

Mas agora, pela primeira vez os comandantes recorrem ao anonimato para se declararem CONTRA A PARTICIPAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS NA GUERRA CONTRA O CRIME ORGANIZADO. (v. matéria do Estadão abaixo)

Fica então estabelecido definitivamente que continuaremos em guerra num país que já ocupa as primeiras posições do planeta em número de assassinatos (mais de 50 mil por ano).

As FFAA foram essenciais para derrotar os comunistas.

A sua missão constitucional é defender o país contra ameaças externas e não internas?  

Como a ameaça externa do comunismo foi extirpada, os militares têm sido convocados para outras missões, já que uma guerra contra invasores externos é algo que hoje não passa de uma ficção política.  

Neste contexto, a principal missão das FFAA deveria ser a de combater os criminosos não políticos, incluindo os corruptos.

Para isso teria que ser aprovada uma emenda constitucional.

Esse argumento de que os soldados não estão treinados para enfrentar o crime é uma balela, pois eles já poderiam ter sido treinados para essa função há muito tempo. E como o nosso sistema presidiário está falido, tempo é que não vai faltar para este treinamento.

Que tal o Governo Temer trocar os atuais comandantes das FFAA colocando no lugar deles generais que concordam em participar da guerra contra o crime organizado?

Ps. Até o Supremo Tribunal Federal se posicionou contra o bloqueio dos celulares nos presídios, alegando que para isso seria necessária uma lei federal.  Assim os chefes do crime organizado continuarão livres, dentro dos presídios, para dirigir e orientar seus militantes.

Mtnos Calil, Psicanalista, é Coordenador do Instituto Mãos Limpas Brasil.

Ideologia Zero: nem esquerda nem direita: realidade volver. (trágica realidade).

6 comentários:

Anônimo disse...

Coordenados, protegidos, recrutados, criados e muito bem pagos o crime organizado tem todo o apoio do judiciário e das FFAA, então para mantermos as mãos limpas é preciso denunciarmos essas máfias no exterior, promotoria e as policias dos estados são proibidos de reprimir esses atos terroristas...

Anônimo disse...

Se um militar das Forças Armadas pelo menos olhar atravessado ou der uma chinelada num bandido, o que vai aparecer de defensores alegando que já estamos numa "ditamole militar" não vai faltar, como sabemos forças armadas "são, partir e aniquilar o inimigo", portanto tomara que não sejam usadas para esse fim, pois no final acabarão iguais às PMS.

Augusto disse...

Se Todos sabem quais são as facções mandantes, e sabem quem são os cabeças dessas facções; porque não punir os chefões com isolamento e aumento das penas, todas as vezes que esses atentados ocorrerem??? (Já que “não podem” ser eliminados).

EU CONFIO na FFAA, mas Chamar o exército e não deixar os soldados agirem da maneira para que foram treinados, e DENEGRIR a imagem das FFAA. Soldado e treinado para entrar e resolver, mesmo que para isso tenha que ELIMINAR oponentes; não para pedir documentos e fazer presença tirando SELFIES...
...

Sérgio Alves de Oliveira disse...

A melhor explicação para o fato das Forças Armadas se recusarem à ajudar no combate ao crime organizado é que elas estão preparadas somente para alguma eventual guerra de mentirinha,fictícia,não para a guerra real,violenta e sangrenta,enfrentada pelos órgãos de segurança incumbidos de combater o crime. Na verdade gasta-se muito para manter as FFAA ,que no fundo não servem para nada de útil,a não ser a de ficarem em permanente vigília e prontidão para intervenções pontuais por requisição da presidência da república, em casos excepcionais,à exclusivo critério da autoridade requisitante. Nem tomam conhecimento do seu direito/dever consagrado no art.142 da Constituição,que trata da INTERVENÇÃO por sua própria iniciativa,cujos requisitos estão perfeitamente configurados. Trocando em miúdos: o poder das Forças Armadas poderia ser bem mais útil à sociedade do que é.

Maria Lucia Storino Savaget disse...

Tem um erro neste texto. O Brasil não está livre dos comunistas. Essa ideologia nefasta está impregnada nos três poderes, executivo, legislativo e judiciário, assim como nas escolas e universidades. Na época do Regime Militar a bandidagem era bem controlada e muitos agrupamentos até foram extintos. Mas o povo brasileiro preferiu escutar os socialistas, os comunistas e os bolivarianos com suas doutrinas marxistas e deu no que deu. Um pais promissor hoje nem sombra do que já foi é.

Altevir Stall disse...

Meu caro Sergio Alves de Oliveira! Sugiro uma boa leitura e interpretação sobre as atribuições das Forças Armadas. Vossa Senhoria está correndo sério risco de continuar falando asneiras Combater o crime organizado nos estados é função das Policias Militares.
Artigo 142 da Constituição Federal de 1988
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. Fraternal abraço!