sábado, 29 de outubro de 2016

Os guardas vermelhos de Lula


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

A Grande Revolução Cultural Proletária ou, simplesmente,  Revolução Cultural, foi o período da História Política Chinesa que transcorreu, oficialmente, entre 1966 e 1976 – ano da morte de Mao Zedong.

A Revolução aconteceu porque Mao estava afastado do poder. Ele havia destruído a China e o país ainda se recuperava do “Grande Salto Adiante” que matou de fome milhões de chineses entre 1958-1961.

Para voltar ao poder, Mao estabeleceu uma relação doentia com os estudantes. A partir de uma crítica a uma peça de teatro e de cartazes pendurados por estudantes na Universidade de Pequim, nasceu um verdadeiro culto à personalidade do Grande Timoneiro. Sua esposa Jian Qing, que se apresentava como “o cachorro do presidente”, encarregou-se, como atriz, de levar a histeria dos adolescentes a níveis sem precedentes.


Lula, o Grande Cachaceiro, elogiando estudantes usados pela esquerda para invadir mais de mil escolas brasileiras, imita Mao Zedong e Gleisi Hoffmann, no seu discurso no Senado, a esposa chinesa que ele não tem. A nota de Lula no facebook agradecendo à estudante histérica Ana Júlia Ribeiro que disse que os deputados estaduais do Paraná “tinham as mãos sujas de sangue” (do estudante Lucas drogado e assassinado pelos seus próprios camaradas) é o exemplo típico da relação que existia entre o Genocida Chinês e os Guardas Vermelhos da Revolução Cultural.

Mao Zedong morreu, a Revolução Cultural acabou e sua esposa se matou na prisão. A China seguiu sua História. Lula e Gleisi, mais cedo ou mais tarde vão para cadeia, as escolas serão desocupadas e o Brasil vai seguir seu rumo.

O que vai ficar na história, através dos documentários como aqueles dos depoimentos de Guardas Vermelhos, são as lembranças de Ana Júlia. Memórias de sangue derramado e tempo perdido...Recordações de quem foi usado...e de mim mesmo em 1989 - ano do Massacre da Praça da Paz Celestial na China e do meu voto em Lula aqui no Brasil.


Milton Simon Pires é Médico.

3 comentários:

Anônimo disse...

diferente da fala da estudante a escola pertence a sociedade e nao ao aluno...
os direitos dos alunos sao garantidos pelas leis...
ao ocupar escola para protestar os alunos ferem a lei...


Mau

Carlos Tadeu disse...

Muito boa matéria...gostei

estudantes sendo usados por esta cambada de vermelhinhos

ah sim...MAO TZE TUNG...é assim que me recordo do nome

Mauricio disse...

Os dois estão corretos...