quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O que virá depois?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

A imprensa tradicional possui com o público uma relação assimétrica. 
Isto significa que os profissionais da opinião e informação, as fontes, são poucas e, leitores, ouvintes  e espectadores constituem a plateia, com pequena  e seletiva interação entre os dois domínios. 

Com o advento da internet, tal formato se modifica e se instala uma espécie simetria caótica, se isso é possível, com a qual a sociedade ainda não sabe lidar, em virtude de não mais ser necessária a participação exclusiva dos poucos que antes constituíam a única janela através da qual era permitido ver o que se passava no mundo. 

Atualmente, a informação está barata e, por isso, às vezes, mas nem sempre, possui pouco valor, podendo ter um número infinito de origens. 

É como se o conceito de representação teatral se transformasse da configuração palco, atores, únicos transmissores da emoção,  e plateia, para um outro no qual todos representariam, aplaudiriam ou reprovariam, dependendo dos estímulos vindos de vários cantos do teatro. 

Assim como é difícil imaginar tal manifestação artística, não se consegue vislumbrar uma harmonia a partir da revolução atual da comunicação, quase instantânea e avassaladora. 

A incógnita é: a imprensa convencional sobreviverá? Caso negativo, o que virá depois?


Paulo Roberto Gotaç é Capitão de mar e guerra reformado. 

Um comentário:

Loumari disse...

Moçambicano estudante no Brasil encontrado sem vida e com sinais de agressão

Um moçambicano que respondia pelo nome de Geraldo Monteiro Silvério, de 28 anos de idade, foi encontrado sem vida num condomínio residencial, na manhã de segunda-feira (14), na cidade Mossoró, no Estado do Rio Grande do Norte, no Brasil, onde fazia mestrado. O cadáver apresentava marcas de agressão.

Geraldo Silvério frequentava a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) – instituição pública sita em Mossoró – e pretendia especializar-se em filotécnica (estudo das plantas).

O condomínio onde a vítima vivia localiza-se no bairro Presidente Costa e Silva, segundo a imprensa brasileira, que avança ainda que Polícia Civil do Rio Grande do Norte ainda aguarda o resultado da perícia para se apurar a causa da morte do jovem.

Entretanto, peritos avançaram, preliminarmente, que Geraldo Silvério apresentava perfurações nas nádegas, ferimento profundo na testa e escoriações no corpo.

O malogrado, natural de província de Nampula, vivia em Mossoró há pelo menos um ano. Ele era licenciado em agronomia pela Unidade Eduardo Mondlane (UEM), em 2014. E foi a mesma instituição que lhe atribuiu uma bolsa de estudo para o Brasil.
Fonte: Jornal Moçambicano @Verdade
16 de Novembro 2016