sábado, 17 de setembro de 2016

Sonegação de Informações - Corpo mole da ouvidoria da Previc


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Salgado

Como é do conhecimento daqueles que se preocupam com os problemas da Fundação Petros, somente em 29/7/2016, foi aprovado o Balanço das nossas contas de 2015, com prejuízo no PPSP de R$ 22,1 bilhões, e cujo equacionado dar-se-á a partir de 2017. O Relatório anual trazendo esse resultado negativo de 2015 só nos foi disponibilizado após o prazo regido por instruções da Previc, que era o dia 31/7/2016.

Infelizmente, também diversos outros relatórios (um anual e os demais mensais) não nos foram mais disponibilizados, estando as informações paralisadas em 2015, portanto estão sendo sonegadas dos seus participantes.

A Petros, através da sua Diretoria anterior presidida pelo Henrique Jäger e, parece, também da atual, agora presidida pelo Wálter Mendes, continua a nos tratar como idosos inúteis que só servimos para atrapalhar, ao sonegar importantes informações que permitem que possamos acompanhar o que ocorre com o presente e o futuro dos nossos benefícios.

Foi através desses relatórios que um grupo de pessoas fez as diversas análises que, bem antes, da informação desse rombo colossal anteviu diversos ativos sendo operados temerariamente, além de situações do passivo muito pouco explicadas. Isso nos permitiu registrar denúncias em todos os órgãos de fiscalização deste país e serviu como fundamento a depoimento prestado na CPI dos Fundos de Pensão.

A CPI está dando como resultado a Operação Greenfield, que poderá abrir a caixa preta das nossas fundações e responsabilizar os verdadeiros culpados por essa situação e que, seguramente, não são os seus participantes.

A Previc, porém, não se deu conta desses acontecimentos pois, tendo recebido denúncia que fiz e que foi enviada em 09 de agosto de 2016 apontando que a Petros está sonegando relatórios aos seus participantes, em 30/8/2016, enviou resposta me chamando nas entrelinhas de idoso senil.

Isso me obrigou a reiterar a denúncia em carta enviada hoje, via sedex e que torno pública. Lembrando que foi através desses relatórios agora sonegados pela Fundação Petros que nos permitiram informar em depoimento vários dos investimentos temerários que ocorreram nas gestões da Petros. Sem eles, a Petros não estaria citada na Operação Greenfield.

ET – Como fui obrigado a lhes dizer nessa resposta, parece que nem as moscas mudaram.

Carta à CPI dos Fundos de Pensão

Exmo. Sr. Deputado Efraim Filho, presidente da CPI dos fundos de pensão
Exmo. Sr. Deputado Sérgio Souza, relator da CPI dos fundos de pensão
Exmo. Sr. Deputado Marcus Pestana, sub-relator da CPI dos fundos de pensão

O lobo perde os dentes, mas não o costume de morder.

Encaminho, para conhecimento de Vs. Exªs., cópia assinada da carta que encaminhei ontem, 9/8/2016, via sedex, à DIFIS – Diretoria de Fiscalização da PREVIC, apresentando novo protesto às artimanhas que a gestão da Fundação Petrobrás de Seguridade Social – PETROS está submetendo os participantes do seu plano PPSP (Plano Petros do Sistema Petrobrás).

Já é oficial o rombo que gestões partidarizadas aplicaram à nossa Fundação, mais de R$ 23 bilhões, obrigando a que se coloque na mesa de discussões, um equacionamento de R$ 16,4 bilhões, mais de 70% desse valor da inteira responsabilidade da patrocinadora e do Governo Federal, incluindo aqui seus órgãos de fiscalização que estavam de olhos tapados.

Esse déficit, conforme amplamente explicado aos senhores, seus assessores, bem como explanado em depoimento da minha parte à CPI dos fundos de pensão, já era previsto por alguns dos nossos participantes que, baseados em análises feitas em cima dos relatórios que vinham sendo disponibilizados no portal da Fundação, em local com acesso via senha pessoal.

O prazo para publicação do balanço dos fundos de pensão foi esticado, sem qualquer razão técnica, no início de 2015, de 31 de março para 31 de julho do ano seguinte ao evento. No entanto, até agora nada conseguimos saber, exceção aos contraditórios comunicados que a fundação vem fazendo.

Como vamos nós discutir um rombo do qual não temos qualquer responsabilidade, se nos sonegam informações importantes?


Sérgio Salgado é Aposentado da Petrobras.

Um comentário:

Martim Berto Fuchs disse...

E aí, vão continuar votando na esquerda ? Nos defensores da política heterodoxa ? A maionese desandou não apenas pela roubalheira dos sindicalistas pelegos, filiados à CUT e que ocuparam as administrações de todas empresas estatais e dos seus Fundos de Pensão, mas também e principalmente por sua visão "desenvolvimentista", heterodoxa, à partir dos governantes eleitos por vocês mesmos, com ajuda dos analfabetos do país inteiro.
http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2016/02/69-fips-fundo-de-investimento-e_2.html