sexta-feira, 11 de novembro de 2016

A PEC 241 condena o Brasil ao retrocesso


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mtnos Calil

“O QUE SE TENTA IMPOR NO BRASIL NÃO TEM PARALELO NO MUNDO”.

Felipe Rezende, professor de economia em Nova York e membro do MINDS - Multidisciplinary Institute for Development and Strategie  patrocinado pela Fundação Ford. - http://www.minds.org.br/
                                                              
A dívida pública e seus juros estratosféricos, para a qual deve ser canalizado o dinheiro economizado pelo governo,  é um assunto ignorado pela mídia, e consequentemente pelo povo.

A herança maldita do PT está sendo utilizada como justificativa para transferir a Lula et caterva a inteira responsabilidade pelo martírio que vai continuar sendo imposto às camadas mais pobres da população.  

O argumento que o Governo Temeroso está BANALIZANDO em favor da PEC 241 é que o orçamento do estado deve ser administrado como faz uma dona de casa que só pode gastar o que recebe.  Isso é uma forma ESCANCARADA (e medíocre)  de manipulação. 

No vídeo anexo a esta mensagem  temos uma pequena parte da exposição do Felipe Rezende feita no Senado Federal que se encontra neste link:



E aqui o Felipe dá uma entrevista, também no Senado:

  

Nesta exposição feita no senado o Governo Temer fez jus a seu nome – não compareceu ninguém do Ministério da Fazenda, apesar do convite feito. O que tinham a temer? 

Eu não sou economista mas facilmente concluí, ouvindo especialistas, que o prazo de 20 anos estabelecido para a PEC é um tremendo absurdo. Tão absurdo que o próprio Temer declarou em entrevista na Globo News que até outra PEC poderia ser aprovada se necessário for,  mudando os termos da 241, antes dos 10 anos previstos para a 1ª. etapa da PEC. 

O ENCAMINHAMENTO HONESTO DESTA PEC DEVERIA PASSAR PELA SEGUINTE METODOLOGIA

1. APRESENTAÇÃO EM EMISSORAS DE TELEVISÃO DO PARECER DE ECONOMISTAS CONTRÁRIOS E FAVORÁVEIS  A PEC

2. ELABORAÇÃO DE TEXTOS DIDÁTICOS RESUMINDO OS ARGUMENTOS DOS ECONOMISTAS CONTRÁRIOS E FAVORÁVEIS  A PEC, DIVULGADOS PELA INTERNET

3. RESPONDER ATRAVÉS DA INTERNET A PERGUNTAS FEITAS PELA  POPULAÇÃO

4. PROMOVER SEMINÁRIOS ABERTOS AO PÚBLICO COM A PARTICIPAÇÃO DOS ECONOMISTAS DOS DOIS LADOS. 

Ps1. Devemos agradecer ao Norton Seng por ter divulgado o trabalho do Felipe Rezende. 

Ps2. Para o Senador Requião a PEC 241 é uma canalhice. - e pode provocar uma GUERRA CIVIL no Brasil. 

ELE PEDE DESESPERADAMENTE PARA QUE SE DIVULGUE  O TEXTO QUE ESTÁ SENDO ELABORADO POR SUA EQUIPE  https://www.youtube.com/watch?v=SJNS5LQ_NRE

Aqui ele informa que a DILMA rejeitou o projeto para fazer a auditoria da divida pública - https://www.youtube.com/watch?v=eQzxfWBKv0U

Ps3. Sobre a “injustiça tributária” vigente em nosso reino do faz de conta: https://www.youtube.com/watch?v=6HG7Jj5hQ9Q




Mtnos Calil, Psicanalista, é Coordenador do Grupo Mãos Limpas Brasil.

7 comentários:

Anônimo disse...

Quem cita qualquer opinião de Roberto Requião como sendo algo sério precisa urgentemente consultar um COMPETENTE psicanalista.
Mauro Moreira

Anônimo disse...

Blá blá blá......

Índio/SP

Anônimo disse...

Roberto Requião????! Kkkkkkkkkkk
Deveria ter citado Gleisi Ré Hoffmann também, em suas incessantes sandices sobre a PEC 242

Anônimo disse...

Ops! PEC 241

Anônimo disse...

Ah! E se o sr. Felipe Rezende colocou seu ponto de vista em audiência pública na comissão de economia do Senado, comandada por Gleisi Hoffmann, e a convite dela, aí, minha gente, não dá mesmo pra confiar no blá blá blá

Fabiano Santos disse...

O que está acontecendo com o blog? Estão dando espaço para "comentaristas" do Paulo Henrique Amorim?
Assim fica difícil deixar o blog nos favoritos. Já não basta RA e O Antagonista?

Loumari disse...

E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto, sede sóbrios e vigiai em oração.
Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros, porque o amor cobrirá uma multidão de pecados;
SENDO HOSPITALEIROS UNS PARA COM OS OUTROS, SEM MURMURAÇÕES.
Cada um administre aos outros o dom, como o recebeu, como bons dispenseiros da multiforme GRAÇA DE DEUS.
(1 PEDRO 4:7)