sábado, 3 de setembro de 2016

Desprezo à Lei é imperdoável


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laercio Laurelli

Estão queimando tudo; as virtudes, a moral, a dignidade, a honradez da consciência pública, o coração do patriotismo via independência democrática, nos exatos termos dos sentimentos de direito e de justiça.

Estão queimando também os elementos intelectuais e racionais nos planos sensoriais superiores emocionais e afetivos do sentimento e pensamento em direção à destruição da sociedade ordeiramente constituída. Sim esta é a definição dos sentidos hoje, arraigada nos valores de nossa existência.

Os direitos e garantias individuais e coletivos já eram frágeis, ditados pela inconsistência do avanço da desordem politica de nossos representantes nas instituições dos três poderes, consoante à história de nossas vidas, protegidas então, em função da segurança de uma “Lei” fundamental com o objetivo da formação de um Estado de Direito, constituída para a preservação dos poderes públicos, dos direitos e deveres dos cidadãos.

Agora, da fragilidade inconsciente passou-se ao estado de consciência demonstrada na decisão do impeachment de Dilma Rousseff. Mais uma vez o Templo da Justiça foi conspurcado. A sentença que decidiu a condenação de Dilma Rousseff foi um mau exemplo ao país, ao preterir a norma constitucional da perda do cargo com a inabilitação por oito anos, para o exercício de função pública sem prejuízo das demais sanções penais cabíveis; (art.52, parágrafo único da C.F.), ou a inabilitação que não exceder cinco anos, previsto no parágrafo único do artigo 68 da Lei 1.079/50.

Viu-se nesta decisão a prevalência do mal, o desprezo à ordem, à honra, à dignidade, à moral, à independência, à consciência do respeito público aos sentimentos de direito e justiça. Constituiu-se, enfim em uma mentira jurídica.

Pensem nisto!

Laercio Laurelli – Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ( art. 59 do RITJESP) – Professor de Direito Penal e Processo Penal – Jurista – Articulista – Idealizador, diretor e apresentador do programa de T.V. “Direito e Justiça em Foco” - Patriota.

2 comentários:

Paulo Robson Ferreira disse...

Vejam que interessante, usaram o sentimentalismo como pretexto para subtrair de Dilma as consequências completas da sua condenação. Esse sentimento, de especial preferência dos demagogos, serve genericamente para explicar à população, carente de uma lucidez mais operativa, as verdadeiras intenções das mentes criminosas de todo indivíduo de caráter duvidoso. Lula, é um dos mais assíduos usuários dessa farsa. Enganou e engana muitos brasileiros com a mentira da "justiça social" e quando se vê em situação crítica apela para a vitimização, sempre inspirado no seu guru Santana que introduziu na política brasileira essa prática da forma mais canalha. Agora vem o Renan, preparando sua impunidade, repetindo o mesmo discurso sentimental para blindar seu "precioso monossílabo" de futuras condenações. Tudo isso, infelizmente, coadjuvado pelo baixo nível de inteligência emocional da nossa população.

Anônimo disse...

Yuri Bezmenov havia alertado para a desmoralização das instituições por esquerdistas infiltrados. E o Judiciário não pode alegar desconhecimento desse perigo, porque Olavo de Carvalho proferiu palestra até na OAB há muitos anos, como mostra vídeo postado na internet.