segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Fim do PT? Hehehe...


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Engana-se  quem pensa que o resultado do primeiro turno das eleições municipais de 2 de outubro último estaria decretando o término, uma grande derrota, ou mesmo a diminuição de poder do Partido  dos Trabalhadores - PT.

Na verdade o PT será salvo pela LEI DA CISSIPARIDADE. Em biologia celular, essa lei significa o nome dado à reprodução assexuada por separação de células em duas partes (bipartição), ou mais partes iguais (divisão múltipla). Ela pode acontecer em organismos unicelulares e em alguns pluricelulares. Segundo essa lei biológica, as “células-filhas” conservam o mesmo DNA, ou material genético, da “célula-mãe”. Mas é evidente que aqui não se trata da “cissiparidade biológica”, porém  da “cissiparidade política”, onde a ação dessa lei  funciona de forma absolutamente idêntica.

Em vista dos resultados negativos para a sigla do PT nas últimas eleições municipais, onde ela perdeu grande parte do poder que detinha, seus integrantes não perderam tempo e passaram logo a estudar espertamente  alternativas de melhor sobrevivência. Uns cogitam simplesmente TROCAR O NOME desse partido, mediante reforma estatutária. Já outros preferem a EXTINÇÃO do partido, com a  subsequente criação de um novo partido, que seria, no caso, uma nova pessoa jurídica, sem nenhuma vinculação formal e  também jurídica  ao “extinto” PT, apesar de aproveitar a mesma “matéria prima” humana, o mesmo DNA, inclusive do caráter fétido de muitos dos seus membros

Esse tipo de procedimento, ou seja, a busca de sobrevivência após desgastes da sigla por suas ações e escândalos de corrupção sem fim, e mesmo pelo desgaste no decurso do tempo, não seria nenhuma novidade na política brasileira. Esses recursos “eles” aprenderam direitinho com os velhacos que dominaram a política antes deles. A ARENA (Aliança Renovadora Nacional) foi um partido político que deu sustentação política parlamentar ao Regime Militar (de 64 a 85). Esse partido foi extinto e levou junto a maioria dos seus filiados para compor o PDS - Partido Democrático Social, hoje rebatizado como PP - Partido Progressista. Mas mesmo antes alguns  membros do  PDS resolveram abandonar aquela sigla e fundaram um novo partido, o PFL - Partido da Frente Liberal,  hoje chamado “Democratas”.

Esse tipo de “tramoia”, agora também buscado pelo PT, faz parte do aprendizado da cultura política nada saudável do Brasil. as o PT teria ainda outras alternativas dentro da Lei Orgânica dos Partidos Políticos (Lei 9096/95) , que regula esse tipo de procedimento até  imoral, tão presente na cultura  política brasileira.

Poderia ele, por exemplo, além de optar pela sua própria DISSOLUÇÃO, criando um novo partido, FUNDIR-SE com outro partido qualquer, talvez até com um dos seus “filhotes” ideológicos, com extinção dos dois partidos e surgimento de um terceiro, com diferente personalidade jurídica. Poderia também simplesmente ser INCORPORADO por um desses seus “filhotes”, ou qualquer outro partido, hipótese em que o PT  também seria extinto e seus membros passariam a viver sob a nova sigla desse partido incorporador.

Mas o que parece importante sublinhar é que o término do PT, seja somente com a mudança de nome, seja com sua extinção como pessoa jurídica, não vai eliminar a estrutura de CARÁTER que norteou os seus passos durante toda a sua existência, em vista do simples fato de que é a “matéria prima” humana  que faz a estrutura de caráter de qualquer organização, inclusive dos partidos políticos. Quem receber essa  escória do PT, o “receptador”, simplesmente vai herdar  todos os seus vícios, “aperfeiçoados” durante toda a sua existência, bem como ser “contaminado” pelo reforço de um DNA político degenerado, que eventualmente se somará  aos seus próprios vícios.

O certo é que de qualquer forma o caráter dos membros do PT não vai ser modificado para melhor com o simples término desse partido.  Certamente eles não abandonarão a vida política e prosseguirão fazendo das “suas”, seja no PT, seja em outra sigla qualquer pela qual optarem.

Por conseguinte, vê-se que a situação não mudará absolutamente nada se porventura o registro do PT for cancelado pelo TSE - Tribunal Superior Eleitoral, conforme processo que ali está tramitando, provocado pelo PSDB. Essa medida talvez até fosse do “agrado” de algumas das suas lideranças (se é que isso já não está “arranjado” entre o PT, Lula, e o próprio TSE), uma vez que de certa forma  até facilitaria a debandada dos  seus filiados para outras “querências”,para continuarem fazendo a mesma coisa que, trocando em miúdos, se resume no inferno político que construíram para a sociedade brasileira.

Releia o artigo de Jorge Serrão: Nomes ideais para um “novo” (?) PT



Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

4 comentários:

Anônimo disse...

Se o Ciro for cãodidato em 2018 e chamar o JEC, Gleisi, meus preferidos como vice, tá garantido meu voto e ganhar a prizidença!
O que mais admiro é a coerencia do Ciro, é tremenda, né?

Anônimo disse...

Se o Ciro for cãodidato em 2018 e chamar o JEC, Gleisi, meus preferidos como vice, tá garantido meu voto e ganhar a prizidença!
O que mais admiro é a coerencia do Ciro, é tremenda, né?

Anônimo disse...

Dizem que ele é fanzão do Maradona. Fariam uma dupla genial, não no futebol.

Diego Mendes disse...

Ciro Gomes é abortista. Apóia o genocídio das crianças brasileiras.