terça-feira, 15 de novembro de 2016

Donald Trump - o empresário e empreendedor que é agora Presidente


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marcus Marques

O mundo todo ainda está se perguntando como Donald Trump, o personagem mais “amado” e odiado do ano, conseguiu transpor sua imagem ultra negativa e se eleger como o novo presidente dos Estados Unidos, uma das maiores potências econômicas do mundo. Resolvi também pensar a respeito, mas de forma bem diferente do que todos estão fazendo, e analisar sua eleição sob o viés da minha visão de empresário e empreendedor.

Podemos dizer, sem errar, que grande parte do sucesso de sua campanha eleitoral se deve a sua bem estruturada estratégia de Marketing, que soube, como ninguém, vender os benefícios e vantagens de se comprar o produto/serviço: Donald Trump. O voto confirmou a preferência e agora é esperar para ver se o republicano vai cumprir suas promessas estapafúrdias (espero que não!) e também aquelas que fazem total sentido para os americanos, como a retomada da economia e dos empregos, que migraram para países como México e China, por exemplo.

Controvérsias a parte sobre a decisão do eleitorado americano eu, como empreendedor, resolvi fazer uma análise mais empresarial e menos emocional da eleição de Donald Trump. Isso quer dizer olhar para ele como o empresário que ele também é, e pela ótica das ideias e promessas que o fizeram conquistar a vitória sobre HiIlary Clinton.
Ressalto também que não há aqui nenhum tipo de partidarismo, apenas a opinião de um mentor de empreendedores que também é empresário. Vamos lá!

A população está cansada de políticos profissionais
Assim como no Brasil, os americanos estão bastante descrentes e cansados da velha política, feita por políticos profissionais, que entendem muito do “politiquês”, mas muito pouco das necessidades reais da população. João Dória, por exemplo, foi eleito, em São Paulo, com a promessa de administrar a cidade como uma empresa.

Voltando para os Estados Unidos, Obama, apoiador de Hillary, é o presidente mais mal avaliado de todos os tempos, o que comprova ainda mais que ao votar emTrump, os eleitores acreditam realmente que um empresário possa promover um choque de gestão e levar às mudanças que o país está precisando para voltar a crescer.

A confiança no empresário e empreendedor

Todos podem dizer o que quiserem a respeito de Trump, mas é inegável que ele é um empresário de sucesso. À frente de suas empresas do ramo imobiliário, promoveu milhões de empregos nos Estados Unidos e prometeu fazer com que o país volte a gerar novos postos de trabalho e a ser grande novamente.

Quem voltou nele acredita em seu “eu empreendedor e eu empresário” será bom para o país, pois é aquele que tem tanto: visão, coragem e competência como:estratégia, liderança e inteligência para fazer acontecer e mudar o cenário negativo em que se encontram.

Estes eleitores, especialmente os trabalhadores das áreas mais afetadas pela crise econômica americana, o chamado – Cinturão da Ferrugem – composto por estados como: Pensilvânia, Ohio, Illinois Michigan, Indiana, West Virginia e Wisconsin; que concentravam milhares de empregos na indústria automotiva e nos setores do carvão e aço, que foram extremamente afetados pelo desemprego, com sua eleição agora esperam voltar a ter trabalho, riqueza, renda e prosperidade.

Acordos comerciais melhores e mais empregos para o país!

Um país não é muito diferente de uma empresa, especialmente quando avaliamos os acordos que são bons ou ruins para ela, aqueles que ajudam em seu crescimento e os que são um verdadeiro retrocesso. Para Donald Trump e grande parte dos americanos, os acordos comerciais feitos com outros países prejudicaram a população e levaram embora os empregos. Como reflexo disso, a atual classe média americana parou de crescer, perdeu oportunidades e, é hoje, uma das menos promissoras de todos os tempos.

Na prática, a terceirização da mão de obra para países como China, México e Índia, onde os custos são bem mais baratos, tirou emprego dos americanos e só fez aumentar a insatisfação, uma vez que os produtos que antes eram fabricados no país, agora são feitos fora e, quando voltam, têm preços bem diferentes dos praticados antes.

Uma das empresas muito criticadas por isso é a Apple, gigante do Vale do Silício, que resolveu dar aos chineses a fabricação dos seus Iphones, por exemplo, e tirou do seu país seus investimentos.

O Efeito Donald Trump

De fato é inegável que mesmo que não seja uma sumidade, Donald Trump pode não ser o líder que todos querem, mas é o que uma grande parte acredita ser o melhor para os Estados Unidos neste momento. Numa empresa, por exemplo, muitas vezes temos que assumir posturas e tomar decisões que não agradam a todo mundo, mas que, muitas vezes, são necessárias para que os planos se confirmem e o negócio possa avançar. É esperar para ver!

Por fim, eu tenho esperança que como presidente, Trump use mais do seu lado empreendedor e empresário, aquele que o fez expandir os negócios da família e transformá-lo num império bilionário, do que o do candidato preconceituoso, agressivo, egocêntrico e hostil que vimos durante toda sua campanha.

Espero que use seus conhecimentos, habilidades, competências, experiências e visão para administrar muito bem o seu país, que dê bons exemplos de como fazer isso e criar novas oportunidades em meio à crise e mostre que sabe realmente como vencer os muitos desafios econômicos, políticos religiosos e sociais correntes e fazer sua nação crescer novamente.

Assim como tantos outros eleitos este ano, o sucesso dele pode confirmar que cada vez mais também podemos usar o espírito empreendedor e a visão empresarial para conduzir cidades, estados e países rumo à prosperidade, crescimento acelerado, estruturado, focado e planejado.

Também desejo que ele concentre seu tempo em gerar empregos e não em disseminar discursos preconceitos e discriminações contra as mulheres, os estrangeiros e as minorias e não coloque o mundo em mais uma guerra. O que o futuro nos reserva quanto a Donald Trump nós não sabemos. Agora esperar para ver e torcer para que venha o melhor e que esta eleição seja boa também para o Brasil.


Marcus Marques é mentor de pequenos e médios empresários.

2 comentários:

Anônimo disse...

De fato, ninguém aguenta mais essa gente que só pensa em como se perpetuar no cargo político, fazendo pouco ou nenhum caso das pessoas, dos cidadãos e do país.

Anônimo disse...

Taróloga diz que Donald Trump renunciará em favor do presidente da Câmara dos Deputados (que fará um bom governo), porque seu objetivo ao se candidatar era impedir que Hillary Clinton chegasse à presidência dos Estados Unidos.